Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Felicidade Jian-Yin Lee 437 23/05/2020 às 22:05:02
Recomeço Jian-Yin Lee 2529 13/03/2020 às 16:50:15
22/02/2020 Duncan Cullen 2918 22/02/2020 às 15:27:50
Diário do Josh - Últimos dias antes da escola. Joshua P. A. Nolan 6987 17/01/2019 às 11:12:01
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 6367 22/11/2018 às 18:19:24

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Florean Fortescue's Sorveteria

Moderadores: Conselho Internacional, Special Confederação Internacional dos Bruxos, Confederação Internacional dos Bruxos

Re: Florean Fortescue's Sorveteria

MensagemRussia [#189558] por Sasha Yuriev » 04 Mar 2019, 22:45

  • 6 Pts.
  • 15 Pts.
  • 25 Pts.
A gêmea me fazia falta, é obvio. Alias, as duas... muito embora a minha conexão com Anya fosse mais intensa do que com a outra. Repassava na mente o discurso que usaria com o Senhor meu pai quando voltasse, sobre como isso tudo era ridículo, como isso não era algo que se fazia com a família. Como um elo fraco deixado contra as intempéries do tempo se romperia mais fácil. Em suma, queria convence-lo de traze-la de volta, tal como tinha feito o ano inteiro por meio de cartas e, diga-se por passagem, uma postura exemplar. Queria mostrar a ele que éramos capazes de mudar.

O que, claramente, não seria algo difícil de ela fazer, afinal de contas eu era o caso perdido da família, não é? Ajeitei minhas vestes uma ultima vez na frente do espelho, alisando as dobras da camiseta, enfiando a carteira no bolso e me afastando, seguindo meu caminho para a porta. Permiti que meus pensamentos vagassem, viajando em meio a mil teorias sobre o que teria acontecido naquele um ano de distancia forçada, o qual eu realmente detestara ter de aceitar. Repassei, uma vez mais, as ideias que me iluminavam a mente e que adornariam meu discurso com o rei quando voltasse.

O caminho entre a casa e o ponto de encontro fora exatamente mediado por essa espécie de pensamento. O quão ela teria crescido? Estaria bem, saudável, feliz? Quem estaria tomando conta da pequena? Quem estaria se assegurando de sua segurança? Quem... quem quem... Eram tantas perguntas que me despertavam a ansiedade que mal me dei conta do breve enjoo da aparatação ou qualquer outra reação causada pelo evento que, segundo os trouxas, não deveria ocorrer e era inteiramente antinatural. – Eu ligo quando terminar aqui, Andrej. Não precisa se preocupar comigo... Aliás, acho que Uri precisa de algumas coisas. – Entreguei a lista a ele, me afastando em seguida.

Meus pés se moviam com uma velocidade maior do que eu gostaria de admitir na direção da sorveteria, meus olhos buscando instintivamente buscando pela cabeleira loira da garota. Ela, no entanto, me encontrou antes que eu o fizesse e antes que eu pudesse reagir, meia tonelada de fofura me atingiu em cheio. Firmei os pés no chão, envolvendo a garota nos braços com um abraço, sorrindo um pouco, mesmo que meu rosto estivesse parcialmente oculto pela cabeleira dourada. – Sasha... ou o que sobrou dele, depois desse mata-leão.

Sorri, - Saudades não é desculpa pra você tentar me matar na primeira oportunidade, minha cara. – Provoquei, colocando-a no chão com cuidado, me soltando do abraço delicadamente. – Também senti saudades. – Admiti, permitindo que meu corpo se movesse diante de sua tentativa de me arrastar por aí. – É, parece que eu fui o agraciado do trio. Você e Dasha são mesinhas de canto. – Provoquei, abrindo um sorriso razoavelmente idiota. Era obvio que eu sentira saudade de provoca-la assim, de embarcar nas piadas pueris, sem senso ou nexo que habitavam nossas mentes ainda inocentes... ou quase isso. Sabemos como garotos são.

- Bem, me conte... como estão as coisas pra você? Como você tem se virado? – Indaguei, pegando um sorvete básico de chocolate para mim antes de acompanha-la para a mesa que ela tinha selecionado. Meneei a cabeça, assentindo lentamente para sua breve história. De modo geral, parecia que ela estava indo bem. A garota parecia normal, tinha de admitir e, por um momento, aquilo me incomodara um pouco. Ela estava vivendo bem sem nós, isso não ajudaria no meu discurso de convencimento para o senhor nosso pai. Aliás, era bem o contrário. Ele usaria aquilo como um motivo a mais.

- Tarefa de elfo doméstico. – Repeti depois de um tempo, dando de ombros. –Quer dizer, tarefas de uma pessoa normal que não tem um elfo. Sabe, a nobreza nos deixou um pouco moles nesse quesito. – Admiti, suspirando. –Pra falar a verdade, Durmstrang é quase como ser ensinado em casa. As regras são as mesmas, o treino é o mesmo. Até o país é o mesmo. – Relatei, dando de ombros em seguida. –Ele me mandou pra lá porque eu merecia, essa a verdade. Mas a escola tem seu charme, por assim dizer. – Tomei outra colherada de sorvete, permitindo-me um instante de apreciação do sabor doce do mesmo.

- Alguém... eh, não. Me fale de você, Anya... você quer voltar pra casa? Eu... estou disposto a falar com o pai. Eu inclusive sei exatamente o que dizer, mas eu preciso saber o que você quer. Se você tem vontade de voltar para aquele pedacinho de céu. – O sarcasmo, nessa ultima frase, era evidente em cada letra que me abandonava os lábios, nunca fui de mentir e esse não seria o momento para começar. Revirei os olhos, sacudindo a cabeça. – Se você quiser eu te juro que farei o possível, e o impossível, para te ajudar a voltar. – Prometi.

-Morrer, morrer não morri, maninha. Mas... senti um pouquinho só, sabe? – Pisquei. – Faltam pessoas com um pouco mais de senso naquela casa, sem você o nível de insanidade subiu um pouco mais do que eu considerava aturável, mas... bem. Não se pode ter tudo, não é? – Suspirei, cutucando o sorvete. –E como anda Beauxbatons? – Indaguei, fugindo levemente do assunto família também. Qualquer coisa era mais valida do que aquilo. – Você está comendo direito em casa? Precisa de qualquer coisa? Aproveite que estou aqui, posso comprar o que você precisar.
Imagem


Spoiler: Mostrar
Código: Selecionar todos
[centro][fonte="Engravers MT"][size=120]Titulo I[/size][/fonte]
[fonte="Engravers MT"][size=90]Titulo II[/size][/fonte]
[off]Parte I[/off][/centro]

[justificar][narracao] [/narracao][/justificar]

[esquerda][narracao]Narrador,[/narracao], [falaoutros]-Outros-[/falaoutros], -[fala]Falas[/fala]- e doces [pensamento]"Pensamentos"[/pensamento].
[off][b]Tagged:[/b] -
[b]Interagindo com:[/b]  -
[b]Notas:[/b] -[/off][/esquerda]
Sasha Yuriev
Monitor Chefe Durmstrang
Avatar do usuário
Justin Barnhill
Hell fire.
 
