Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Diário do Josh - Últimos dias antes da escola. Joshua P. A. Nolan 3241 17/01/2019 às 11:12:01
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 2712 22/11/2018 às 18:19:24
É LUFA - LUFA!! Oh Ha Na 3800 08/09/2018 às 18:24:13
Indo para Hogwarts! Oh Ha Na 2902 08/09/2018 às 18:20:17
A súcubo do Apocalipse Lilith Ambrew 2833 08/09/2018 às 09:11:11

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Olivaras

Moderadores: Chefes de Departamento, Confederação Internacional dos Bruxos, Ministério da Magia, Special Ministério da Magia

Olivaras

MensagemInglaterra [#99449] por Mestre de Hogwarts » 17 Abr 2012, 00:29

  • 4 Pts.
  • 15 Pts.
  • 148 Pts.
Imagem

Passeando pelo Beco Diagonal, não se encontra naquela loja simples e discreta uma das mais importantes de todo o Reino Unido. Aberta desde 382 a.C., o dono do local, deu seu próprio nome a loja: Olivaras. Qualquer bruxo que se preze, em especial INGLÊS, passaria por esta loja.
O Sr. Olivaras é misterioso, e curiosamente vivo. Existem lendas ao redor do senhor que parecia viver mais magicamente do que pelo curso natural da vida. Sempre que entrar na sua loja, ele atende a todos os clientes como se já esperasse a sua visita, e acreditem, já esperava antes mesmo de você nascer. Está sempre enérgico, serve a todos com vivacidade. Todas as varinhas ali depositadas possuem um futuro dono, basta este ser o escolhido da varinha! Quem sabe não seja você o próximo a receber uma varinha do Sr Olivaras?
Mestre de Hogwarts
Special Hogwarts
Avatar do usuário
 
Reg.: 04 de Apr de 2008
Últ.: 17 de Aug de 2019
  • Mensagens: 1056
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 4 Pts.
  • 15 Pts.
  • 148 Pts.

Postado Por: .


Re: Olivaras

MensagemFranca [#125219] por Dahlia Pettersson » 14 Ago 2013, 17:58

  • 12 Pts.
  • 17 Pts.
  • 4 Pts.
Apenas alguns minutos se passaram e já estávamos frente à loja mais esperada da pequena visita ao beco. Era a tão conhecida Olivaras, onde eu finalmente teria uma varinha só para mim. Seria, por um bom tempo, o meu objeto mais importante. Afinal, eu preciso de uma maneira para fazer minhas magias! Um homem velhinho passou perto de mim, e perguntou meu nome e idade. Respondi apenas que me chamava Isabelly Runcorn e tinha 11 anos, sem muita simpatia na voz, apesar de que o idoso parecia querer ser gentil comigo. Forcei-me a por um sorriso na cara, esperando instruções do que fazer.

- Senhorita B... Runcorn, pegue nesta varinha, por favor. É de freixo, 23c, Cabello de Vella e inflexível. – O que Olivaras iria dizer, que não terminou? Naquele momento não queria ter me chamado de Runcorn, isto me intrigou, um pouco. Resolvi ignorar, prestando atenção nos detalhes da varinha. Qualquer coisa que não tivesse a ver com o mundo trouxa prendia minha atenção, afinal tudo aquilo era recente para mim. No momento em que a peguei, uma espécie de faixa de luz se apoderou do lugar, chamando a atenção das poucas pessoas presentes. Exibi um sorriso, imaginando que aquilo fosse algo bom, e virei meu olhar para Zoey e Dimitrid. Os dois sorriam mais ainda, o que confirmou minha suspeita: Aquela varinha deveria ser a que me escolheu. Ainda por cima de primeira!

- É esta? – perguntei em uma voz firme, olhando fixamente para a varinha, ansiosa em saber a resposta. Olivaras afirmou positivamente com a cabeça, sem emitir som algum. Ele parecia pensativo, me deixando ainda mais intrigada. Zoey reagiu primeiro, depositando uma quantidade de galeões na mesa, que eu descobri ser o pagamento da varinha. Guardei-a em um bolso, cobrindo a parte que estava por fora com a blusa. Despedi-me do homem, agradecida por me ter permitido comprar o objeto. Olhei ao redor da loja, não reconhecendo nenhuma das poucas pessoas, por isso voltei a minha posição anterior, saindo acompanhada de Zoey e Dimitrid.


Spoiler: Mostrar
Citados: Zoey Wolfred Bloom e Dimitrid Campbell Kham

Trama: Fechada

Post atemporal
Dahlia Pettersson
6° Ano Morrigan
Avatar do usuário
 
Localização: Brasil; RJ
Reg.: 13 de May de 2013
Últ.: 28 de Nov de 2019
  • Mensagens: 992
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 12 Pts.
  • 17 Pts.
  • 4 Pts.

Postado Por: Mah.


Varinha;

MensagemRussia [#128049] por Horace Altman » 02 Nov 2013, 13:01

  • 2 Pts.
  • 18 Pts.
  • 14 Pts.
Era um dia claro de outono na grã-bretanha, mais precisamente em Londres, e ainda mais precisamente, no Beco Diagonal, um lugar que era parada obrigatória para qualquer bruxo, literalmente. Era ali, naquele estranho beco (obviamente), em uma confusão de lojas e bruxos de todos os tamanhos, aparências e idades, que se compravam materiais para as instituições educacionais de magia e feitiçaria. Não por menos, eu estava ali para comprar meu material escolar:

"[LISTA DE MATERIAIS DE DURMSTRANG]
[MATERIAIS]
- 1 Varinha;"
- Eu li na carta que eu havia recebido a pouco tempo. "Ok, primeiro item - Varinha" - Pensei enquanto me dirigia a uma loja de aspecto antigo e bagunçada, com um estreito letreiro "OLIVARAS"
Adentrei ao estabelecimento, sem medo, uma loja comprida e estreita que não parecia ter fim, como um corredor gigantesco. Era impossível que 3 ou 4 pessoas ficassem lado a lado ali, tinha um balcão de madeira num tom castanho-escuro e atrás do mesmo haviam incontáveis estantes e prateleiras, com pequenas caixas de aspecto delicados.

-Boa tarde, meu jovem. - Ele falou em um tom divertido - Deixe-me adivinhar, primeira varinha?
-Sim - Respondi lentamente, estava atordoado. Como ele poderia saber, afinal?
Logo me dei conta de que aquela loja era antiga. Muito antiga, talvez tivesse centenas de anos. Eu não sabia o quão normal era, para um bruxo, viver mais de 100 anos; Eu fui criado-trouxa, porém logo me dei conta de que aquele senhor que parecia tão antigo quanto as paredes e prateleiras daquela loja,ele vivia aquela experiência da compra da primeira varinha praticamente todos os dias, afinal, ele era um dos grandes fabricadores e vendedores de varinhas do mundo mágico.

- Então vamos começar logo! - Ele exclamou animadamente - Devo dar alguns avisos antes, porém. Já lhe digo, jovem, a varinha escolhe o bruxo, e o elo entre uma varinha e um bruxo é a maior ferramenta que podemos ter. - Seu rosto tomou um ar sério enquanto pronunciava as ultimas palavras, fora assustador;
- De qualquer modo, sem mais delongas, apresento-lhe está incrível varinha, Azevinho, 23 cm, núcleo de pena de Fênix. - Ele falou olhando para mim e para a estranha caixa retangular que colocara sobre o balcão com muita expectativa. - Então? Vamos! Experimente, não tenha vergonha!
- E-Eu não sei o que fazer, senhor. - Gaguejei constrangido - Fui criado no mundo trouxa.
Ele gargalhou no momento em que terminei de proferir tais palavras, porém ele ria de forma gostosa, não estava debochando de mim - Apenas pegue e agite a varinha ou mire em algum lugar, foque em um alvo... Qualquer coisa, garoto!
Eu abri a estranha caixa verde de aspecto surrado e ao tocar na varinha um calafrio percorreu meu corpo - Com certeza aquela não era a minha varinha.
- Hmmm...- Ele arregalava os olhos para a varinha - Eu não esperava que fosse ser assim tão fácil.
Ele saiu em disparada para o corredor, me impressionei com a agilidade do "velho", ele olhava atentamente para os lados, onde as centenas de prateleiras repletas de caixas com varinhas estavam, e pegava ou jogava caixas para o alto, parecia estar procurando por algo em especifico; Voltou com 2 caixas; Uma num tom laranja escuro, muito surrada, de aspecto antigo. E outra em azul, parecia nova.
- É claro que um Altman não teria uma varinha de azevinho... - Ele murmurou para si mesmo enquanto chegava e colocava as caixinhas retangulares sobre o balcão; O que me perturbo é que ele sabia quem eu era -Experimente - Ele tornou a sorrir para mim, sem notar minha confusão momentânea.
Eu não sabia qual das duas escolher, e aliás, não fui eu quem escolhi. Fiquei surpreso ao notar que segurava a caixa laranja de forma confiante - Antes mesmo de pegar na varinha eu sentia, era aquela.
-Vamos, vamos! Está é de Pessegueiro, 30 cm e com um núcleo de coração de dragão! - Ele falava extasiado, como se soubesse que aquela varinha me escolhera.
Então, em um movimento rápido retirei a varinha da caixa. E ao tocar na varinha meu corpo entrou em um colapso emocional - Como se a partir daquele momento, as minhas emoções e pensamentos também fossem da varinha, e os da varinha meus.
Em um movimento instintivo com o punho pequenas faíscas laranjas e vermelhas saíram da ponta; Aquela, de fato, era a minha varinha.

-É esta! - Exclamei hiperativamente
- Brilhante! Sim, claro que é! - Ele aplaudia enquanto falava - Eu sabia! Eu sabia!
Deixei a quantia de galeões que ele requisitou sobre o balcão enquanto me despedia do velho senhor que me atendera tão bem, a partir daquele dia, me sentia mais confiante de que eu realmente era um bruxo.


Spoiler: Mostrar
Citado (s): Olivaras [NPC]
Narração
Fala (Minha)
Fala (Outros)
Pensamentos

Itens Utilizados:

  • Varinha de Pessegueiro, 30cm, Corda de Coração de Dragão, Maleável

    Usou um Varinha de Pessegueiro, 30cm, Corda de Coração de Dragão, Maleável.

ImagemImagem
Horace Altman
1° Ano Romanov
Avatar do usuário
Os homens são sempre contra a razão quando a razão é contra eles.
 
Reg.: 27 de Oct de 2013
Últ.: 01 de Oct de 2015
  • Mensagens: 4
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 2 Pts.
  • 18 Pts.
  • 14 Pts.

Postado Por: Nokezo.


Re: Olivaras

MensagemPortugal [#133830] por Thiago Schmidt » 07 Mar 2014, 19:32

  • 17 Pts.
  • 6 Pts.
  • 20 Pts.
Primeiras Compras
I


O ano letivo em Hogwarts estava prestes a começar e era chegado o dia em que Thiago iria ao Beco diagonal acompanhado de seus pais para efetuar suas compras de material necessário. Fazia-se um pouco de calor na capital Londrina naquela época do ano, nas ruas, notava-se pessoas utilizando roupas consideravelmente leves para a estação do ano em questão nada muito diferente da capital Portuguesa, onde a família Schmidt residia. Thiago por sua vez não era diferente, estava trajando um calça jeans skinny escura meio surrada, um par de tênis preto completamente limpo como se fosse novo e com a tonalidade diferente da calça, uma camiseta gola v preta, uma camisa quadriculada mesclando as cores preto e cinza e uma touca combinando que escondia seu cabelo. Os 3 Schmidt's caminhavam em passos moderados pelo beco diagonal apenas passando os olhos por dentro das lojas pelo lado de fora, os pais do garoto recordavam-se bem da primeira vez que estiveram lá e compartilhavam de um momento nostálgico. O jovem bruxo português no entanto, não entendia o motivo de estarem andando naquele ritmo lento e o fato de não terem dado inicio as tão esperadas compras de material escolar. "O que estamos esperando? Queria começar logo." Pensou o garoto enquanto tirava do bolso de sua blusa xadrez a sua lista de material que se encontrava cuidadosamente dobrada, Thiago então a desdobrou e deu mais uma boa lida. "Acho que posso começar sozinho já que mamãe e papai estão ocupados, vejamos. Uma varinha.." Thiago voltou a dobrar a lista de forma cuidadosa colocando em seguida no mesmo bolso de antes, o garoto então se propôs a procurar atentamente uma loja de varinhas, como nunca estivera lá antes seria meio difícil, visto que não conseguiria chamou a atenção de seus pais dando passados mais largos e tomando a frente parando na frente dos mesmos. - Deixarei vocês desfrutarem das memórias que esse local os proporciona, porem, preciso de ajuda, onde posso comprar o primeiro item da lista, uma varinha? - Cristiano e Samantha se entre olharam e sorriram um para o outro e a delicada mulher se abaixou um pouco passando a mão no rosto do filho. "- Você anda muito apressado, que nem a sua mãe..-" Samantha esbanjou um sorriso largo e sincero e consequentemente seus olhos fecharam, em seguida se levantou e apenas olhou para seu marido que mexia no bolso de seu sobretudo como se estivesse procurando alguma coisa, e estava, Cristiano tirou algumas moedas de ouro do bolso e as deu na mão de Thiago. "- A varinha é o item mais importante da sua lista e você precisa de uma de qualidade para te acompanhar nessa nova fase da sua vida. Vá até a loja de varinhas do Olivaras, fica logo ali na frente, esperaremos aqui. -" A voz grave e com o sotaques mesclados do bruxo foi bem interpretada pelo garoto apesar do beco mais famoso do mundo bruxo estar lotado e podia-se ouvir uma confusão de vozes. Thiago agora com dinheiro em mãos acenou para os pais e se aventurou sozinho pelo local precisamente movimentado, olhando os letreiros de loja por loja a procura do tal lugar onde poderia comprar a sua varinha. De fato o pai do pequeno Thi estava certo, a loja de varinhas do Olivaras estava um pouco mais a frente de onde eles pararam, o garoto que a alguns passos de distancia identificou a loja, se aproximou e deu entrada na mesma.

Ao entrar na pequena loja nota-se um silêncio absoluto, não se ouvia mais nada do que se passava do lado de fora nas ruas de pedra do Beco diagonal. A loja se encontrava vazia, o garoto chegou a achar que pudesse estar fechada mas a porta se encontrava aberta, então o jovem Schmidt caminhou até o balcão.
- Olá? - Dizia Thiago olhando para o fundo da loja que se expandia por de trás do balcão. "- Só um minuto, por favor! -" Uma voz rouca e cansada foi-se ouvida pelo garoto, mas ele não conseguira identificar de onde vinha. "-Só um minuto, senhor Schmidt, eu já vou atende-lo. -" A voz estava um pouco mais próxima dessa vez e Thiago assustado que o dono da mesma sabia seu nome, de repente um senhor com idade parente de 80 e poucos anos apareceu atrás do balcão com 3 pequenas caixas de forma retangular em mãos. A expressão no rosto de Thiago ainda era de medo, sua garganta estava seca, seu coração disparado e suas mãos transpiravam gelidamente. "-Desculpe se o assustei, sr. Schmidt, o vi com seus pais do pela vitrine da minha loja e tomei a liberdade de separar algumas varinhas para o senhor. -" O garoto estava bem mais aliviado mas ainda era tomado por uma dúvida. - Perdoe-me, senhor, mas como conhece meus pais? - Dizia Thiago passando discretamente as mãos em sua calça um tanto surrada na intenção de enxugar suas mãos levemente suadas. "- O senhor e a senhora Schmidt deram entrada a minha loja para a compra de suas primeiras varinhas quando tinham a idade que o senhor tem agora! -" Agora o garoto se encontrava confuso, se perguntava agora como alguém podia viver tanto tempo mas dessa vez não se pôs a perguntar, queria comprar sua varinha logo, achava que pudesse estar demorando e seus pais poderiam ficar preocupados. "-Pois bem, Sr. Schmidt, devo alerta-lo, caso ainda não sabia, não é o bruxo que escolhe a varinha e sim o contrário, por tanto trouxe 3 exemplares para que o senhor possa testa-las e vê qual delas o escolhera, caso nenhuma das 3 venha a escolher eu buscarei mais algumas, não se apresse. -" Tomando a iniciativa o garoto abriu a primeira caixa deixada em cima do balcão pelo senhor Olivaras e retirou da mesma uma varinha amarelada, com um cabo de coloração laminada. "- Essa varinha é feita de carvalho com coração de dragão, pouco maleável e possui 30cm. -" Thiago não sabia ao certo o que fazer, não tinha conhecimento de nenhum feitiço ainda então apenas fez um breve movimento com a varinha em mãos mas nada aconteceu o que o deixou um tanto quanto decepcionado. "-Talvez não seja essa...-" Disse Olivaras pegando por si mesmo a segunda caixa e retirando de dentro uma varinha meio encurvada de cor marrom e entregando ao jovem bruxo iniciante. "- Salgueiro com chifre de unicórnio, 28cm, flexível. Talvez seja essa...-" Mais uma vez, Thiago se pôs a testar a varinha com um movimento moderado, que por sua vez saltou da mão do garoto como se tivesse vontade própria e derrubou algumas caixas no canto da loja. - Me desculpe, eu não tive a intenção..." O garoto assustado com o que acontecera olhava arrependido para as caixas que foram derrubadas.[ "- Está tudo bem, acontece baste, o senhor ficaria surpreso! -" Só restava apenas uma caixa e Thiago se mostrava um pouco frustrado, já se encontrava ali a muitos minutos e não sabia quanto iria demorar o que o deixava aflito. Thi, retirou a varinha de dentro da terceira e ultima caixa e a observou por alguns instantes antes de testa-la. A varinha era um pouco menor se comparada s duas anteriores, tinha uma coloração preta como a noite e o cabo era diferenciado apenas pela grossura perceptível pelo toque. Ao segura-la o garoto sentia uma sensação diferente, um breve arrepio por todo corpo e um sentimento de conforto o possuiu. "Será essa?" Pensou o Thiago com a varinha em mãos a observando cuidadosamente. "- Ipê com Pena de fênix, 25cm, bem farfalhante... -" Olivaras dessa vez não fez nenhum comentário a mais, deixou o garoto admirar a varinha que tinha em mãos. "Sim, pode ser essa..." Thiago então segurando a varinha com firmeza a balançou em direção as caixas caixa caídas no canto da loja e todas se puseram no seu devido lugar sendo aplaudido brevemente por Olivaras. "-Meus parabéns senhor Schmidt, parece que essa varinha o escolheu! -" Thiago respirou fundo e sorriu para o velho senhor atrás do balcão. - Muito obrigado pela atenção, senhor Olivaras... - Thiago guardou a varinha no bolso de sua calça de forma cuidadosa e tirou do bolso de sua blusa algumas moedas de outro pagando pela mercadoria adquirida, após isso ele se retira da loja se despedindo e agradecendo mais uma vez pela atenção no atendimento.


Spoiler: Mostrar
[color=#1C1C1C]Citados: Cristiano Schmidt[NPC], Samantha Schmidt[NPC], Olivaras[NPC][color=#1C1C1C]

Itens Utilizados:

  • Varinha de Ipê, 25cm, Pena de Fênix, Farfalhante

    Usou um Varinha de Ipê, 25cm, Pena de Fênix, Farfalhante.

First Year | Slytherin | Schmidt Family
Imagem
Narração | -Falas- | "Pensamentos" | "-Outras Falas-"
Thiago Schmidt
1° Ano Slytherin
Avatar do usuário
 
Reg.: 06 de Mar de 2014
Últ.: 07 de Jun de 2015
  • Mensagens: 9
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 17 Pts.
  • 6 Pts.
  • 20 Pts.

Postado Por: Leonardo Carvalho.


Re: Olivaras

MensagemRussia [#134226] por Aleksandra Orel Dzerjinsky » 15 Mar 2014, 17:38

  • 19 Pts.
  • 17 Pts.
  • 6 Pts.
[ let the shopping ]
THE BIG DAY HAS ARRIVED!



    Alek acordou mais cedo naquele dia. Mais cedo que o de costume. O motivo era simples, hoje iria fazer as compras do seu material escolar. Há alguns dias recebera sua carta de Hogwarts, falando que iniciaria seus estudos em Hogwarts dentro de alguns dias, juntamente com a carta, recebera a lista de materiais, e hoje, iria comprá-los no Beco Diagonal. Após acordar Alek permaneceu alguns minutos deitada na cama. Estava morrendo de sono, queria voltar a dormir, mas precisava levantar.

    Alek separou a roupa que iria vestir e foi ao banheiro tomar banho e fazer a higiene matinal rotineira. Ao se olhar no espelho, ficou irritada. "Droga! Dormi pouco e agora estou com terríveis olheiras!" Depois que saiu do banheiro, Alek ainda demorou aproximadamente vinte minutos para se maquiar e arrumar o cabelo. Somente após estar pronta foi que saiu de seu quarto em direção a cozinha para tomar café. Assim que adentrou a cozinha, percebeu que havia uma coruja com uma carta. A carta era de seus pais lhe avisando que não poderiam ir com ela fazer a compra de seu material, e que ela deveria ir sozinha, pois eles estavam muito ocupados em seus trabalhos.

    "Como se eu realmente tivesse acreditado que eles iriam comigo!" Pensou ironicamente se sentando na cadeira e começando a tomar seu café. Após acabar sua refeição, deu algumas ordens a seu elfo doméstico, pegou sua bolsa e foi para a sala, em direção a lareira, pegou um pouco de pó de flú e instantes depois estava no Beco Diagonal.

    Ao entrar no Beco Diagonal não perdeu muito tempo olhando as coisas. Embora estivesse muito eufórica, pois estava finalmente prestes a ingressar em Hogwarts, não deixava transparecer. Sempre com o mesmo olhar profundo e feições tranquilas, que eram características suas. "O que vou comprar primeiro?"O pensamento lhe veio a cabeça, e tão rápido quanto a pergunta, veio a resposta. Iria comprar sua varinha primeiro, o restante ficaria para depois. Assim que decidiu isso, caminhou pela rua até visualizar a loja do Sr. Olivaras. Deu um pequeno sorriso quando visualizou a loja e apressou o passo em direção à loja.

    Ao entrar na loja, procurou com o olhar alguém que pudesse lhe ajudar. Logo viu um Sr mexendo em uma prateleira e deduziu que este fosse o Sr. Olivaras. Se dirigiu ao balcão e lhe chamou a atenção.

    - Com licença! O Sr. deve ser o Olivaras, certo? Bom, preciso de ajuda para escolher minha varinha! - Falou educadamente, chamando a atenção do Sr. e fazendo com que este virasse para ver quem estava em sua loja.

    - Você está certa, sou o Olivaras! - Respondeu ele. - Bom mocinha, irei te ajudar a achar sua varinha, mas devo lhe dizer que não é o bruxo que escolhe a varinha, e sim, a varinha que escolhe o bruxo. - Falou animadamente. - Como se chama criança?

    "Se eu não soubesse disso eu mandaria você pegar a varinha pra mim, não pediria sua ajuda para escolher seu velho burro!" Pensou Alek, mas apenas sorriu docemente e respondeu: - Meu nome é a Aleksandra Dzerjinsky! O Sr pode me trazer algumas varinha então? No que foi prontamente respondida: - Claro!

    O Sr Olivaras lhe trouxe algumas varinhas para que experimentasse. Alek estava empolgada, logo pegou a primeira varinha e se imaginou fazendo feitiços poderosos ou duelando com alguém. Nesse mesmo momento, um aquário que tinha na loja explodiu e a água se espalhou pelo chão. - Erh, me desculpe! - O Sr. Olivaras apenas sorriu e murmurou um feitiço e a bagunça se desfez. Ao mesmo tempo em que ela colocava a varinha em cima do balcão, o sr. Olivaras lhe entregou uma segunda varinha. Alek fez alguns movimentos e vários papéis que estavam pela loja começaram a voar loucamente. Ela experimentou então uma terceira varinha, e assim que tocou nela, um jarro foi quebrado. Ela experimentou também a quarta, quinta, sexta, sexta, sétima e oitava varinhas.

    Alek já estava ficando impaciente. Experimentara mais de meia duzia de varinha e ainda não encontrara a sua. "Mas que merda é esta? Preciso encontrar minha varinha logo, ou não conseguirei comprar tudo que preciso hoje." Experimentou mais duas varinhas e nada...

    - Você é uma criança difícil! Mas encontraremos sua varinha!- Falou o Sr. Olivaras. - Experimente esta! - Disse lhe entregando a décima primeira varinha. Assim que Alek tocou na varinha, sentiu uma energia estranha passando por seu corpo, e uma leve brisa percorrendo o local, balançou a varinha apontando para uma prateleira e um quadro, que estava onde ela havia apontado saiu voando e ficou parado no ar a sua frente. O quadro era muito bonito, avaliou Alek, e enquanto ainda observava o quadro o Sr. Olivaras chamou sua atenção:

    - Parabéns Srta Dzerjinsky! Varinha de Ipê, 23 centímetros, núcleo de cabelo de Ninfa e bem farfalhante!- Disse sorrindo! - Já posso lhe dizer que será uma grande bruxa! - Completou sorrindo. "É claro que eu vou ser uma grande bruxa velho paspalho! Sou boa em tudo que eu faço!" Pensou Alek, mas deu um belo sorriso e repondeu: - Obrigada, já estava achando que não iria encontrar nunca!- Disse enquanto pegava algumas moedas em sua bolsa. - Me desculpe pela bagunça, juro que não foi minha intenção! - Completou lhe entregando algumas moedas de ouro.

    - Magina querida. Isso acontece com mais frequência do que você imagina!- Respondeu o Sr. Olivaras guardando o dinheiro.

    Alek guardou sua varinha, pegou sua bolsa e saiu a loja do Sr. Olivaras, ainda teria muitas compras a fazer e precisa correr, pois havia perdido muito tempo escolhendo sua varinha. Ela saiu da loja e foi caminhando pela rua, a procura da próxima loja.



    post!#0001
    set!CLICA
    música! Sk8er Boy
    notas! primeiro post gente, então please, relevem algum erro!



Itens Utilizados:

  • Varinha de Ipê, 23cm, Cabelo de Ninfa, Farfalhante

    Usou um Varinha de Ipê, 23cm, Cabelo de Ninfa, Farfalhante.

Aleksandra Orel Dzerjinsky
1° Ano Slytherin
Avatar do usuário
 
Reg.: 15 de Mar de 2014
Últ.: 07 de Jun de 2014
  • Mensagens: 4
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 19 Pts.
  • 17 Pts.
  • 6 Pts.

Postado Por: Alexsandra Bezerra Da Silva.


Re: Olivaras

MensagemReino Unido [#135989] por Noah Hargreeves » 14 Jul 2014, 17:49

  • 9 Pts.
  • 17 Pts.
  • 57 Pts.
    -Nós podemos ir comprar a minha varinha agora? Eu quero a minha varinha. O maior status bruxo que existe. E poder lançar todos àqueles feitiços.– Ambre parecia sonhar, e os meninos já não aguentavam mais ouvir sua voz e ter que carregar todas aquelas sacolas, que eram tantas que já estavam ficando pesadas até mesmo em se tratando de três garotos levando-as. –Não é como se você já fosse começar fazendo “todos àqueles feitiços”. Vai levar tempo até que você aprenda a fazer até mesmo um.– Reyes disse, e a menina voltou-se pra ele com um olhar maléfico. –Oh, me desculpe, mas eu não estou pretendendo ir pra uma porcaria de casa como a de vocês. Vocês não são três inúteis lufanos?– Perguntou, e o brilho assassino que tomou os olhos dos três rapazes deixava claro que se qualquer um deles soubesse lançar um Avada Kedavra, aquela menina já era. –Só pro seu governo, eu não fui selecionado pra Lufa Lufa, e sim pra Corvinal. Só estou na Lufa por questões que você jamais entenderia. E, aliás, a Lufa é uma ótima casa de qualquer modo.– Dean respondeu, mas a menina apenas riu de um modo irritante, e continuou andando até entrar na Olivaras.


    -Tenho certeza que essa ai vai acabar na Sonserina. E, aliás, se a varinha escolhe o bruxo, a dela não vai ser nem um pouco bonita.– Henrique comentou, franzindo o cenho enquanto eles entravam atrás dela. Ambre já estava conversando com o vendedor, e dizendo a ele que queria a melhor varinha que houvesse em sua loja. O homem tentava explicar a ela a velha historia de que o bruxo não escolhia a varinha, e sim a varinha que escolhia o bruxo, mas ela teimava em afirmar que certamente a melhor varinha da loja seria aquela que iria escolhê-la. O homem pacientemente mostrou-lhe várias opções, e os três garotos rapidamente saíram de seu rumo pra não acabarem sendo atingidos pelo efeito desastroso de uma de suas tentativas de fazê-la funcionar. –Ah, mas que saco. Parece que estão todas quebradas.– A garotinha reclamou em tom mimado, e o homem pediu que ela tivesse paciência, pois acabariam encontrando uma que fosse adequada a ela.


    Depois de mais algumas tentativas, e a loja toda praticamente destruída, acabaram encontrando uma varinha que fora louca o suficiente pra escolher aquela bruxa. Deve ser verdade quando dizem que existe gosto pra todo nesse mundo. Com mais uma compra feita e mais um embrulho pra os meninos carregarem, retiraram-se enfim da loja, e encaminharam-se sem muita vontade para a próxima. Parecia que aquele dia não iria acabar nunca.
Imagem
Noah Hargreeves
6° Ano Mélusine
Avatar do usuário
 
Reg.: 09 de Feb de 2012
Últ.: 29 de Sep de 2019
  • Mensagens: 424
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 9 Pts.
  • 17 Pts.
  • 57 Pts.

Postado Por: .


Re: Olivaras

MensagemDinamarca [#144875] por Benjamin Carter » 24 Fev 2015, 14:43

  • 5 Pts.
  • 18 Pts.
  • 17 Pts.
    Era manhã de sexta feira e lembro como se fosse ontem. Mamãe preparava café da manhã enquanto papai lia o jornal e ambos pareciam despreocupados e sem muito animo, mas comigo fora diferente. Sempre tive problemas para acordar cedo, contudo, fui o primeiro a acordar em casa e logo tratei de passar a petear os cabelos que insistiam em não darem atenção ao pente que os faziam ficar para trás, era um martírio e um aborrecimento sempre que precisava deixa-lo quietos e os malditos cachos insistiam em simplesmente se manterem desgrenhados. Cheguei a varias pensar em rapaz a cabeça e acabar com o tormento, mas mamãe nunca deixou.

    Desci as escadas apressado rumando ao colo do meu velho. – E então, que horas vamos? – Perguntei com a típica cara de pidão. – Acalme-se Ben, seu pai precisa terminar de tomar o café antes e você também. – Mamãe era uma mulher inteligente e sempre dedicada a cuidar de nossa casa, por muitas vezes me senti sufocado em vê-la me protegendo tão veementemente, mas agora entendo a falta que isso me faz. Não demorou para que papai terminasse de se alimentar, eu por minha vez enfiava os montes de bolachas com creme de abobora tentando engolir o mais rápido possível com a ajuda do suco de uvas. –Se você se engasgar terei de te levar para o hospital e a visita ao Olivaras ficara para a semana que vem. – Papai era um cara serio e bastante durão, um simples olhar dele me fazia tremer dos pés a cabeça, mas não foi a frase que me deixou com medo e sim a possibilidade de adiar por uma semana a compra da tão cobiçada varinha.

    Engoli os últimos pedaços de biscoito enquanto rumava para a grande lareira em nossa sala. –Não entendo o motivo de irmos de flur, eu gosto de aparatar. – Retruquei enquanto mamãe me entregava o pó nas mãos. – Da ultima vez você passou três horas vomitando. – Disse ela me apertando as bochechas enquanto papai desaparecia nas chamas esmeraldas. Adentrei a chaminé e em alto e bom som soltei o destino. –Beco diagonal! – Puf! Lá estava eu aparecendo em Londres e meu pai já me esperando, não demorou para chegarmos ao o destino mais importante do dia: O Olivaras!

    Ao adentrarmos vi o velho sair d’trás do amontoado de caixas e me olhar logo depois de desempoeirar os óculos. – Ah finalmente Luduvic! Estava começando a achar que você levaria o menino a outro vendedor. – Papai corou e eu o encarei com fúria ao ouvir que deveria ter me levado há uma semana atrás. – Mas não importa, tome experimente essa, ela me parece boa. – Disse o velho após ter ido buscar uma pequena caixa roxa. Aproximei-me do balcão e desfiz o embrulho encontrando um osso fino e comprido na cor branca, não se parecia com a do meu pai em nada sem contar o fato de que era de osso e não de madeira. – Ela é de um material muito complexo de se trabalhar, o marfim é rígido e firme e muito difícil de ser penetrado com magia. – Olhei para meu pai esperando que ele falasse alguma coisa, mas apenas assentiu com a cabeça. – Seu conteúdo é preenchido com corda de coração de dragão e a propriedade porosa no marfim vai permitir uma um manuseio excelente. Vamos lá garoto, não precisa ter medo, pegue-a. – No momento em que toquei a varinha senti meu coração acelerar e ouvi um sonoro pulsar de coração na minha mão, era como se eu todo meu pequeno corpo entrasse em sintonia com o marfim e ele fosse parte de mim. – Muito bem, muito bem! – Aplaudiu Olivaras. – Vocês se darão muito bem Benjamin, trate-a como se fosse membro de sua família e ela ira retribuir da mesma forma. – Era obvio que eu jamais deixaria alguém fazer mal a minha nova amiga de marfim.

Itens Utilizados:

  • Varinha de Marfim, 26cm, Corda de Coração de Dragão, Porosa

    Usou um Varinha de Marfim, 26cm, Corda de Coração de Dragão, Porosa.

Imagem
Spoiler: Mostrar
Imagem
Benjamin Carter
Funcionário do Ministério
Avatar do usuário
Eu só queria um amigo, ele apareceu...
 
Reg.: 16 de Aug de 2009
Últ.: 07 de Oct de 2019
  • Mensagens: 431
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 5 Pts.
  • 18 Pts.
  • 17 Pts.

Postado Por: Luka.


Re: Olivaras

MensagemBrasil [#145164] por Robert Eidryan Boron » 02 Mar 2015, 19:43

  • 13 Pts.
  • 15 Pts.
  • 5 Pts.
Finalmente Robert chegou a loja que mais queria, a OLIVARAS finalmente iria ter sua primeira varinha, a ansiedade era gigantesca, por muito tempo ele contou os anos, os meses, os dias, as hora e finalmente ali estava o que seus pais lhe prometeram, assim que adentrou ficou fascinado com o tamanho do lugar, ele olhava cautelosamente cada detalhe, “ Quantas varinhas devem ter nesse lugar, Centenas, talvez milhares é simplesmente fantástica” pensou o garoto que não conseguia conter a alegria ao ver a loja e todas as suas estantes e caixas por todos os lados, enquanto seus pais se dirigiam até um senhor que estava no balcão, Robert continuava ali parado próximo a porta olhando e analisando tudo que lhe cercava seus olhos iam para todas as caixas, de todas as cores e tamanhos.

- Robert filho vem – ecoou uma voz ao fundo dos pensamentos do garoto que logo reconheceu e o fitou no balcão, Eidryan sorriu para o filho e fez um aceno com uma das mãos, para que o garoto se aproxima-se e sem muita demora se aproximou e sempre com muita educação

Boa tarde Sr. OlivarasDisse o garoto focando o senhor atrás do balcão e logo o reconhecendo “ É ele mesmo o famoso Sr. Olivaras, que coisa pensei que fosse mais velho” pensou ele enquanto se aproximava

Viemos comprar a primeira varinha do nosso filho, quase que ele não dorme de tanta ansiedade - O Sr. Olivaras deu um breve sorriso antes de falar algo

É normal isso acontecer eu notei no momento em que ele entro nesta loja pela forma como seus olhos percorriam tudo já vi muitos alunos entrarem aqui em minha loja e permanecerem estáticos da mesma forma que seu filho, se puderem aguardar vou trazer algumas para que seu filho possa experimentar dito isso não demorou muito a desaparecer em meio as estantes da loja, passado um breve momento ele retorna com algumas caixas de madeira em tom mogno envernizado

– Esta pronto senhor...

- Robert Eidryan, mas pode me chamar só de Robert Sr. Olivaras

- Vamos lá então Sr. Boron, esta é a primeira varinha pegue-a com cuidadoSr. Olivaras abre a caixa e a estende para que o garoto a pega-se. – Pode pegar Sr. Robert fique a vontade mas seja cuidadoso sim, algumas varinhas podem ser um tanto temperamentais – o jovem não entendeu o que Sr. Olivaras quis dizer exatamente com aquilo, mas seguiu seu conselho e cautelosamente apanhou a varinha.

- E agora? O que eu faço? – Perguntou o garoto ao pai sem entender nada

- Não será necessário fazer nada meu garoto a varinha escolhe o seu bruxo e esse não foi o caso desta, por favor me entregue vamos experimentar outra – Olivaras estende a mão e Robert entrega a varinha ao bruxo, cuidadosamente ele a coloca d volta na caixa e a fecha logo colocando-a de lado, feito isso ele pega a próxima varinha entrega ao garoto que a pega ele olha para os lados e para cima porem ainda sim nada ocorreu, com um sinal negativo com a cabeça e com um ar decepcionado Robert a entrega novamente – Vejamos esta varina então – entregou a mesma ao garoto porém novamente nada aconteceu nem se quer um vento passou por baixo da porta, novamente a entregou Aguarde aqui sim, creio que já sei qual é a varinha ideal para o senhor um minutologo Sr. Olivaras sumiu entre as eteleiras, passados quase 5 minutos o Sr. Volta com uma varinha em tom vermelho sangue envernizado, ele sorriu e pegou a varinha de dentro da caixa - Esta é uma varinha especial Sr. Boron, ela é feita de Salgueiro, com 26cm, seu núcleo é feito de pelo de unicórnio, e sua forma lisa a torna elegante e bela pelas suas características, agora pode experimenta-la sorriu Olivaras como se já soubesse o que viria a seguir, quando Robert a pegou entre os dedos um forte vento entrou por baixo da porta levando com sigo toda a poeira que ali estava, o lugar se iluminou de uma intensa e branca luz aquele era enfim a escolha da varinha pelo seu bruxo, logo tudo se acalmouEnfim a varinha escolheu o seu dono – Confirmou Olivaras em um breve sorriso

- Então era disto o que o senhor estava falando Sr. Olivaras? – Perguntou Robert

- Exatamente Sr. Boron essa é a forma que as varinhas elegem o seu bruxo e diga-se de passagem que foi uma surpresa o senhor ser o portador desta varinha, sinal de que será um grande bruxo e mais importante do que o senhor esperaConclui Olivaras, Robert ficou sem entender o que seria aquele sinal mesmo assim não se conteve de tanta alegria, logo que seus pais fizeram o pagamento agradeceram e saíram antes de Robert

- Muito obrigado Sr. Olivaras e tenha um ótimo dia

- Eu que agradeço Sr. Boron, eu que agradeço – Disse ele estendendo a mao ao garoto que não demorou muito e logo apertou a mao do senhor que o olhava fixamente, logo em seguida Robert caminhou vagarosamente até sair da loja.


-------------------------------------------------------------

Legenda: ♛ Narração ♛ Robert ♛ Olivaras ♛ Eidryan ♛ Pensamento

Itens Utilizados:

  • Varinha de Salgueiro, 26cm, Pelo de Unicórnio, Lisa

    Usou um Varinha de Salgueiro, 26cm, Pelo de Unicórnio, Lisa.

Deixe as aparecias de lado afinal nem tudo o que reluz é ouro nem muito menos diamante


Imagem
Robert Eidryan Boron
1° Ano Gryffindor
Avatar do usuário
 
Reg.: 23 de Feb de 2015
Últ.: 08 de Apr de 2015
  • Mensagens: 5
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 13 Pts.
  • 15 Pts.
  • 5 Pts.

Postado Por: Guigo.


Re: Olivaras

MensagemRussia [#148071] por Malphas M. Pleskun » 18 Mai 2015, 16:57

  • 9 Pts.
  • 13 Pts.
  • 16 Pts.
Não demorou muito para Malphas chegar até a loja de varinhas que também se encontrava no centro do Beco. Ansioso, só conseguiu perceber que era um estabelecimento bem antigo e com dois andares. Quando entrou, viu-se rodeado de caixinhas compridas. Elas tinham diversas cores, tamanhos e texturas. Estava tão curioso para ver as varinhas que havia lá dentro que nem percebeu de onde veio um velho senhor para recepcioná-lo.

Era maravilhosa a sensação de finalmente conseguir controlar seu poder através de um objeto mágico. Tudo que ele já fez, involuntariamente, não tinha realmente uma disciplina ou sentido. Era apenas intuição. Com a varinha, no entanto, finalmente seria um verdadeiro bruxo. Olhava cada caixinha a procura de qual seria a sua, curioso sobre como funcionava.

– Posso escolher qualquer uma? – perguntou o garoto empolgadíssimo após os devidos cumprimentos. – É a varinha que escolhe o bruxo, Sr. Pleskun, não o contrário. Ele sorriu enérgico e entrou no meio das caixinhas compridas. Após um tempo e um pouco de concentração, ele escolheu uma com um forte tom de vermelho.

Abriu-a, mostrando o luxo interior, e entregou-lhe para testar. Com um movimento simples, Malp destruiu uma prateleira inteira. Assustado, observou o objeto ser cautelosamente retirado de suas mãos e guardado novamente na caixa. Isso se repetiu diversas vezes. Quebrou, derrubou, queimou... Estava prestes a acreditar que não era um bruxo de verdade quando uma varinha, ao tocá-la, fez um arrepio percorrer todo seu corpo magro.

Era a mesma sensação de quando fazia algo inexplicável no orfanato. Com um movimento leve da varinha, várias sombras e formas saíram dela, rodeando o garoto, como se dançassem ao seu redor. – É uma ótima varinha, Sr.Pleskun. Madressilva, 27cm, Garra de Quimera, bem aderente. Cuide bem dela.

O moreno concordou com a cabeça e entregou-a, pagando e agradecendo em seguida. O dono também falou as especificidades dela, mas não conseguiu prestar muita atenção. Ainda estava um pouco trêmulo. Onde deveria ir agora? Pegou novamente a lista de materiais do bolso apertado e decidiu ir comprar os uniformes.
Malphas M. Pleskun
1° Ano Ravenclaw
Avatar do usuário
 
Reg.: 11 de May de 2015
Últ.: 22 de May de 2015
  • Mensagens: 3
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 9 Pts.
  • 13 Pts.
  • 16 Pts.

Postado Por: Isabela.


Re: Olivaras

MensagemInglaterra [#148099] por Logan J. Nowell » 20 Mai 2015, 02:18

  • 15 Pts.
  • 17 Pts.
  • 15 Pts.
Bem me quer, mal me quer...


Após uma breve passagem pela loja de animais, Logan agora caminhava pelo beco diagonal carregado em uma das mãos uma grande gaiola com uma coruja bufo-real adulta cujo a qual acabará de adquiri como seu mais novo animal de estimação. - Tenho que pensar em um nome pra você, já ia me esquecendo... - Disse o garoto enquanto parava em um canto afastado da multidão que continuará a caminhar indo e vindo de todas as direções, entrando e saindo das diversas lojas contidas ali no Beco Diagonal. Logan observou a coruja por algum tempo, a ave parecia ser majestosa e mostrava um ar de superioridade aos olhares do garoto. - É mais difícil do que eu pensava...Bom, vamos lá. - Dito tais palavras, Logan deu um longo suspiro e pôs-se a pensar retomando a falar com a coruja logo em seguida. - Hórus, Hermes, Herpes.. - Mas a coruja não esposava reação, continuava com seu ar de superioridade e agora olhava para Logan como se estivesse se sentindo ofendida. Logan percebeu o por que, se tratava de uma coruja fêmea, o garoto agora se sentia constrangido com o fato de não ter "conferido" o gênero do animal antes de qualquer possibilidade de imaginar um nome. "Uma coruja fêmea...vamos lá, não deve ser mais difícil do que se fosse macho...acho que já sei." O menino não era muito criativo e isso era um dos seus maiores defeitos, estava pronto para sugerir mais uma sequencia de nomes comuns e habituais que a maioria das pessoas colocam em seus bichinhos, ele não queria isso, queria um nome diferente e legal, era seu primeiro animal de estimação e pelo pouco que entendeu numa conversa com seus pais sobre a lista de materiais é que as corujas são acima de tudo fieis aos seus donos. Logan franzia a testa como quem estivesse fazendo um esforço enorme, o garoto então teve a ideia de olhar ao redor para ter alguma ideia e então começou a observar cada pessoa, loja, canto, artefato e etc, dali onde ele havia parado. Seu campo de visão era limitado, não só por ter muitas pessoas transitando pelo beco mas também por ele ser uma criança baixinha.

O menino Logan já estava para desistir quando olhou para a loja na qual ele parou em frente, por alguma razão ela se encontrava vazia e do lado de fora podia-se ver um homem bem velho sentado atrás do balcão o observando e parecia estar fazendo aquilo a algum tempo, Logan poderia pensar que ele poderia estar o observando desde que o mesmo parou em frente a loja e agora o garoto se sentia um "desligado" por nem ter pensado em olhar para trás. O jovem bruxo desviou um pouco o olhar do senhor que o observava para ver o nome escrito na fachada da loja. "Loja de Varinhas: Olivaras, aberta desde 382 a.c." Logan não podia acreditar que a loja estivesse aberta a tanto tempo assim, seria um absurdo, mas o garoto foi tomado pela vontade e curiosidade de entrar na loja para conhecer seu interior que o mesmo até esqueceu que havia parado ali para escolher um nome para sua coruja. Tomando fôlego e coragem, Logan adentrou no recinto, a loja estava vazia como o garoto pode observar do lado de fora, era um pouco empoeirada, haviam dezenas, não, centenas de pequenas caixas empilhadas por cada canto da loja e diversas prateleiras com mais caixas ainda em mais alguns montes empilhados em cima dos cantos do balcão. O garoto dava passos cautelosos enquanto olhava cada pedaço daquele local até que uma calma e vívida voz ecoou pela loja.
- Senhor Nowell, não tenha medo, eu estava observando o senhor pensando em qual varinha poderia escolhe-lo, entende? É apenas o meu trabalho, desculpe-me se eu o assustei. - O velho sorriu enquanto enfileiravas e abria algumas caixas que antes estavam empilhadas no canto do balcão. Se Logan não havia se assustado, agora ele se encontrava apavorado, o velho sabia o seu nome, era impossível aquilo, o garoto foi tomado por diversas dúvidas e um pequeno receio de ter entrado naquela loja, a vontade que ele tinha era de sair correndo dali e procurar uma outra loja de varinhas, qualquer uma que não tivesse um velho que a julgar pelo nome da loja poderia ser o dono a mais de dois mil anos e que sabia o seu nome sem ele nem ter falado uma palavra, Logan ficou paralisado por alguns segundos e logo o senhor voltou a falar. - Acho que eu realmente o assustei não foi? Me perdoe, sou o dono da loja, me chamo Olivaras e o senhor, Sr. Nowell veio até aqui comprar uma varinha para o seu primeiro ano em Hogwarts, estou certo? - Olivaras terminou sua explicação pegando uma varinha de uma das caixas com cuidado e fazendo sinal para que Logan se aproximasse, o garoto ainda estava um pouco assustado mas não podia sair dali sem comprar seu material escolar mais importante, Logan foi se aproximando e foi se sentindo um bobo por ter se amedrontado, o senhor Olivaras aparentava ser um bom moço, não faria mal a ninguém, talvez sua mãe tivesse passado na loja antes dele para avisar o velhinho que ele passaria por lá para comprar sua varinha.

O garoto agora se encontrava a frente do balcão, um pouco nervoso e ansioso, parecia tremulo também mas se conteve.
- Sr. Olivaras, como eu faço exatamente para testar a varinha? - O sr. Olivaras sorriu e fez um pequeno gesto com a mão livre, algo parecido com um balançar, foi o suficiente para o garoto entender e tentar reproduzir após pegar a varinha da mãos do vendedor. Foi um desastre, as caixas empilhadas nos cantos da loja saltaram para todos os lados quando acertando Logan e Olivaras que desviaram de algumas caixas. Após algumas tentativas frustradas(algumas delas perigosas) Logan enfim empulhou uma varinha que lhe deu um leve arrepio e seu manuseio não foi prejudicial a loja e nem a sua integridade física e a do Sr. Olivaras, o garoto sabia que aquela era a varinha destinada a ele, "a varinha que o escolheu." Logan pagou pela varinha, se despediu de Olivaras, apanhou a gaiola de sua coruja repousada no chão e saiu da loja guardando sua varinha no bolso da calça. O garoto agora estava se sentindo diferente, parecia que "testar varinhas" tinha clareado sua mente, em um breve suspiro animado tomou a falar com sua ave novamente, como fizera antes de entrar na loja. - Já pensei em um nome para você, vou chama-la de Ivy, não é muito criativo, eu sei, mas acho que combina com você. - A coruja piou e fez um breve aceno com a cabeça que mais parecia uma reverência, o que bastou para deixar Logan bastante sorridente, o garoto deduziu que "Ivy" havia gostado do nome e então não faltava mais nada e não tinha por que continuar ali parado, ia retomar suas compras enquanto aguardava sua mãe o encontrar por ali. Logan tomou a andar pelo Beco Diagonal pensando agora em que loja ele iria e torcendo para que o próximo vendedor não soubesse mais do que só seu nome.

Itens Utilizados:

  • Varinha de Sorveira, 24cm, Pena de Fênix, Razoávelmente Elástica

    Usou um Varinha de Sorveira, 24cm, Pena de Fênix, Razoávelmente Elástica.

  • Animal: Coruja

    Usou um Animal: Coruja.

FIRST YEAR x GRYFFINDOR x NOWELL
Imagem
♕ Narração. - ♢ - ♕ Fala. - ♢ - ♕ Pensamentos. - ♢ - ♕ Fala de outros personagens.
Logan J. Nowell
1° Ano Gryffindor
Avatar do usuário
Nada pode me parar
 
Reg.: 16 de May de 2015
Últ.: 27 de Apr de 2018
  • Mensagens: 12
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 15 Pts.
  • 17 Pts.
  • 15 Pts.

Postado Por: Leonardo Silva.


Próximo

Voltar para Beco Diagonal

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante