JORNAL LUMMUS

Liechtenstein, 08 de Outubro de 2016.

Jantar Beneficente da Aristocracia Bruxa Termina em Tragédia
Sensação de insegurança generalizada acomete a comunidade mágica europeia.
Imagem


Na primeira sexta-feira de Outubro, dia 7, realizou-se em Londres a maior reunião beneficente bruxa da última década. O Banco Gringotts tornou-se o palco para o belo desfile de luxo, glamour e requinte das famílias reais europeias que se reuniram no local. De acordo com o comitê organizador todos contratados e envolvidos foram muito bem recompensados, tanto na forma de exposição quanto monetariamente. Parte da comunidade local, de modo que o evento era de grande importância para estes por ser uma forma de publicação e divulgação de seu trabalho.

O evento de gala foi patronizado pelas realezas da Dinamarca, a SAR Lilith Ambrew e o Príncipe Andrew Anthonny. Na extensa lista de convidados encontrava-se chefes de departamento do Ministério da Magia, Conselheiros da Suprema Corte de Wizengamot e o Alto Inquisidor. Além destes, representantes da comunidade mágica foram enviados pelo Hospital Theosphratus von Hohenheim e pelo Lummus Journal.

O evento teve a segurança reforçada tanto na área interna quanto na área externa, e todas as entradas do banco foram fechadas e guardadas. Os convidados e seus acompanhantes chegaram em seus belos trajes e, como exposto no convite, pontualmente o banquete foi iniciado.

Os moradores locais que se encontravam no evento mostravam-se desacreditados que o valor arrecadado fosse, de fato, ser revertido para os objetivos estabelecidos. Quando questionados pela equipe do Lummus, um senhor da vila criticou o posicionamento tomado. “Tinha itens muito caros para serem leiloados e muito dinheiro está sendo investido aqui, de uma maneira que não tem sentido, porque faz um tempo que passou o evento. Eu acho que se realmente quisessem ter feito algo, deveriam ter feito na hora e não depois”. (grifo do autor) Outros comerciantes afirmaram que tiveram valores bem altos pagos por suas mercadorias. “Pagaram mais do que o triplo do preço pedido por um pedaço de torta e disseram que iriam divulgar meu trabalho para todos seus amigos... Talvez algo bom venha disso no futuro.” (grifo do autor)

Entretanto há aqueles que ainda acreditam no espírito da solidariedade. “Nós (comerciantes) fomos muito bem pagos. Eu, aliás, estava no meio da reconstrução da minha loja quando a organização veio falar comigo sobre uma possível contratação, e ainda ajudaram com a loja sem aceitar nada em troca. Disseram que era dinheiro de um fundo específico, uma ajuda para o futuro, que precisaríamos muito. Eu acredito que precisamos mesmo. Reconstruí a loja do zero, investi tudo o que tinha nela, mas por causa da ajuda deles (comitê organizador do evento) posso continuar me reerguendo. Qualquer doação feita com boas intenções é sempre válida e bem-vinda! ” (grifo do autor), foi o informado pela esperançosa dona da loja de café localizada no Beco Diagonal.

Entre os convidados da noite de gala as opiniões estão bem divididas. Há aqueles que questionam a seriedade dos fundos levantados pelo evento.
O anfitrião da festa, Príncipe Andrew, apresentou suas expectativas quanto à festa beneficente para o Lummus Journal. “Espero que seja bem proveitoso para todos os convidados. E, claro, para o nosso objetivo de angariar fundos para as vítimas do atentado” (sic).

O luxuoso salão do banco inglês estava farto de comes e bebes das mais diversas culinárias e culturas. Todas as possibilidades para agradar os gostos mais peculiares dos convidados. A maior parte dos itens disponíveis ao leilão estavam expostos, de modo que todos pudessem apreciá-los e avalia-los antes do levantamento dos fundos. No decorrer da noite os lances foram dados e o valor a ser doado somente aumentava. O evento seguia seu cronograma com perfeição inglesa, sendo interrompido apenas no momento do brinde à comunidade ali reunida.

Perto da meia noite, Lilith Ambrew, hostess da noite, iniciou seu discurso, entretanto foi impedida de concluí-lo pois desmaiou subitamente. Fontes no Hospital Theosphratus von Hohenheim confirmaram envenenamento. Outros convidados logo desfaleceram também e o caos instaurou-se de forma generalizada.

O Mascarado, maior terrorista – ou assassino em massa -, da comunidade mágica europeia e sua quadrilha haviam invadido o jantar beneficente propagando medo e terror.
Alguns convidados tentaram dialogar com o criminoso, o que provou ser inútil, enquanto o Mascarado bradava suas ideologias e filosofias utópicas a todos os presentes. O discurso abominável durou alguns minutos, tendo seu fim em uma ameaça à sociedade com a utilização de um ovo de dragão. Covarde, o Mascarado fugiu da mesma forma que apareceu: sem cerimônia. Antes que a equipe de segurança o pudesse prender, ele desapareceu utilizando uma chave de portal.

O atendimento aos feridos começou no local do atentado, sendo posteriormente transferidos ao hospital bruxo de Liechtenstein para tratamentos avançados.

Os conselheiros da Suprema Corte de Wizengamot, sob forte escolta, foram retirados do meio dos demais convidados por receio a um novo ataque. Até o momento, o estado de todos eles é dado como grave e não há mais detalhes sobre.

Georgine Henriette d'Aviano, da família real de Liechtenstein e chefe de departamento do Ministério da Magia, foi uma das convidadas e, ao ser questionada sobre a festividade, foi bastante incisiva.

“Era para ser algo proveitoso para a comunidade mágica. Estávamos reunidos para levantar fundos para as vítimas do atentado em Hogsmead. Atentado este cometido pelo cúmplice da criatura que apareceu hoje no jantar vitimando mais inocentes de nossa comunidade bruxa. E por envenenamento; modo ardiloso, cruel e desumano. Isto tudo para nos tentar forçar, impor a sua doutrina ilusionista e de ideias torpes à custa de sangue bruxo derramado. A segurança foi quebrada, cúmplices, traidores de sangue bruxo se uniram a este monstro que mais vítimas inocentes fizeram e tiveram as suas vidas ceifadas. Outros, estão agonizando no leito da morte, esperando socorro de nossos medibruxos hábeis. Mas, se me permite senhorita, passar um recado ao Sr. Mascarado que nem mesmo caráter tem para tirar a sua máscara enquanto nos ameaça, o Ministério da Magia não irá permitir que mais vidas sejam tiradas; não permitiremos que esta criatura e nem mesmo quem a ele se aliar, brinquem com nossa comunidade e nos ponham refém as suas teorias terroristas. Mudanças serão feitas e essa criatura que apareceu hoje aqui para nos intimidar será levada a julgamento e condenada pelos seus crimes; assim como todos aqueles que se aliarem a ela” (sic).

Em busca de furos jornalísticos, o Lummus buscou dialogar com Thomas Dernach, chefe dos aurores, que não quis se pronunciar – não somente, o auror evitou a equipe de jornalistas do Lummus Journal. Nenhum outro líder do Ministério da Magia de Liechtenstein deu entrevista na fatídica noite, entretanto fontes confirmam que, salvo poucas exceções, todos os chefes de departamento encontravam-se no Gringotts durante o evento, sob o pretexto de uma possível premiação por seu trabalho e eficiência. Entretanto cabe à comunidade mágica questionar essa mesma eficiência após esse atentado descomunal.

Em meio a tamanho caos e desordem tem-se a expectativa de que as autoridades prestarão satisfações à comunidade, expondo fatos e explicações.

Através de denúncia anônima recebemos informação de que o Ministério da Magia do Reino Unido apreendeu dois indivíduos sob suspeita de atentado terrorista. Esses suspeitos não tiveram suas identidades reveladas e não prestaram depoimentos até o momento dessa publicação.

Escrito por: Abigail Glücksburg

865 Visualizações
18/11/2016 às 22:56:50



JORNAL LUMMUS

LIECHTENSTEIN, 02 DE NOVEMBRO DE 2015

DESAPARECIDA

Mesmo com tantos recursos e habilidades notáveis, até a inestimada família Scamander está fora do patamar de desastres e tragédias.


Imagem


Chegou até o ministério um pedido de ajuda, uma informação segura sobre o desaparecimento da bisneta do famoso escritor e especialista em criaturas mágicas, Newt Scamander. De acordo com a carta enviada à sede do jornal Lummus, a jovem Lilienne Scamander desapareceu sem deixar pistas há pouco mais de duas semanas. Ao que parece, ela saiu para uma rotineira pesquisa de campo em sua área de atuação e não retornou para casa até o dado momento. A família da jovem, em busca de qualquer informação, solicitou a ajuda do Ministério da Magia para encontrá-la, mas a ajuda foi negada pelo mesmo.

Lilienne, desde criança, teve curiosidade em conhecer os grindylows, tigres, grifos, macacos, bicho-preguiça, hipogrifos, leões, erumpentes, entre outras criaturas mágicas e não mágicas conhecidas. Um de seus feitos, talvez o maior deles, ocorreu em uma viagem nas altas montanhas que formam as Cordilheiras dos Andes, em busca dos animais que habitavam aquela região, se deparou com o Dente-de-Víbora-Peruano. O mesmo estava bastante ferido e isso despertou o instinto protetor dela. Durante as semanas que se seguiram, ela ajudou o animal com alimentação e a se recuperar. Com uma matéria, na época, publicada sobre a mesma, sua importância e visibilidade cresceram por todo o mundo mágico.

Quando questionado, o ministério não se posicionou quanto a oferecer ou não ajuda para encontrar a mulher. Chegou ao nosso conhecimento, também, que Lilienne teve algumas desavenças com alguns membros importantes do ministério, mas isso não seria motivo suficiente para negar ajuda a alguém que tanto contribuiu para o Departamento de Regulamentação e Controle das Criaturas Mágicas, seria? O incomum também vem a ser o fato de que um dos representantes do ministério, ocupante do Departamento de Execução das Leis da Magia, afirmou que todas as petições que chegam ao gabinete dos aurores são ignoradas. Isso sim é algo a se preocupar.

Pouco antes de desaparecer, Lilienne teve uma reunião marcada com um dos representantes do Departamento de Criaturas Mágicas, Elias Ghoete. Queria abordar sobre as vistorias de habitats que os dragões tinham e pedir que fossem complacentes quanto ao fato de haver animais naquela região. Claro que a política do ministério é ''matar, caso mate" nesses casos, mas ela defendia um direito à fiscalização pelos animais. E isso gerou desagrado. Nem todos aceitam palpites em sua forma de trabalhar, mas isso não a parou. Sob seu título de ''Mother Blood", ela foi acusada de compactuar com criaturas perigosas e de pôr a vida dos demais habitantes de Londres em perigo.

Por algum tempo, foi comum ela receber cartas agressivas, ameaçando o bem-estar de toda sua família e de ter todos os seus discursos sobre fiscalização e respeito distorcidos em alguns pontos chaves. A população começou a ficar ociosa com a presença dela, o que a levou novamente ao Departamento de Regulamentação, afim de tentar conseguir alguma informação ou meio de mudar o rumo das coisas, mas foi nesse mesmo dia que tudo pareceu desandar. Ela foi vista saindo do prédio e depois desapareceu sem deixar qualquer pista a quem quer que fosse. No meio de tantas brigas, ameaças e, supostas, acusações, todos se tornaram suspeitos.

O ministério está ocupado, claro, sempre esteve. No entanto, a mãe de Lilienne continua em seu apelo sentido e preocupado. É uma dor que não é desejada nem mesmo aos piores filhos ou parentes. Em visita à família, pode-se notar que todos ainda estão muito abalados com o desaparecimento e, mesmo após tantos dias e sem qualquer notícia, não perdem o desejo de reencontrarem a jovem. Quando questionada, Penolline, abalada, deu sua declaração de preocupação e desespero, assim como o irmão de Lilienne, que está fazendo tudo o que pode para encontrar a irmã.

      “Minha filha Lilienne desapareceu há algumas semanas e minha dor é tamanha que não cabe no peito (...) Todos parecem correr e evitar nos ajudar, e peço, como mãe, que nos auxilie."

Reforço aqui a posição do jornal quanto ao desaparecimento, disponibilizando um canal de corujas para toda e qualquer informação sobre o paradeiro dela.

--------------------

Escrito por: Sörem Margot Smooth.

3.424 Visualizações
09/09/2015 às 19:30:41

Cadernos
Notícias
Jornalistas