Reg.: 18 de Jun de 2015
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 307
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 6 Pts.
  • 15 Pts.
  • 25 Pts.

Postado Por: Todd (ou Nescau, se preferir).


Re: Florean Fortescue's Sorveteria

MensagemEstados Unidos [#189821] por Adam Woods » 30 Mar 2019, 22:11

  • 5 Pts.
  • 10 Pts.
  • 13 Pts.
Um agradável reencontro
Capítulo segundo.


Riu de leve com o comentário dele. - Ta, você pode esconder, mas sei que morreu de saudades sim. Um pouquinho, aham. - A verdade era que tinha morrido de saudades dele. Então ele devia ter morrido também. Era lógico (?). Deixou o sorvete derreter lentamente em sua língua enquanto aproveitava a sensação de olhos fechados. - O pessoal tem brigado muito? - Anya perguntou diante da afirmação do irmão sobre a saúde mental da casa. Sentia falta dos outros irmãos também, apesar de ser sempre mais ligada ao Sasha. - Não gosto quando eles brigam… - Murmurou. Percebia que o garoto preferia fugir do assunto de casa. Talvez ele estivesse cansado. Talvez chateado, não tinha como saber ao certo. -Está indo bem. Eu diria que criei certa disciplina fora de casa, sabe? Eu tenho uma boa amiga lá, a Pinky. Na verdade, é com a família dela que eu tenho morado. Ela se preocupa comigo. Você devia conhecê-la. O cabelo dela muda de cor, acho isso tão legal. Como chama mesmo… Metamorfo… alguma coisa.- Olhava para ele agora enquanto falava. - Isso, metamorfomago. Eles são boas pessoas, sabe? - Sorriu. - Ah, e eu tenho ido bem nas aulas, eu acho. Melhor que antes. Eu não dava muito valor a estudar antes, mas… Isso tinha de mudar, né? Papai nunca me aceitaria de volta se eu não mudasse e… Nem tenho certeza se… Ele vai me aceitar de qualquer modo. - Suspirou profundamente. - Mas chega desse assunto, estou ficando um pouco melancólica, eu acho. Mas chega. Hoje tem de ser um dia feliz, porque vamos passear o dia todo e nos divertir.- Piscou para ele.

De certo modo, a preocupação dele com o estado dela, era reconfortante. A sensação de que alguém em casa ainda gostava dela era ótima. - Estou comendo bem. Na verdade, acho que seria interessante eu ir na madame malkin’s ver uniforme. O meu está ficando apertado já. E não me venha chamar de gorda. Eu só cresci. - Mostrou a língua para ele. Meninos costumavam ser idiotas. Ainda mais na idade deles. Era evidente que Anya tinha mais maturidade que ele. (Apesar de não ser nem um pouco maduro mostrar a lingua). Mas tanto faz. A história era dela, ela interpretava do jeito que queria. - Só porque estou mais baixa que você não quer dizer que não cresci também. Nem todo mundo come fermento, sabe? Você fica ai tomando poção de gigante…- Brincou. Nem sabia se de fato existia alguma poção que fazia as pessoas crescerem. Ou um feitiço. Mas de que importava? Não queria ser mais alta do que deveria. Só era estranho ter o irmão gêmeo muito mais alto que ela. - Você precisa comprar alguma coisa também? De repente podemos ir depois de terminar o sorvete. Falando nisso… Quer experimentar? A sensação de flutuar acima da cadeira é muito divertida.- Sorriu, aguardando a resposta dele. Aproveitou para roubar uma colherada do dele enquanto ele decidia. Fazia parte de se ter irmãos, ter os sorvetes atacados sem convite prévio. Sasha deveria ter previsto esse movimento. Falando em movimento, deixou ele pegar um pouco do seu sorvete logo que ele aceitou. Era justo né. Sorvete por sorvete. Que vai deixar todo mundo lambuzado. Pera… Que? Já estava viajando um pouco no olho por olho. -É idiota, mas é divertido. - Riu junto com ele, aproveitando aquele momento leve. Queria passar mais que só aquela tarde assim, eis a verdade. Quais as chances de que ele aceitasse não voltar para casa se ela pedisse que ele ficasse? Bem pequenas… Tinha certeza disso.


Interacting with: Sasha Yuriev
Notes: não revisado, bla bla bla. Tentando passar de ano. .corre
Imagem
Adam Woods
5° Ano Romanov
Avatar do usuário
Luca Coyle
 
Reg.: 13 de Jan de 2014
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 231
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 5 Pts.
  • 10 Pts.
  • 13 Pts.

Postado Por: Gii.


Re: Florean Fortescue's Sorveteria

MensagemRussia [#189862] por Sasha Yuriev » 31 Mar 2019, 20:14

  • 10 Pts.
  • 17 Pts.
  • 84 Pts.
-Eu não diria ‘brigado muito’... Mais como brigado o mesmo tanto, mas sem uma pessoa a mais para ajudar a acalmar os ânimos. – Comentei, franzindo levemente o nariz. Para falar a verdade, os ânimos em casa realmente estavam relativamente exaltados a partir do momento que Uri começara a arrumar confusões com Alik sobre qualquer assunto existente na face da terra, algo que eu realmente não concordava, no entanto compreendia. Uri era o mais novo, era natural que tivesse demorado mais um pouco para nos alcançar em quesitos hormonais. Veja bem, ele estava sofrendo o que todos nós já tínhamos sofrido.

-Ninguém gosta quando as pessoas brigam. – Concordei, especialmente quando eu era um dos lados da briga, embora admito que melhorei bastante depois dos treinos com Andrew. Era alguém com quem eu era obrigado a controlar as forças, exatamente porque sabia que nem mesmo com a minha ajuda, ele me aguentaria despejando golpes com força exagerada como meus irmãos aguentavam, afinal de contas eram anos acompanhando aqueles surtos repentinos que eu mesmo falhava em entender. Foquei brevemente a atenção no gosto do sorvete, mandando algumas colheradas do doce gelado para dentro enquanto ouvia os relatos da garota, a cabeça levemente inclinada para o lado.

-É engraçado dizer que você... descobriu disciplina fora de casa, sabe? – Comentei, de maneira distraída. Era de sabedoria comum que pegavam mais leve com as meninas, mas Anya... bem, devo admitir que até mesmo eu achava toda aquela situação estranha. Me perguntava, inclusive, se ela realmente não havia feito algum esforço para ir tão mal, porque né... a realidade era que éramos inteligentes, logo bastava só um pouco de esforço para que, bem, chegássemos ao topo da classe ou qualquer coisa do gênero. –Mas é bom que você se dê valor agora, eu suponho. – Dei de ombros.

- Ela é... uma metamorfomago? – Sugeri, observando o breve ‘engasgo’ com a palavra. De novo, me pegava pensando se Anya não era diferente de nós em algum quesito mental. Talvez ela... simplesmente fosse alguém com menos preocupações, mesmo considerando tudo. Odeio seguir pelo discurso machista, mas não eram as garotas que meu pai preparava para o comando, mesmo que eu imaginasse que se ele não começasse a fazer isso, não teria exatamente alguém para ocupar o seu lugar. Admito que era com pesar que eu imaginava que toda a sua luta seria deixada de lado quando nós envelhecêssemos. Eu não tinha interesse no trono.

-Talvez ele reconheça que você vale a pena de novo, se você está se dedicando. – Sugeri, dando de ombros brevemente. – Certo, certo então. – Sorri, rindo baixinho. Melancólica, é? Parecia que alguém também estava aprendendo palavras novas. Isso fazia ela parecer o que? Uma senhorinha de oitenta anos? Não eram eles que diziam que se sentiam melancólicos com as memórias e virtudes do passado? –Engordou, é? – A brincadeira me saiu pelos lábios antes que eu tivesse tempo de processar efetivamente a palavra, rindo logo em seguida. – Poção de gigante? Quantos anos você tem, Anya? Quatro? – Eu não prestava.

Aliás, nenhum de nós. –Mas admito que preciso de algumas roupas novas, alguma coisa a mais para treinar com mais liberdade... e que o tecido seja melhor e não se desfaça tão rápido quando eu cair. – Listei, encarando o sorvete dela por um momento enquanto decidia. Admito, não queria experimentar... mas algo lá dentro, no fundo do meu coração dizia que, talvez, ela ficasse chateada com as minhas motivações para não, então cedi aquele sentimento, roubando uma colherada. –É... bem... – Dei de ombros, - É... estranhamente... estranho. Digo, é meio idiota, não é? – Franzia a testa, -Não sei se tinha idade pra... ficar pedindo isso. – Ergui os olhos pra ela. –Mas é, idiota... porém divertido. – Voltei para o meu sorvete. –Hum... quanto tempo isso faz efeito mesmo?
Imagem


Spoiler: Mostrar
Código: Selecionar todos
[centro][fonte="Engravers MT"][size=120]Titulo I[/size][/fonte]
[fonte="Engravers MT"][size=90]Titulo II[/size][/fonte]
[off]Parte I[/off][/centro]

[justificar][narracao] [/narracao][/justificar]

[esquerda][narracao]Narrador,[/narracao], [falaoutros]-Outros-[/falaoutros], -[fala]Falas[/fala]- e doces [pensamento]"Pensamentos"[/pensamento].
[off][b]Tagged:[/b] -
[b]Interagindo com:[/b]  -
[b]Notas:[/b] -[/off][/esquerda]
Sasha Yuriev
Monitor Chefe Durmstrang
Avatar do usuário
Justin Barnhill
Hell fire.
 
Reg.: 18 de Jun de 2015
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 307
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 10 Pts.
  • 17 Pts.
  • 84 Pts.

Postado Por: Todd (ou Nescau, se preferir).


Re: Florean Fortescue's Sorveteria

MensagemIrlanda [#191994] por Sage Kavanagh » 03 Jun 2019, 23:29

  • 1 Pts.
  • 14 Pts.
  • 18 Pts.
    "Sim, mãe, nós vamos ficar bem. Mas é claro. Não, não precisa se preocupar, estarei com ela em todos os moment- por que eu faria isso?! Mãããããe!" O olhar desinteressado de outrora foi tomado por um de horror, mas Sage pouco se importava; não prestou mais do que dez segundos de atenção à conversa de seu irmão com a mãe, preferindo observar as pessoas na rua. Nunca antes tinha visto tantos bruxos. Pessoas, sim, mas não que vestissem capas tão longas, e andassem com varinhas, até mesmo com chapéus pontudos e sussurrando feitiços. Era um cenário surreal para a pouca vivência da pequena corvina - ainda que não houvesse sido escolhida para uma casa de Hogwarts, pois seriam semanas até o início do ano letivo. Mesmo assim, Sage pegara-se imaginando as mais diversas situações com aqueles bruxos; imaginou que o pai com seus dois filhos podia trabalhar dia e noite, então voltar no tempo e ficar com as crianças. Viu uma senhora com vários quilos extras e conjurou a imagem dela criando iguarias com um toque de varinha. Um gatinho, e talvez o dono pudesse conversar consigo.

    Sage não era das mais imaginativas, mas havia algo naquele mundo que a atiçava; talvez fosse o mistério, ou o fato de que poderia perder-se nele tal como perdia-se em livros e filmes. Pensar que logo seria ela vivenciando a magia ainda soava ridículo, o tipo de coisa que não se imaginava fazendo, mas algo corria nas veias, sim, um desejo pelo que só podia ser fruto de suas imaginações mais loucas (afinal, era trabalho de Bran sonhar por si, enquanto ela mantinha os dois pés no chão, bem presinhos). "Consegui, meio metro! Vêm por aqui, mamãe nos deixou sozinhos pelo resto do dia… aparentemente eu preciso mandar notícia a cada meia hora, mas é só isso." Sage não entendeu por que aquilo o fizera rir. Apenas deu de ombros, despreocupada; não duvidava que, se ficasse perdida, poderia encontrar o caminho de volta para casa. Não que o soubesse, mas havia mágicos ali, oras! De certo alguém podia… adivinhar a localização dos pais, conjurar um meio de transporte ou algo parecido.

    Podia não saber os limites da magia, mas não duvidava em nada que existia feitiços o suficiente para ajudar uma criança perdida. A única coisa estranha naquilo tudo era que ela própria não se imaginava como feiticeira; não tinha aquele desejo louco por Hogwarts. Queria ficar em seu quartinho, lendo os livros para primeiranistas, e talvez os mais avançados, fazendo mágica e aprendendo sobre histórias, poções, feitiços… estar num lugar cheio de outras pessoas - outras crianças e adolescentes - a entediava. Por que perderia seu tempo com outros, quando podia dar-se bem por si?

    Talvez por isso tenha soado como uma bênção quando Bran virou para si, duas horas depois, parecendo afobado demais depois de ter visto uma menina. "Ei, você pode ficar por aqui, né? Só… toma esse sorvete, entra na fila e pega outro pra mim? Eu preciso, ãh- eu já volto, maninha. Fica aí!" Coisa que fez Sage olhar para a porta por onde ele saiu por três ou quatro segundos antes de decidir que não valia à pena seguí-lo. Era melhor mesmo ficar na fila, em que podia pensar, espiar as pessoas e…. bom, esperar pelo sorvete. Porque o número de bruxos estava mesmo imensa. Aparentemente, um criador famoso de diversos tipos de sorvetes mágicos estava fazendo uma de suas últimas aparições e, é claro, todos queriam provar de seus encantamentos (além dos sabores diversos). Sage só queria uma sobremesa legal para passar o tempo, porque Bran a tinha feito encher o estômago com uma gororoba esquisita que nela deu dor de cabeça.

    Pensava justamente na comida estranh- "OLHA PRO LADO, P*RRA!" …… quê? Olhou em volta, confusa. Não era comum ouvir adultos gritando, ainda mais uma palavra tão feia (como sua mãe dizia, que ela nunca compreendeu porque palavras, por si só, não pareciam feias ou bonitas). Era uma moça alta, mal-educada e de bochechas vermelhas, mas quem parecia atônita era uma menina, cujo sorvete acabou de cair no chão. Sage mal pode ver o resto, porque já era sua vez de pegar um novo sabor e a menina estava do outro lado da loja, provavelmente acabara de pegar o seu.

    "Eu vou pegar…. o que a última cliente acabou de pedir? Aquela ali." Sorriu, qualquer traço de timidez esvaindo-se por conta do plano que se formava em sua cabeça. Nada mais do que uma ajuda a alguém da sua idade, alguém este que soava aflito, e que parecia ser muito mais legal de conversar com do que seu irmão que a abandonara. Bran podia ficar na fila ele mesmo e pegar um sorvete pra si. "É, isso! Muito obrigada. Aqui." Parou para analisar as moedas, cinco segundos no total, antes de se decidir por duas e receber um olhar feio. Então se desculpou, adicionando outras três. Só então viu-se com outros dois sorvetes (era mesmo bom, e queria um segundo, porque seu irmão comeu quase todo do outro).

    Partiu direto em direção a menina. "Ei! Eu vi o que aconteceu, aquela senhora é muito mal educada, não acha? Mas pode ficar com o meu." Deu de ombros, de início não compreendendo qualquer sinal de surpresa da parte dela. Não sentiu necessidade de explicar. Na sua cabeça, era claro: melhor fazer um favor para outra pessoa do que se tornar capacho do corvino (que amava, e por isso a implicância era só ressaltada).

    Interagindo c/ June. Espero que goste, Nanda :3
Sage Kavanagh
1° Ano Ravenclaw
 
Reg.: 13 de Jul de 2014
Últ.: 25 de May de 2020
  • Mensagens: 45
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 1 Pts.
  • 14 Pts.
  • 18 Pts.

Postado Por: Mah.


Re: Florean Fortescue's Sorveteria

MensagemRussia [#192333] por June Krovopuskov » 16 Jun 2019, 13:09

  • 11 Pts.
  • 12 Pts.
  • 6 Pts.
    - Então você quer mesmo ir tomar sorvete hoje? – Meu tio dizia com sua voz maravilhosa e com enorme sorriso nos lábios lhe respondia: - Sim! Amo! E graças ao clima de lá que é mais quente que aqui, vou poder tomar tranquilamente. – Coçara o nariz animada. Mais uma vez sairia com meu tio para tomar sorvete na Inglaterra e em questão de segundos, já estava em Hogsmead caminhando pelo beco diagonal. As compras escolares foram calmas e tranquilas com a presença do meu tio ao meu lado. – Ainda dói? – Olhava para meu braço com uma expressão de curioso.– Não mais, está bem melhor que da ultima vez. – Comentava despreocupada.– E sua mãe? – Olhara as vitrines das lojas. – Está bem. – Respondera automaticamente. – Me desculpe pequena. – Respirara profundo tentando ignorar a situação e as lembranças. – Não foi você. – Encarava-o seriamente.

    - Posso ser uma criança de onze anos, mas sei o que é ser justo ou injusta; sei o que são minha culpa e não... Tenho plena ciência disso então acredita quando falo que não é para se preocupar, ta? – Esboçara o melhor dos meus sorrisos agarrando a cintura do meu tio. – Mat, vou trazer um sorvete enorme para você e vamos comer juntos com doces, então... Me dá as moedas que sobraram e fica sentado ali ó. – Apontava para a cadeira em frente à loja de comidas.– Voltarei rapidin. –Meu tio soltava as moedas em minhas mãos e concordava com meus comandos seguindo para a mesa aguardar meu retorno.

    - Moço, moço! – Dissera ofegante em cima do balcão.– Aqueles sorvetes ali, por favor, quero bem caprichado e recheado para mim e meu tio! – Buscava respirar entre as palavras enquanto lhe entregava as moedas. O homem pegava o dinheiro, contava e devolvia uma moedinha, logo começava a colocar o sorvete na taça. – E muita calda de chocolate nos dois, okay? – O homem sorria. – Obrigada! – Podia sentir a baba escorrendo pela lateral dos meus lábios. – Obrigada! – Soltara um enorme sorriso enquanto pegava as taças com as duas mãos tentando manter o equilíbrio perfeito e seguia em direção ao meu tio.

    Ele era fã de sorvete e eu também. E sabia que ele ficaria mais feliz e menos preocupado com sua comida predileta junto com a sua sobrinha preferida! E mal saíra da sorveteria e PUFFF! – EI MOÇA! – Gritara enquanto a mesma vociferava com suas vestes sujas. – Meus sorvetes! – Choramingava ignorando-a por alguns minutos. – Meus... – Encolhia-me. – Desculpa, mas você tem que olhar por onde anda, sabe? – Choramingava enquanto ouvia a mesma se afastar sobre resmungos e maus agouros contra minha pessoinha. Okay, o plano de alegrar meu tio com seu sorvete preferido, fora para o ralo! E agora? O que tinha não iria dar mais e... – Aff... – Resmungara levantando-me e conferindo se não estava suja pelo acidente. Pela sorte ou azar, apenas a mulher troglodita que ficara suja e melecada.

    - Ah... Oi? – Franzira o cenho encarando a menina falando comigo. – Obrigada, mas o do meu tio... – Sentira as bochechas avermelharem por alguns segundos, observara em direção à mesa do outro lado onde meu tio poderia estar e... – “Onde diabos ele foi parar?” – É. Se ele não estava ali, poderia me perder caso procurasse por ele, então ficaria onde estou e ele quando terminar o que foi fazer ou voltar, viesse para cá. – Obrigada. – Dissera com um enorme sorriso nos lábios. – Desculpa, não tenho moedas para te dar pelo sorvete, mas quando meu tio aparecer, lhe dou direitinho, ta? – Agradecera de coração para a garota que me ajudava.

    - Então como se chama? – Caminhava para a mesa tomar um delicioso e calmante sorvete! – Eu Sou June Krovopuscov e você? – Me apresentava educadamente tentando não falar em Russo como minha mãe ensinara e meus pais também.





COM SAGE!
Imagem
June Krovopuskov
2° Ano Rurikovich
Avatar do usuário
Terese Pagh
 
Reg.: 21 de Apr de 2019
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 51
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 11 Pts.
  • 12 Pts.
  • 6 Pts.

Postado Por: Nannnnnnn.


Re: Florean Fortescue's Sorveteria

MensagemRussia [#192775] por Natasha Velius » 30 Jun 2019, 03:49

  • 16 Pts.
  • 16 Pts.
  • 129 Pts.
Crianças e sorvetes.
Capítulo primeiro.


Natasha mexia a comida que estava cozinhando no fogo enquanto deixava a mente vagar. Estava num daqueles dias em que os gêmeos estavam quietos e não porque estavam aprontando, mas porque o marido estava lá e tinha inventado algum jogo para eles. Gostava tanto dos momentos que ele ficava em casa, ele era tão bom com as crianças. Já sobre si, não podia dizer o mesmo, no geral tinha de se esforçar muito para entreter aqueles pequenos que dependiam dela. Durante sua infância, não tivera muito tempo de brincar, nem teve muitos brinquedos. Tudo era sempre focado em lições que ela deveria aprender para ser uma garota perfeita. Não funcionou tão bem esse plano deles, mas isso não era o foco do momento. O tratamento extremamente rígido que recebeu somados a visão de algumas coisas que crianças não deveriam ver, contribuíram para os diversos problemas da russa na área da saúde mental. As cicatrizes que tinha estavam ali para contar aquela história.

O que mudou sua vida completamente foi a chegada de um certo homem nela. Blaike tinha mudado tanta coisa na vida dela desde a primeira vez que o viu, quando trabalhavam juntos. Todas as vezes que ela o afastou e tentou fazer ele sair da vida dela… Mas ele nunca desistiu. Natasha se sentia feliz com isso. Infelizmente (e ela nunca diria essa palavra em relação a isso ao amado), os filhos vieram muito cedo. Não tinha tido tempo o suficiente para melhorar tudo o que precisava - se é que isso seria possível mesmo -, não sabia como lidar com uma família. Era sempre um esforço enorme que ela tinha de fazer para dar o amor que os pequenos mereciam. O amor que nunca sentira na infância. Seu bloqueio tinha de ser derrubado barreira por barreira, o que não era nem um pouco fácil. Muitas vezes não entendia o que ele viu nela… Natasha tinha tantos problemas que não achava que valia a pena.

Sentiu os braços dele a envolverem de repente. Isso tinha algo que tinha custado um pouco a se acostumar. Todo aquele contato físico costumava fazer com que ela ficasse paralisada e rígida. Isso não acontecia mais. Já estavam há mais de cinco anos juntos. Se permitiu se aproximar um pouco mais dele, repousando sua cabeça suavemente em seu peito. Agora se sentia segura ali. Tinha a impressão que com ele tudo o que costumava afetar ela, não era mais um problema. A consciência do próprio coração batendo no peito se tornava mais evidente com a presença dele, ainda mais quando ele estava assim tão perto e sua voz atingia os ouvidos da russa. Às vezes não queria que ele se afastasse nunca. - Sair? Hoje? - Perguntou sobre algo que ele disse. Não saía tanto de casa desde que largou seu emprego no ministério para "se dedicar a família". Costumava sair mais quando Aimée (que era madrinha deles) a convencia de que seria uma boa ideia que os gêmeos gastassem energia ao ar livre ou quando ia a casa dela para que os meninos brincassem com as filhas dela.

Blaike precisava comprar algumas coisas que não podiam ser adiadas. E o que ele dizia fazia sentido, também não queria ficar distante dele naquele dia de folga e seria bom que Nathaniel e Stephen passeassem um pouco. Quando andavam bastante e gastavam mais energia, a hora de dormir se tornava muito mais fácil, sem aquela necessidade de ficar implorando para que fossem dormir ou contando várias histórias para ver se pegavam no sono. Eles tinham tanta energia acumulada! Não era fácil ser mãe de dois meninos. - Podemos ir depois do almoço. - Não gostava que os meninos comessem fora de casa, não parecia confiar na qualidade do que era servido fora. Se afastou dele, voltando sua atenção ao que estava fazendo. Por que às vezes sentia uma sensação estranha de que se saísse com eles algo ruim poderia acontecer? Mas o pai deles estava junto. Não tinha nada para dar errado…

***
Já tinham passado em duas lojas e um dos meninos parecia querer ir embora, insistindo constantemente com a mãe. - Não podemos ir agora, tenha um pouquinho mais de paciência. - Disse, sentando soar o mais doce possível. Sabia que muitas vezes soava de forma meio fria e impaciente por acidente. Seus olhos foram atraídos pela fachada da sorveteria que parecia tão convidativa. - Que tal um sorvete? - Sugeriu. Em dias normais, não faria isso. Não gostava de dar algo tão doce a eles, mas aquele era um dia a parte. Ainda tinham alguns lugares a ir e queria melhorar o humor de um garotinho emburrado. De qualquer forma, seria interessante ver eles em sua primeira vez de experimentação de sorvete. Sua sugestão pareceu atrair atenção de ambos que queriam saber o que era aquela coisa que nunca haviam visto. - É um doce gelado. - Não sabia como explicar melhor que isso. A palavra 'doce' bastava para que eles quisessem ir.

Escolheram um lugar para sentar dentro da sorveteria, colocou as crianças sentadas e ficou observando eles enquanto o alemão comprava as delícias geladas. Esperava que essa sua ideia tivesse sido boa, estava tudo indo bem. Mesmo que seu impulso fosse sempre esperar pelo pior.


Interacting with: Blaike Z. Velius (Todd); Nathaniel N. Velius (NPC); Stephen N. Velius (NPC Todd)
Tagged:Aimée Fontaine
Notes:feito pelo celular e não revisado. Espero que esteja bom e que você goste.
Imagem
Natasha Velius
Conselheiro da CIB
Avatar do usuário
Scarlett Johansson
 
Reg.: 28 de Dec de 2013
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 186
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 16 Pts.
  • 16 Pts.
  • 129 Pts.

Postado Por: Gii.


Re: Florean Fortescue's Sorveteria

MensagemJapao [#196605] por Haru Kobayashi » 06 Fev 2020, 22:11

  • 18 Pts.
  • 14 Pts.
  • 89 Pts.
Imagem


Era uma proposta muito interessante aquela que havia recebido do chefe do setor de controle das criaturas mágicas do ministério japonês. Não sabia bem como o homem conseguira seu contato, nem onde, mas não fazia muita diferença, fazia? Ele só tinha de fazer o que mais amava: ser furtivo e fotografar. Queriam que ele conseguisse provas que incriminassem um dos funcionários que, pelo que o seu chefe dissera, estava cometendo atitudes ilícitas em horário de trabalho. Ele não tinha ideia de que tipo de atitudes seriam essas, mas o homem que lhe contratara parecia bem, mas beeeeeeeeeem irritado. Havia o chamado para uma sorveteria bem longe do Japão, que seria seu novo local de trabalho, e lhe entregara uma ficha com as informações de seu alvo.

Shisui Kurosaki. 18 anos. Formado em Mahoutokoro. Jian ajeitou os óculos e passou os olhos mais uma vez na foto que encabeçava a ficha tentando gravar aquele rosto. Kobayashi não parava de dizer o quanto o tal Kurosaki era suspeito e como ele teria de ser sorrateiro para conseguir as tais provas. Kurosaki era escorregadio. — Então, deixa eu ver se entendi direito... — O rapaz chinês fitou o japonês guardando a ficha de volta ao envelope de papel pardo quando ele terminou de falar. De falar não, de reclamar. — Eu vou trabalhar como parceiro desse tal Shisui Kurosaki. E, no tempo que passar ao lado dele, precisarei reunir provas que o façam perder o emprego. Fotográficas. É isso?

Kobayashi assentiu com um sinal de cabeça e Jian pegou o copo de vidro onde estava seu sundae e o mexeu com o canudinho de biscoito que o adornava.
— Certo. Mas sabe que vou precisar dos dois salários, né? O de fotógrafo e o de magizoologista. Os tempos estão difíceis e... Convenhamos, posso acionar um advogado e receber uma senhora indenização por dupla função, né? — Haruno Kobayashi arregalou os olhos. Havia sido pego de surpresa, provavelmente. Alegou que o ministério não tinha recursos o suficiente, ao que Jian o interrompeu. — Não é problema meu. É o meu preço. Pegar ou largar. — Levou o sundae até os lábios, bebendo-o como se fosse suco, ao invés de tomá-lo com a colher. Haruno parecia em choque. — O que foi? Quer um pouquinho? — Estendeu o copinho para ele, um bigodinho de sorvete se formando em seu buço. Haruno ficou ainda mais inquieto.

Mas aceitou sua proposta.


Interação com: Haruno Kobayashi

Menção a: Shisui Kurosaki

Para iniciar a trama ♥ Tá muito ruim e miúdo, mas fiz de coração, Mandy. Sorry ;-;


Imagem
Imagem
Haru Kobayashi
Mundo Mágico
Avatar do usuário
Panuwat Kerdthongtavee (Ccopter)
 
Reg.: 21 de Dec de 2018
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 45
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 18 Pts.
  • 14 Pts.
  • 89 Pts.

Postado Por: Nick/Pinscher.


Re: Florean Fortescue's Sorveteria

MensagemChina [#197278] por Jian-Yin Lee » 29 Fev 2020, 23:14

  • 1 Pts.
  • 18 Pts.
  • 70 Pts.
Imagem


The smile that breaks me... - I


Ele não fazia ideia do motivo de estar ali. Morava e trabalhava no Japão havia algum tempo e era chinês de nacionalidade então... O que estava fazendo na Inglaterra, no Beco Diagonal às sete horas da noite? Ah... Aquilo era menos difícil de responder do que o motivo de ter aceitado de forma tão pacífica o convite. Shisui Kurosaki. Seu parceiro de trabalho e a quem deveria vigiar e juntar provas de atos ilícitos cometidos. Havia sido contratado por Haruno Kobayashi, atual chefe do departamento de controle e regulamentação das criaturas mágicas do ministério japonês, mas, a cada dia que passava ele apenas conseguia mais provas de que o maior delito cometido por Shisui era ser extremamente carismático e, por que não dizer? Extremamente lindo.

Shisui Kurosaki o desconsertava com aquelas brincadeiras sobre estar apaixonado por ele. Jian sabia que não era verdade, mas não conseguia simplesmente cortá-lo. Ficava vermelho e sem graça a cada nova piadinha e até estaria incomodado se, na verdade, não estivesse internamente fantasiando com o fato de ter alguém como Shisui Kurosaki apaixonado por ele de verdade. E, bem, voltando ao assunto inicial, era por Shisui Kurosaki que estava ali, naquele dia, tão tarde da noite. O rapaz de dezoito anos de idade dissera que estava morrendo de vontade de tomar um sorvete. Um sorvete específico. Um sorvete que só tinha na Inglaterra. E o que eles fizeram? Aparataram até se encontrarem nas terras da rainha. — Por que você está me olhando assim? — Jian estava rindo de nervoso enquanto se escondia atrás do cardápio da sorveteria, os dois sentados em uma das mesinhas que havia ali. Esperavam a atendente. Os dois já haviam decidido o que iriam tomar.

Mais uma chuva de cantadas que podiam não valer um único centavo, mas Jian poderia ficar ouvindo por horas e horas a fio. O que não significava que ele não se sentia envergonhado. Seu rosto estava tão vermelho que o sorvete de morango que ele iria pedir estaria branco demais se comparado. — Acho que deveríamos nos concentrar no caso da fazenda clandestina que Kobayashi-san descobriu e investigou com o irmão dele. Ainda não recebemos o apoio dos aurores para ir interditar o local e, sinceramente não acho que os donos da fazenda vão entregar os animais de forma pacífica para oficiais de controle. Você acha? — Mas a resposta de Shisui foi interrompida pela chegada da atendente que tinha em mãos um bloquinho de anotações rosa e uma caneta com plumas na ponta. Era fofo, mas Jian não usaria algo assim nunca na vida. Ou será que usaria?

Shisui tinha o riso estampado na face. Era como se fosse sua marca pessoal. Será que Shisui não sabia como se fazia para parar de sorrir? Ele tinha um sorriso lindo, verdade seja dita, mas... Será que seu rosto não ficava dolorido com aquele ato contínuo? O caso era que a iluminação que o atingia o deixava ainda mais bonito do que de costume. Jian suspirou discretamente, encantado com aquela vista. Enquanto Shisui Kurosaki dizia seu pedido para a moça, Jian Yin retirou a câmera de sua bolsa e fotografou aquele sorriso que lhe arrancava suspiros. Suspiros secretos. Alguém como Shisui jamais gostaria de alhuém como Jian. Não de verdade.


Interação para:Shisui Kurosaki ♥

Nota: Inaugurando o personagem .what

Post sem relação com nenhum outro no local.
Imagem
Jian-Yin Lee
Mundo Mágico
Avatar do usuário
Dong Si Cheng (WinWin)
 
Reg.: 23 de Feb de 2020
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 13
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 1 Pts.
  • 18 Pts.
  • 70 Pts.

Postado Por: Nick/Pinscher.


Re: Florean Fortescue's Sorveteria

MensagemJapao [#197509] por Shisui Kurosaki » 07 Mar 2020, 17:09

  • 20 Pts.
  • 9 Pts.
  • 27 Pts.
Imagem




        Desde o primeiro dia, Shisui adorara seu emprego. Como ele poderia não? Era perfeito. Ele estava trabalhando com o que amava: criaturas mágicas, tendo oportunidades que jamais teria em qualquer outro lugar. Ele poderia encontrar pessoalmente vários desses seres incríveis, poderia descobrir novos dos quais ele jamais soubera antes, poderia fazer a diferença em suas vidas, salvando-os, cuidando deles, garantindo que eles tivessem todo o necessário para ter a melhor qualidade de vida possível. Ele estava fazendo algo importante, algo incrível, e ele tinha um maldito orgulho disso.

        Sim, era um trabalho exigente, com um chefe cinco vezes mais exigente. Não, ele não tinha mais tanto tempo quanto gostaria pra estar em casa, com sua mãe, com seus irmãos. Ele perdera muitos momentos, muitos eventos importantes, muitas das raríssimas vezes em que seu pai estava em casa, porque tinha que trabalhar até muito mais tarde. Mas ele jamais reclamaria disso. Não enquanto ele pudesse estar ali, dando tudo de si aqueles animais.

        Poderia não parecer à primeira vista, mas ele levava o seu trabalho muito a sério, embora tivesse um jeito um tanto quanto... Pitoresco... De lidar com ele. Era um jeito que alcançava resultados, e essa era a única coisa que importava. Sua única “reclamação” seria não poder levar muitos daqueles animais pra casa.

        Então, para Shisui, seu trabalho já era perfeito. Ele nunca, jamais, poderia ter sonhado com algo que pudesse torná-lo ainda melhor, que pudesse torná-lo em um verdadeiro sonho de olhos abertos. Ele não teria acredito que tal coisa fosse possível, mas, no final de tudo... O universo havia o surpreendido mais uma vez.

        Seria isso o destino? Ele firmemente acreditava que sim. Porque não havia nenhuma outra explicação possível pra que, de todas as pessoas que diariamente tentavam conseguir um emprego no seu departamento, seu chefe, Haruno Kobayashi – carinhosamente apelidado por ele de Danzou-sama – houvesse contratado justamente Jian Yin como seu novo parceiro de trabalho.

        Desde o primeiro momento em que colocara seus olhos sobre o tímido rapaz, Shisui soubera que agora possuía um novo motivo para acordar e ir trabalhar todos os dias. Com a convivência diária, trabalhando juntos tantas e tantas horas a fio, ele também rapidamente soube que não eram mais apenas os animais o que ele amava naquele lugar.

        Ele estava perdidamente apaixonado, e ele dissera pra Jian exatamente aquilo. Ele dissera milhares e milhares de vezes sem conta. Em absolutamente todas elas ele havia sido sumariamente ignorado. Por que? Por que ele não poderia simplesmente acreditar na sinceridade absoluta de suas palavras? Era óbvio que ele não, mas Shisui jamais brincaria com algo do tipo. Ok, sejamos sinceros, ele brincaria sim e já havia brincado em outras ocasiões se declarando para amigos como Mikaela Miyamoto por exemplo, mas... Isso eram os outros. Os outros não eram Jian. Ele jamais brincaria com aquilo com ele. Com ele, ele estava dizendo a mais pura e absoluta verdade.

        E ele estava determinado a provar aquilo, custasse o que custasse! Ele não iria desistir de alguém como o jovem chinês tão fácil assim. Não quando essa era a primeira vez que ele se sentia daquele jeito em toda a sua vida. Daquele jeito tão intenso, que o consumia por inteiro com um simples olhar. Daquele jeito que o atormentava dormindo ou acordado. Daquele jeito em que ele daria tudo de si, tanto quanto dava aos seus animais e a sua família.

        Era por isso que ele havia armado aquilo. Um encontro, que não era necessariamente um encontro de verdade. Não do ponto de vista de Jian pelo menos. Apenas dois amigos, saindo juntos pra tomar um delicioso sorvete, sem compromisso algum. Isso, era isso mesmo, mas era também uma oportunidade. Uma oportunidade de tentar mais uma vez.

        — Eu estou te olhando assim porque você é lindo, e vale a pena ser olhado. De fato, Jian, você é tão lindo quanto aquela cena de Naruto com a Sakura gritando “ONEGAI, NARUTO!” e ele aparecendo em seguida pra salvar Konoha da destruição do Pain. De fato, você é tão lindo quanto ver o Madara tomando porrada da Tsunade e rachando seu Susano’o. Inclusive, você é tão lindo quanto a despedida final do Sasuke e do Itachi. E, pra terminar, você é tão lindo, é claro, como não poderia deixar de ser, quanto o sharingan do Shisui. — E terminou sua fala com um enorme sorriso convencido e uma piscadela.

        Ele era simplesmente adorável! Sério! Como ele não poderia não ficar o olhando, quando ele estava deliciosamente corado e se escondendo de maneira tão fofa atrás do cardápio? Se ao menos ele acreditasse em como fazia o seu coração se acelerar no peito e a respiração se prender em sua garganta...

        E ele resolveu dizer exatamente isso.

        — Você tira o meu fôlego e acelera o meu coração como a ideia da segunda temporada de Owari no Seraph e Yuri on Ice finalmente saindo. E ouvir a sua voz é tão maravilhoso quanto ouvir a abertura de Bungou Stray Dogs e Ao no Exorcist.

        E sim, esses eram os melhores elogios nos quais ele podia pensar. E iria pensar em mais, mas Jian obviamente decidiu que já era o suficiente, o interrompendo pra falar sobre o trabalho. Ok então, Shisui poderia lhe conceder essa folga.

        — Não, é claro que eles não, mas quem se importa com a forma pacifica? Nós entramos lá, e pegamos aqueles animais de qualquer jeito. A força, se necessário for. Eu não me importo com a diplomacia e as regras, eu só me importo com os animais em segurança. — Disse, como se fosse tudo muito simples assim, dando de ombros. E então, ele abriu um enorme sorriso pra si mesmo, ao imaginar o que Danzou-sama não daria pra ter provas de que ele dissera exatamente aquilo, de que ele admitira não dar a mínima pra diplomacia e regras em voz alta, pra poder acrescentar a sua lista de razões pra demiti-lo.

        — De fato, eu acho que nós deveríamos... — Mas ele não pode dizer o que exatamente ele achava que eles deveriam fazer, pois naquele momento a atendente os interrompeu pra anotar seus pedidos, e ele direcionou seu sorriso brilhante a ela. — Olá, eu gostaria de um sorvete de chocolate branco por favor...

        E, enquanto ele dizia seu pedido, notou de rabo de olho o movimento de Jian, que agora tinha uma câmera em mãos e aparentemente estava o fotografando. Aquilo fez com que ele sorrisse ainda mais – se é que era possível – enquanto se virava novamente pra ele.

        — Olhe só pra isso. Você me acusa, senhor, de estar olhando pra você e me questiona o porquê, mas a minha primeira distração e o senhor saca uma câmera e está me fotografando. Deveria eu questioná-lo acerca de seus motivos também? — Proferiu, de modo muito teatral, recitando cada palavra como se estivesse interpretando a mocinha em uma peça de Shakespeare em um de seus encontros com seu amado. Mas a pose não durou muito, e logo ele lançava um sorriso malicioso para o colega de trabalho, antes de continuar. — Você quer ter uma lembrança de mim pra qual olhar quando inevitavelmente tivermos de nos separar? Porque eu não me importaria de posar pras suas fotos, se for assim.

        E ele estava dizendo tudo isso na frente da atendente, que ainda aguardava pra anotar o pedido de Jian, o que provavelmente só iria deixar o rapaz deveras mais envergonhado e deliciosamente corado, uma ideia que em muito o agradava.

        Outra ideia que em muito o agradava era a de que Jian poderia, talvez, pensar em retribuir seus sentimentos em algum momento, quando finalmente acreditasse neles... Ou talvez ele só o estivesse fotografando porque realmente gostava muito de fotografar a tudo e todos – algo que Shisui já havia notado em várias ocasiões – e aquilo não tivesse nada demais em relação ao Kurosaki em si.

        De um jeito ou de outro, fosse como fosse, ele estava mais do que disposto a esperar e pagar pra ver mesmo que, com isso, estivesse colocando a integridade de seu coração em risco.

        Por Jian, mais do que valeria a pena.
Imagem
Spoiler: Mostrar
Imagem

Spoiler: Mostrar
Imagem
Shisui Kurosaki
Funcionário do Jornal
Avatar do usuário
Nakamoto Yuta
 
Reg.: 09 de Dec de 2012
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 20
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 20 Pts.
  • 9 Pts.
  • 27 Pts.

Postado Por: Mrs Halloween.


Re: Florean Fortescue's Sorveteria

MensagemChina [#197539] por Jian-Yin Lee » 09 Mar 2020, 00:04

  • 11 Pts.
  • 16 Pts.
  • 117 Pts.
Imagem


The smile that breaks me... - II


Ele não sabia muito bem como continuar ali sentado sem se tornar um tomate enorme com pernas e braços, tão vermelho ele estava. Não sabia dizer se estava mais vermelho pelas cantadas consecutivas de Shisui ou por ter sido pego no flagra o fotografando. Ele mordeu o lábio inferior de modo totalmente instintivo, seus olhos pendendo até a câmera que continuava em suas mãos, impossibilitado de olhar o colega de trabalho nos olhos. Será que em algum momento aquele meteoro prometido para destruir o mundo lá em 2012 encontraria o caminho de volta para a sua missão? Ele daria tudo por um meteoro naquele momento.

Mas até que era engraçado, não era? Meio irônico até. Ele havia sido contratado para espionar Shisui. Descobrir suas fraquezas e segredos para que Haruno os usasse contra ele e finalmente o demitisse. Com provas. Mas... Quem diria que ele estaria ali, naquele momento, completamente desconsertado e apaixonado pelo seu objeto de observação? Aquele sorriso tão largo e aquele jeito descontraído acertavam o coração de Jian como uma flecha certeira e pontiaguda. Ele nem conseguia mais imaginar um único dia de sua vida sem a voz de Shisui naquele tom zombeteiro de sempre a lhe desejar bom dia e lhe cobrir de elogios. Nunca que ele produziria provas contra ele. Jamais. Muito pelo contrário. Conseguiu seguir Haruno e produzir provas contra ele. O chefe havia levado muitos animais clandestinamente para casa e Shisui havia conseguido provas suficientes para garantir o emprego dele e de Shisui por toda a eternidade.

E, mesmo que Shisui fosse um tanto quanto aloprado, ele era um profissional e tanto! Um profissional tão bom que incutira na alma do jovem fotógrafo uma vontade que antes não tinha de se dedicar à área de Herbologia. Herbologia e Magizoologia, só que ele tinha um certo amor maior a Herbologia. Como ele poderia fazer mal a alguém que lhe fizera tão bem? Suspirou de forma discreta olhando para o visor da câmera como se houvesse algo de muito interessante ali. E havia. O rosto de Shisui. — Eu... Eu tirei uma foto só para testar o rolo da câmera. Não pense besteira, ok? — Sim, sim, Jian. Com certeza. Uma desculpa excelente! Você estava testando o rolo de uma CÂMERA DIGITAL! Parabéns pra você!

Ele queria ter consertado o que disse segundos depois de o ter proferido, mas não tinha como, não é mesmo? — Chocolate. Quero um sorvete de chocolate com calda extra. — Ergueu a cabeça para dizer a atendente o que ele gostaria de tomar, rezando para que aquilo fosse o suficiente para que Shisui esquecesse o assunto da foto e eles pudessem falar sobre quaisquer outras coisas. O que será que aconteceria se Shisui descobrisse como ele se sentia com relação a ele? Provavelmente se afastaria. E nunca mais brincaria com ele da forma que sempre brincava. E Jian não sabia se conseguiria sobreviver sem as brincadeiras de Shisui agora que descobrira o quão maravilhoso era viver com cada uma delas. Ele queria muito que elas fossem de verdade. Que ele realmente fosse aquilo tudo que Shisui dizia que ele era. Mas ele sabia que não era. Que nunca iria ser. — Então... Mas e se resolverem retaliar quando invadirmos? Duvido que estejam em menor número que a gente. O ideal seria conseguirmos o apoio do departamento de segurança.


Interação com: Shisui Kurosaki ♥
Imagem
Jian-Yin Lee
Mundo Mágico
Avatar do usuário
Dong Si Cheng (WinWin)
 
Reg.: 23 de Feb de 2020
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 13
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 11 Pts.
  • 16 Pts.
  • 117 Pts.

Postado Por: Nick/Pinscher.


AnteriorPróximo

Voltar para Beco Diagonal

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 3 visitantes