Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 173 22/11/2018 às 21:19:24
É LUFA - LUFA!! Venus F. Rossa 728 08/09/2018 às 21:24:13
Indo para Hogwarts! Venus F. Rossa 478 08/09/2018 às 21:20:17
A súcubo do Apocalipse Lilith Ambrew 475 08/09/2018 às 12:11:11
Fênix de Odin Lilith Ambrew 530 28/08/2018 às 01:09:34

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Saveur Magiquè

Descrição: Sabor magico - Restaurante

Moderadores: Chefes de Departamento, Ministério da Magia, Special Ministério da Magia

Re: Saveur Magiquè

MensagemIrlanda [#182672] por Chris Mecklemburgo » 18 Jan 2018, 20:33

  • 7 Pts.
  • 13 Pts.
  • 55 Pts.
    - Petter, você sabe onde está aquele anel? – Questionara adentrando ao quarto do sobrinho vistoriando cada pedaço do mesmo. Por todo o castelo da Irlanda, não encontrara nenhum vestígio do anel e sequer a magia de localização fora finalizada. – Merda! – Xingava vendo que o rapaz sequer sabia do que falava. Saíra quarto à fora. O anel era extremamente importante e até então, algo confiado pela contratante para poder guarda-lo.– Ela vai me estuporar quando souber da merda! – Sentira a revolta ecoar pelos meus lábios. Aparatara para o escritório em que trabalhava ali na Irlanda e continuara procurando em vão!

    Aquele anel era uma relíquia de suma importância. Um item valioso e que mãos erradas poderia ser um perigo ainda maior. Tal anel era significativo por representar uma nova e grande ameaça. O poder que o mesmo carregara deixara claro que teria um novo dono portador e, pelas amostras de sangue de Pietro no metal de fabricação do mesmo, era a amostra perfeita de um ritual em que comprovava ter um descendente. Desde descoberto pela Duquesa e ficado sob minha guarda, pesquisara muito sobre a vida de Hades, o anjo das trevas em que o Mestre maior, tinha enorme afeição. Infelizmente como todo humano ou criatura viva, tem suas fraquezas e com isso, o mesmo fora capturado. Talvez o mestre pudesse sentir-se triste por seu filho mais querido ser pego, mas sacrifícios que deveriam ser feitos em prol de algo maior.

    Esse algo maior fora descoberto à pouco tempo. Uma criança cujo maldição não lhe fora páreo. Uma mãe vítima de uma crueldade sem fim e sem estrutura psicológica para suportar tamanha maldade, resolvera por preservar a vida do filho que em sua pouca idade, já fora suspeito de causar a morte de um vizinho. Era como se um novo ciclo nascesse. Um novo ser fosse criado e o pacto resetado. O mais interessante fora as amizades que seu genitor fizera e se como se o mundo já fosse pequeno demais, coincidentemente fora o autor de muitas outras mortes. Uma delas, de Victor, um bom agente que tivera uma vida curta e trágica. Agora, sua esposa aguardava por vinganças.

    Na mesma noite em que perdera o anel, o sonho revelador deixara claro que já tinha surgido um novo Hades e se não fosse a preocupação iminente, quesitonara Nuala, minha sobrinha em plena três horas da manhã. A mesma fizera sua mágica clarividente com areia do deserto do Saara e mais alguns itens. Um pouco de poção em uma xícara para tomar e por fim, as mãos na bola de cristal. Logo minha sobrinha tinha acesso ao meu sonho de uma maneira sobrenatural. – Foque em sua descoberta no sonho. – Assim era sua orientação. Meus olhos focaram em meu corpo, de sensação irreconhecível viajar quilômetros de distância dali para poder jogar a joia em um precipício. Assustador? Pior ainda era saber que ouvira o vento dizer “O Hades renasceu”. Em um súbito flash, a joia ganhara os ares como um pomo de ouro e seguira ao horizonte desconhecido.

    - Preciso contar à Duquesa! –Dissera imediatamente após uma transe de suor frio. A noite passara em claro, no dia seguinte mandara a notícia do encontro e finalmente o “hoje” chegara. Fizera a reserva mais cedo lendo o jornal Lummus sobre a mesa aguardando a morena que representava a Duquesa. Sua posição e reputação lhe impedia de aparecer em público? Não. A verdade é que ela não sentia vontade de me ver, ter alguma recaída ou sequer lembrar daquele idiota que a abandonara.Leon! E que Mitchaell insistia em dizer que deveria deixar aquele assunto de lado e não meter.

    - Por favor! –Retornara ao presente momento observando a beleza de sua secretária e braço direito. – Raven Amirah! – Cumprimentara a Jovem viúva oferecendo-lhe o acento e espaço à mesa. – Menú por favor. – Pedira aos elfos o serviço e deixara a morena começar o assunto.– Intensos, mas creio que com a Duquesa e as demais damas auxiliando, agora deverá sair mais rápido! No Natal teremos novidades! Como está seu irmão? – perguntara simpático sabendo que ela mantinha a ética de não ser tão direto quanto deveria.

eita monologo
Imagem
Chris Mecklemburgo
Mundo Mágico
Avatar do usuário
 
Reg.: 29 de Oct de 2017
Últ.: 12 de Sep de 2018
  • Mensagens: 3
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 7 Pts.
  • 13 Pts.
  • 55 Pts.

Postado Por: Nannnnnnn.


Re: Saveur Magiquè

MensagemRomenia [#184294] por Nikolai Weylin » 17 Jun 2018, 11:59

  • 8 Pts.
  • 14 Pts.
  • 109 Pts.
Night
Out!
Parte I


Inalei profundamente, fechando os olhos por alguns instantes ao saborear o gosto de vinho em minha língua. Abri um sorriso instintivo antes de abrir as pálpebras novamente, focalizando as orbes no rosto do japonês que, assim como eu, trazia consigo uma aura razoavelmente cansada. Deslizei pelo assento, um sofá em forma de U em uma espécie de ‘cabine’ com meia luz como tantas outras do restaurante e me aninhei junto do mais velho, deitando brevemente a cabeça no ombro dele após pousar a taça na mesa. –Bem, tem de admitir que esse descanso foi merecido e esse lugar é fantástico.– Comentei, sentando direito uma vez mais para observar o movimento no restaurante.

-Hideki...– Suspirei, erguendo as sobrancelhas para ele, -As crianças estão bem, elas vão ficar bem. A babá está lá e a está hora...– Baixei os olhos para o relógio preso ao pulso, -Elas ainda devem estar dormindo.– Garanti, relaxando as costas contra o espaldar acolchoado do assento, deslizando uma mão pela coxa do moreno e dando ao joelho desde um aperto de encorajamento. Eu entendia perfeitamente bem aquele medo que o mesmo sentia, ainda mais depois da escapulida que os meus filhos tinham dado, mas sinceramente? Se não saíssemos hoje, eu tinha certeza que nunca mais o faríamos.

-Além disso, os meninos ainda estão de castigo e eles estavam bem obedientes. – Comentei, me esticando um pouco para pousar um beijo na bochecha do japonês, -E nós merecemos essa escapulida, Hideki. Faz séculos que não conseguimos fazer absolutamente nada, eu juro que estou quase voltando a ser virgem aqui de tanta falta de ação. – Ergui as sobrancelhas de maneira dramática, como que para pontuar minhas palavras. – Então vamos aproveitar isso aqui hoje, um dia que nem eu nem você tem plantão, amanhã é fim de semana e as crianças não estão aqui.– Roubei-lhe um selinho, fazendo um carinho na bochecha do mesmo e finalmente sentindo-o relaxar junto de mim.

-Ah e, é claro, esse é simplesmente o melhor restaurante de toda a França. – Adicionei, com um sorriso maroto, -É um lugar que merece ser bem aproveitado. – Tomei outro gole do vinho, mantendo o sorriso no rosto. Estiquei a mão para cesta de pãezinhos na mesa, espalhando no mesmo uma boa quantidade de patê de.... patê de... qualquer coisa em francês que eu não consigo dizer o nome. –Pra deixar essa noite mais perfeita, só acho que a comida poderia chegar logo... – Suspirei, revirando os olhos diante da risada de Osamu, lançando a ele um olhar que me era um misto de falsa ofensa e troça.

-Óbvio que estou pensando na comida, alguém aqui tem que comer alguma coisa essa noite, não é? – Provoquei, rindo diante da expressão do outro. –Embora uma refeição mais interativa possa ser arranjada rapidamente, sabe? Tem um hotel bem bonitinho e interessante por aqui, se você não surtar e decidir correr pra casa logo depois do jantar, acho que poderíamos esticar algumas horas em um quarto, se você entende o que estou querendo dizer. – Comentei, com uma piscadela antes de enfiar o pedaço de pão na boca.


Narrador, -Falas- e doces "Pensamentos" .
Tagged: Wanessa Osamu (Npc), crianças.
Interagindo com: Hideki Osamu.
Notas: Presente <3
It doesn't matters where you hide.
Imagem
I will find you.
Nikolai Weylin
Funcionário do Hospital TvH
Avatar do usuário
Evan Peters
Eu sou o caçador.
 
Reg.: 12 de Feb de 2015
Últ.: 19 de Nov de 2018
  • Mensagens: 157
  • Nível:
  • Raça: Lobisomen
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 8 Pts.
  • 14 Pts.
  • 109 Pts.

Postado Por: Todd (ou Nescau, se preferir).


Re: Saveur Magiquè

MensagemJapao [#184334] por Hideki Osamu » 18 Jun 2018, 18:30

  • 5 Pts.
  • 12 Pts.
  • 73 Pts.
    Sentia cada músculo do corpo tenso, coisa que mesmo uma noite bem dormida como a do dia anterior não seria suficiente para resolver, infelizmente. Precisava de férias urgente, aliais se não tivesse trocado de emprego no meio daquele ano certamente já estaria com essa tão sonhada folga agendada, porém como rejeitar uma vaga daquelas quando o salário fazia valer a pena até mesmo a distância um pouco maior para fazer tal trajeto.
    Afinal de contas, descanso era um luxo que não me via mais podendo exigir. Não que tivesse alguma dificuldade financeira, mas subitamente nossas vidas tornaram a serem jogadas em um liquidificador sem tampa tal igual fora a chegada de Nessie, porém desta vez aquela “surpresa” fora triplicada.

    Significa que também dividia uma preocupação quase paterna com os filhos de Nik? Sim, afinal eram crianças e nenhuma havia literalmente pedido para nascer assim como a minha própria filha e tinha convicção que estar em um relacionamento é também dividir responsabilidades. Lógico que naquele barco até o presente momento nem eu ou loiro sabíamos bem para onde ou como remar, mas as coisas estavam indo não?
    Embora o incidente semanas antes me levara a realmente pensar o que estaríamos fazendo e no quanto talvez ainda fossemos irresponsáveis e sem qualquer experiência para lidar com crianças. Mentalmente apenas agradecia a Buda por - como gostava de pensar- acaso do “destino” anos antes Nik tivera aquele acidente na floresta e logo depois de tal episódio todo local fora limpo das armadilhas antigas deixadas ali e que sobreviveram a ação do tempo ainda armadas antes de toda região tornar-se proibida para caças.

    É errado ficar agradecido por tal acidente? Sentia um misto de alívio e culpa todas as vezes que pensava sobre o assunto, afinal de contas jamais sentiria prazer em ver o loiro machucado, porém se não ocorresse aquilo quem sabe muito provavelmente a armadilha de urso teria apanhado uma daquelas crianças e bem... o estrago seria bem maior.

    E justamente essa tensão e turbilhão de pensamentos, a floresta mesmo limpa e com barreiras reforçadas me tiravam a paz. Uma babá para quatro crianças? Tudo bem que fosse uma mulher experiente. “ E se...” O movimento rápido do mais novo me trouxera de volta a realidade naquele restaurante onde a música ambiente, vozes e tintilar de talheres meio abafados compunha o passeio que nunca mais tivemos tempo de fazer.
    Esbocei um leve sorriso, levando a mão ao rosto deste para lhe acariciar a bochecha antes que o mesmo tornasse a se afastar. De fato, aquele descanso era mais do que merecido, aliais devia aquilo a Nikolai mesmo que o rapaz quase nunca tocasse no assunto e compreendesse nossos horários cansativos, sabia que ele também tinha uma alma jovem ainda e sentia falta de certas coisas como um simples jantar fora.

    - Eu sei.- Confirmei com um leve suspiro, girando a taça em mãos mais uma vez antes de tomar outro gole de vinho e deslizar a mão livre até a do loiro que repousava em minha perna, retribuindo o carinho entrelaçando nossos dedos. Porém confesso que as palavras de Nik naquele momento mais pareciam um soco em meu estômago do que um incentivo para relaxar, mesmo precisando. De fato, estava em falta até com aquilo e não era exatamente por cansaço, até porque já estávamos naquela rotina de trabalho a muito tempo, porém com tanta ‘gente’ embaixo do mesmo teto ficava complicado, ainda mais depois de descobrir que em um desses dias havia “plateia” indesejada e não preciso explicar mais o porquê ficara cada vez mais raro usarmos o quarto para algo que não fosse realmente dormir. – Ah, compartilhamos do mesmo problema então.- Disparei na direção do mais novo em meio ao riso na tentativa de amenizar a frustrante realidade que ia totalmente contrário a rotina que já havia vivido um dia, deixando outro suspiro daqueles pesados escapulir entre meus lábios mentalizando boa parte daquela tensão junto deste num tipo de meditação para finalmente conseguir relaxar. – Ok, ok. Você tem razão.- Retribuí o selinho, segurando sua mão e depositando na mesma um beijo antes de afundar o corpo contra o estofado do banco e passar esta mão livre por trás do loiro.

    - Deveríamos ter vindo aqui antes, esse lugar é realmente maravilhoso.- Levei a mão entorno da cintura do mais novo apertando-o levemente. – Porém não mais que você.- Retruquei-o com uma piscadela e um sorriso de canto, mordendo os lábios e levando novamente a taça aos lábios. Tudo o que precisava era quem sabe mais algumas taças daquele vinho e realmente manteria a cabeça longe de casa, o que não demoraria muito pelo visto também estava fraco até mesmo pra bebida. Quem diria.
    Mas para minha surpresa, ou nem tanto, Nikolai simplesmente me ignorara em troca de alguns pãezinhos, me fazendo rir um pouco alto talvez por efeito do álcool. – Sério?- Encarava-o quase sem acreditar como ele simplesmente podia me provocar e trocar de foco tão rapidamente para a comida. Revirando os olhos com tantas indiretas vinda deste.

    - Definitivamente esse plano me parece ótimo, mas depois que jantarmos. A menos que realmente queria ir agora apesar de não ver pressa pra isso, juro que não vou sair correndo para casa tão cedo.- Voltei a envolvê-lo com os braços deixando de vez a taça de lado, distribuindo alguns beijos pelo pescoço e rosto do mais novo. Afinal de contas já estávamos ali e nada mais justo do que uma refeição para manter as energias se que é da para entender. Fora o fato também de ser poucas as vezes que podia comer algo que não fosse a comida do hospital. Veja quase ninguém aprecia a própria comida, é inevitável enjoar do próprio tempero com o tempo e mesmo que Nikolai fosse ótimo na cozinha com pratos doces, não pedia pro mesmo cozinhar sempre por saber que sua rotina de trabalho e obviamente sabia que andaria cansado.
    Por este motivo me mantive longe dos pãezinhos ali até que finalmente o prato de entrada chegasse a mesa e claro, também confiando na intuição de Nikolai quanto aos pratos pedidos uma vez que não conhecia a fundo a culinária francesa muito menos sabia pronunciar com clareza qualquer coisa daquele menu onde a pronuncia fugia de longe o sotaque oriental.



Interagindo:Nikolai Weylin.
Off: Ah que saudade desses dois!! <3
Nota¹: Acho que o Japa não ta tão enferrujado assim na arte de galantear -q u.u
Imagem


Spoiler: Mostrar
Imagem
Hideki Osamu
Mundo Mágico
Avatar do usuário
Kim Jaejoong
 
Reg.: 06 de Feb de 2015
Últ.: 11 de Dec de 2018
  • Mensagens: 127
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 5 Pts.
  • 12 Pts.
  • 73 Pts.

Postado Por: Jack.


Re: Saveur Magiquè

MensagemFranca [#185259] por Cody Jacques D. Perrault » 26 Jul 2018, 15:27

  • 12 Pts.
  • 12 Pts.
  • 11 Pts.
{ I am a lost boy from Neverland, Usually hanging out with Peter Pan.
And when we're bored we play in the Woods, Always on the run from Captain Hook...

RUN, RUN, LOST BOY! }


Você tem fome de quê?

Você tem sede de quê?

Morta de fome, uma raposa foi até um vinhedo sabendo que ia encontrar muita uva. A safra tinha sido excelente. Ao ver a parreira carregada de cachos enormes, a raposa lambeu os beiços. Só que sua alegria durou pouco: por mais que tentasse, não conseguia alcançar as uvas. Era assim que eu me sentia, sentado à mesa do luxuoso restaurante, saboreando apenas uma taça de água, deliciando-me mentalmente com os cheiros vindos das demais mesas. Aquilo era tudo o que meu dinheiro podia cobrir e, também, visto que as irmãs estavam ocupadas juntando moedas para comprar um único vestido que servisse a todas, não valia a pena tentar conseguir um dinheiro a mais para a refeição.

De qualquer forma, devia haver algum mingau em casa quando chegasse. Ah, como estava com saudades de Conques! Essa temporada exaustiva na parte bruxa da França tinha se tornado um martírio difícil de aturar. Assim que terminei a água, pedi a conta ao garçom que, de cara feia, veio receber meus últimos trocados. Não me retirei de imediato, todavia. Permaneci oculto, humilhado, preso ao último resquício de odor apetitoso vindo daqueles pratos que me rodeavam. Algumas pessoas passaram a me encarar com pena, visivelmente tocados por meu terno azul puído e grande demais para me pertencer e a evidente falta de recursos.


- Por mim, quem quiser essas uvas pode levar. Estão verdes, estão azedas, não me servem. Se alguém me desse essas uvas eu não comeria. – Tal como a raposa, falei bem baixinho, mais para mim do que para qualquer outro, recolhendo, por fim, meu casaco. Moral da história? Desprezar o que não se consegue conquistar é fácil, eu acho. Ou qualquer outra coisa que pareça cabível aqui. Se pudesse, de fato, colocaria fogo em cada um daqueles olhos piedosos e depois fugiria para longe, para encontrar vovô, de preferência.

O que Ele diria numa situação dessas? Seria eu, seu tatara-tatara-tatara - e tantos tatara depois – neto digno de um conto de Charles Perrault? Patético, eu sei... Todavia, enquanto saía do recinto, tentei concentrar naquela paisagem ao lado, a miragem distante, apenas existente em minha mente, do castelo de Beauxbattons... Daí, só apanhei uma pena com a tinta quase seca, previamente utilizada para anotar algumas falas da peça de Cyrano e rabisquei o seguinte: A oeste a morte, contra quem vivo. Do sul, sou cativo e o leste é meu norte.



Listening To: Lost Boy – Ruth B. // Talking To: - Garçom/Myself.// Wearing: THIS!
Imagem
Imagem
Cody Jacques D. Perrault
1° Ano Morrigan
Avatar do usuário
Manu Rios
 
Reg.: 03 de Jun de 2018
Últ.: 17 de Dec de 2018
  • Mensagens: 31
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 12 Pts.
  • 12 Pts.
  • 11 Pts.

Postado Por: Kikyo/Letty.


Re: Saveur Magiquè

MensagemRomenia [#186322] por Nikolai Weylin » 26 Ago 2018, 18:34

  • 11 Pts.
  • 18 Pts.
  • 47 Pts.
Night
Out!
Parte II


- Pressa...– A palavra soava engraçada na minha língua, arrancando de mim um sorriso jovial que quase me viera acompanhado de uma risada de pura troça. Ah, felizmente Hideki me conhecia suficientemente bem para saber que eu não iria a lugar algum antes da comida chegar. Entenda bem, isso não é desfeita alguma. Eu amava o japonês com todo o meu coração, mas convencer o lobo que qualquer coisa nesse mundo é melhor do que um prato de comida quente era algo que ninguém tinha tentado até então. Satisfazer a fome do estômago era algo que andava atrelado a um instinto primordial que apenas acabaria em desastre se não fosse satisfeito.

Muito embora a outra variação de fome arrecadasse efeitos semelhantes. –Hide... – Murmurei, fechando os olhos brevemente diante daquela investida, que eu certamente teria respondido de uma maneira mais ousada não fosse o fato de estarmos em um lugar publico e cheio. Terminei o pãozinho que tinha em mãos com alguma dificuldade, em meio a suspiros cheios de desejo e arrepios nada discretos, além de alguns poucos resmungos, é claro, diante dos atos que me atrapalhavam um pouco. – Sabe, pra quem ainda nem comeu o aperitivo, você está indo rápido demais pro prato principal. – Murmurei, falhando miseravelmente em fazer uma piada com... bem, comida.

Tinha exatamente descendo uma das mãos, voltando a coloca-la no joelho do japonês quando a comida chegou, interrompendo-me no que seria uma breve retaliação. –Ah...– Voltei a colocar ambas as mãos na mesa, abrindo um leve sorriso. – Obrigado...– Me virei então para o mais velho, -Bem, isso... é, como explicar? Uh, uma sopa de entrada – Comecei procurando as palavras certas para a situação, -Ah, é gostoso, é quente e tem carne. – Ótima explicação, não é? Entenda, eu também não falava francês. Então quer dizer que eu não fazia ideia do que tinha pedido também? Não exatamente, eu tinha pedido o menu em inglês. – E o mais importante de tudo, eu estou pagando então pra você é de graça.– Conclui, abrindo um sorriso esperto na direção do japonês.

-E é bom ter espaço nesse estômago, porque eu realmente pedi uma refeição completa. Entrada, salada, prato principal, secundário e a sobremesa.– Listei, cutucando as costelas do mais velho em um ar tipicamente brincalhão. Foquei a atenção brevemente na comida, provando da sopa com a petulância de um degustador profissional, chegando a fechas os olhos brevemente para saborear com maior atenção os nuances da sopa de Cebola, adornada com alguns pedaços de carne de porco. – Mhn, isso é bom... muito bom. – Comentei, abrindo um sorriso breve por um momento, antes de voltar a atenção para o japonês.

-Sabe, acho... acho que nunca fizemos muito disso, não é?– Comentei, um tanto pensativo quanto o assunto. –Digo, isso de sairmos para algum lugar de verdade e tudo mais. – E eu sabia bem o porque daquilo. Sair significava exposição e isso poderia levar a problemas com o Mestre. Ser visto era quase como um chamariz, por assim dizer e – mesmo agora – aquele medo de sempre mexia com meus sentidos, de modo que o estado alerta nunca era totalmente desligado. –Mas faz sentido, acho que por sua causa eu acabei virando uma pessoa de casa. – Obviamente tinha isso também. A rotina intensa de trabalho, plantões e agora criança faziam com que nós aproveitássemos qualquer chance de descansar em casa, pelo tempo que conseguíssemos.

Para falar a verdade eu não odiava nada daquilo, muito pelo contrário. Passei a amar dias de sol regados a preguiça em uma rede na varanda, com nada além do sossego campestre e o cheiro de qualquer coisa gostosa que Hideki preparasse no fogão. Aquilo sim tinha cheiro de casa, aquilo sim tinha a aparência da mais singela felicidade. – Mas isso... nós deveríamos fazer isso mais vezes.– Comentei, encostando as costas de volta no sofá assim que cheguei na metade da sopa. – Sairmos... só eu e você, nem que seja só pra tomar um vinho e voltar pra casa logo depois...– Deslizei uma das mãos para pegar a dele, apertando-a de leve na minha.

- Só pra saber como é ser uma pessoa normal pelo menos uma vez na vida... – Esbocei um sorriso tímido, como se ainda ponderasse sobre o assunto. – Acho que nós merecemos isso.


Narrador, -Falas- e doces "Pensamentos" .
Tagged: Wanessa Osamu (Npc), crianças.
Interagindo com: Hideki Osamu.
Notas: Q//u//Q
It doesn't matters where you hide.
Imagem
I will find you.
Nikolai Weylin
Funcionário do Hospital TvH
Avatar do usuário
Evan Peters
Eu sou o caçador.
 
Reg.: 12 de Feb de 2015
Últ.: 19 de Nov de 2018
  • Mensagens: 157
  • Nível:
  • Raça: Lobisomen
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 11 Pts.
  • 18 Pts.
  • 47 Pts.

Postado Por: Todd (ou Nescau, se preferir).


Re: Saveur Magiquè

MensagemJapao [#186479] por Hideki Osamu » 31 Ago 2018, 16:49

  • 13 Pts.
  • 13 Pts.
  • 24 Pts.
    - Fazer o quê? Você melhor que ninguém sabe que sou um pouco impaciente as vezes.- Dei de ombros retrucando o mais novo ao mesmo tempo em que tentava conter o riso deslizando os dedos sobre o braço arrepiado do loiro. Descendo a mão por entre a deste e entrelaçando nossos dedos para então puxar sua mão e depositar um beijo no dorso, erguendo brevemente os olhos para encará-lo novamente antes de esfregar a bochecha em seus dedos praticamente forçando-o a me dar algum carinho como um gato carente embora não fosse literalmente necessário implorar aquele tipo de coisa, apenas sentia falta de estar na companhia de Nik e ainda sentia que todo tempo livre nunca era de fato suficiente. Talvez nunca fosse capaz de sentir saciada aquela necessidade mesmo que vivesse 24 horas trancados no mesmo quarto e exatamente por essa “carência” constante ou o mínimo de conforto proporcionado pelo outro é que sabia que precisava me policiar.

    Óbvio que mesmo tendo consciência disso não pude evitar o resmungo ao ter a mão tirada de meu rosto, deixando escapar algum murmúrio inaudível antes de voltar os beijos contra o rosto e pescoço do rapaz mesmo que naquele momento a mão deste ousasse um destino melhor.
    Não havia ninguém reparando descaradamente, éramos apenas um casal qualquer como tantos outros presentes naquela noite e devo dizer que após tanto tempo sem beber uma gota de álcool se quer –por incrível que pareça- o vinho me deixara levemente mais dissimulado e esse efeito fora um dos fatores parar diminuir tal vício, principalmente agora com a casa cheia de crianças para dar exemplo. – Não sou o único com fome.- Sussurrei confidenciando-lhe aquele segredo ao mesmo tempo em que puxava sua mão novamente, desta vez para que terminasse o trajeto e subisse minha coxa de encontro a algo verdadeiramente feliz pouco antes do garçom surgir fazendo toda a mágica da brincadeira desaparecer. Confesso que o rosto vermelho de Nikolai me divertia.

    - Merci.¹- Agradeci ao rapaz que nos servira, esboçando o sorriso mais sínico do mundo digno de qualquer bêbado dissimulado mesmo estando parcialmente consciente de meus atos, arriscando um francês ou o mínimo que sabia em meio ao toque mais estranho existente no mundo, um misto de inglês com japonês que sinceramente não soara bem. – Ora, ora. Fico muito grato então espero recompensar e fazer esse jantar valer a pena.- Sorri dando uma piscadinha para o loiro antes de voltar minha atenção ao prato que havia sido servido, mexendo a sopa com a colher esperando que Nik provasse primeiro antes de segui-lo na degustação. – É, é boa.- Não era nenhum crítico especialista para afirmar o contrário, mas de fato o gosto da sopa era bem mais do que esperava pela sua aparência, e havia depositado toda confiança na intuição de Nik sobre o cardápio da noite embora comer tanta carne em todas as refeições ainda não fosse um costume ao qual estava habituado igual a maioria das pessoas assim como o romeno.

    Desviei os olhos novamente ao loiro, tomando mais um gole do caldo quente da sopa. Tinha que concordar com aquilo não era rotineiro apesar de ser algo natural e constante a outros casais. Havia inúmeros fatores que sempre precisávamos colocar na balança antes de sair de casa e a medida que tudo fora acontecendo no último ano, ter tempo para sairmos juntos era o menor dos empecilhos. E não é querendo culpar as crianças, não mesmo! Mas encontrar babás dispostas a olhar tantas crianças, por mais tranquilos que fossem os garotos, ainda assim as babás simplesmente costumavam desistir assim que todas as listas de regras lhe eram passadas fora o fato de que as mesmas não podiam ser trouxa. Aquela idade tanto dos meninos quanto Nessie era extremamente complicada e não gostaria de ter que explicar as babás porque poderia haver objetos se movendo só pela casa como eu mesmo já havia presenciado algumas vezes sem saber dizer ao certo quem era o responsável, ou pior ainda, explicar ao ministério porque expor um trouxa a tal situação.
    Porém mesmo com todos esses pequenos fatores determinantes para acabarmos nos tornando anti sociais, o principal era o risco que corríamos ou as crianças longe de nossas vistas. A única pessoa em quem realmente confiava era Nikolai e por esse motivo trabalhávamos em horários diferentes em todos os turnos dos hospitais.

    - Eu gosto dessa pessoa que me tornei.- Sustentei seu olhar por alguns minutos antes de sorrir. De fato apesar de nossas vidas parecerem estar constantemente em um liquidificador com a tampa aberta, só após conhecer o mais novo é que finalmente havia preenchido um vazio que eu se quer sabia que existia ou sabia atribuir algum nome ao tal sentimento. – Gosto da pessoa melhor que você me fez ser.- O primeiro passo havia sido dado por Nik afinal de contas não? Ele retornara a minha porta, ele havia decidido mudar tudo. – Mas... Precisamos repetir isso mais vezes, de verdade. Eu gosto de ser bancado.- Concluí rindo e desviando de outra cutucada do loiro contra minhas costelas, apertando sua mão entrelaçando nossos dedos uma vez mais tornando a trazê-la aos meus lábios.

    - Nós não somos normais Nik.- Aproximei um pouco o corpo deixando o prato pela metade sozinho e levando o braço livre sobre os ombros do mais novo ainda segurando sua mão. – Tenho quase certeza que um dos filhos do Lanche tem problema de personalidade, mas podemos superar isso juntos. - Mordi os lábios em meio ao riso voltando a beijar o rosto do outro.
    Em meio a brincadeira existia um fundo de verdade, uma verdade não dita ou conversada porém ainda assim entendida por ambos. Não conseguiríamos ser completamente normais jamais, não seriamos aquele casal dos comerciais de televisão, porém ainda assim permanecíamos ali cada qual apoiando um ao outro mesmo sabendo as dificuldades que tínhamos e digo por mim, justamente por isso não abria mão de permanecer exatamente onde me encontrava. - Koishiteru².-




Off: ¹- Obrigado. / Eu te amo ²
Obs: Claro, o problema é o coelho .an
Imagem


Spoiler: Mostrar
Imagem
Hideki Osamu
Mundo Mágico
Avatar do usuário
Kim Jaejoong
 
Reg.: 06 de Feb de 2015
Últ.: 11 de Dec de 2018
  • Mensagens: 127
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 13 Pts.
  • 13 Pts.
  • 24 Pts.

Postado Por: Jack.


Anterior

Voltar para França

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante