Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Felicidade Jian-Yin Lee 479 23/05/2020 às 22:05:02
Recomeço Jian-Yin Lee 2594 13/03/2020 às 16:50:15
22/02/2020 Duncan Cullen 2982 22/02/2020 às 15:27:50
Diário do Josh - Últimos dias antes da escola. Joshua P. A. Nolan 7054 17/01/2019 às 11:12:01
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 6421 22/11/2018 às 18:19:24

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Praça Central

Praça Central

MensagemLiechtenstein [#115477] por Narrador » 17 Jan 2013, 14:08

  • 7 Pts.
  • 18 Pts.
  • 142 Pts.
Imagem


Festival dos Delírios


O Carnaval era uma comemoração pagã muito antiga, que perdera seu real significado com o passar dos anos. Adotando o nome de "Festa dos Loucos", o costume de ficar fora de si foi se fixando, caracterizando a data como o reinado da loucura, da desordem e da alegria. Tudo passava a ser permitido, inspirando assim, o Festival dos Delírios.

O evento tomava toda a Praça Central da cidade, preparada para receber centenas de bruxos e suas fantasias extravagantes, que combinavam com a decoração do local. Eram bandeiras coloridas espalhadas em todos os lados, algumas contendo frases inspiradoras, outras com desenhos e símbolos, balançando com o vento leve, harmonicamente acompanhadas por balões flutuando.

O ambiente era circular, seu centro continha um fonte de mármore branco, jorrando uma água num azul turquesa com purpurina roxa, saindo das mãos do que parecia ser um bobo-da-corte, devido ao chapéu magenta que fora colocado ali comicamente. Ao redor da fonte, havia um espaço para os bruxos se sentarem, jogarem moedas e fazerem seus pedidos. Com um raio maior, mesinhas foram colocadas para quem quisesse comer ou descansar , arrumadas com um adorno carnavalesco de diferentes cores sob toalhas berrantes impermeáveis. As mesas eram servidas por vários garçons que trajavam as mesmas roupas mascaradas. Depois, havia um espaço para os convidados em pé fazerem o que quisessem, como um caminho circular para desfilarem em bando.

Em um extremo da Praça, duas mesas enormes de banquete estavam colocadas lado a lado, uma com diferentes ingredientes para a garçonete preparar os mais diversos drinks, alcóolicos ou não, e outra cheia de doces que poderiam ser pegos por quem quisesse, com plaquinhas explicativas na frente de cada um. Enquanto isso, do lado oposto, havia um palco com cortinas pesadas de látex laranja, onde uma mesa cumprida era usada por bruxos estranhamente vestidos, que estavam fazendo as inscrições para o Concurso de Fantasias.

Enfim, o ambiente totalmente colorido estava pronto para sustentar uma festa nunca antes feita no Mundo Mágico, para aguentar as loucuras que ali seriam expostas, para revelar outro lado dos bruxos convidados.


Cardápio

Bebidas

Doces
Narrador
Mundo Mágico
Avatar do usuário
Mais do que um simples jogador, um narrador!
 
Reg.: 28 de Oct de 2009
Últ.: 31 de Dec de 2015
  • Mensagens: 299
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 7 Pts.
  • 18 Pts.
  • 142 Pts.

Postado Por: Fórum Zonko's.


Re: Praça Central

MensagemEstados Unidos [#115973] por Julie Reinheart » 25 Jan 2013, 12:11

  • 2 Pts.
  • 19 Pts.
  • 43 Pts.
Julie Reinheart estava no quarto de sua casa terminando de se arrumar para ir ao Festival dos Delírios, uma festa que reuniria todo o povo mágico, porém a morena não estava muito animada para ir. Julie não é uma grande fan de festas e diversão, a mulher era uma pessoa séria que gostava de ficar em seu próprio mundo e sempre preocupada em não chamar atenção.

Aprendera a ser assim desde pequena, pois sabia que se fizesse algo que a deixasse feliz, seu pai fazia questão de estragar sua felicidade no mesmo instante. Com um suspiro a mulher se olhou no espelho, sua fantasia era simples um vestido verde água todo brilhante e uma máscara prateada que cobria metade de seu rosto. Achou que aquilo era o suficiente, não se importava em ser a mais bonita ou a mais bem vestida, apenas não queria estar ali, mas como funcionária do Ministério e chefe de departamento era seu dever comparecer nesses eventos. "Por mais idiotas que sejam." Pensou enquanto ajeitava sua varinha presa à sua coxa que estava à mostra.

Em seguida aparatou para a grande Praça onde estava acontecendo o evento. "Odeio essa minha mania de sempre chegar cedo." Pensou ao reparar que apenas as pessoas que ali trabalhavam estavam presentes. Suspirou e procurou uma cadeira para sentar ignorando os garçons com roupas estranhas que vinham lhe servir alguma coisa. Sentou-se e observou a beleza do lugar. As decorações extravagantes literalmente não combinavam com a morena ali presente, mas o problema maior da mulher agora não era esse.

Ela se lembrava da ultima festa que participara, a festa de Halloween estava até divertida para Reinheart se não fosse o acontecimento que a tirara mais cedo da festa. O homem com fantasia de leão que sempre aparecia nas horas inoportunas estivera no Halloween e o que aconteceu entre eles fez Julie corar levemente agora."Que droga porque estou me lembrando disso agora?" Se repreendeu mentalmente enquanto ainda se lembrava da face de Hogarth bem pertinho da sua e de seus lábios se tocando.

Sem perceber a morena levou uma das mãos ao lábio e em seguida fechou a cara: - Eu devo estar ficando louca. - Pensou em voz alta e ao perceber o olhar de um dos garçons sobre ela - que aparentemente ouvira o que ela falara - foi que a morena percebeu a ironia de sua frase. "Festa idiota." Bufou e continuou sentada ali esperando que outras pessoas aparecessem ao local, mas intimamente ela queria que George Hogarth aparecesse, mesmo não admitindo isso para si mesma.


citados: George Hogarth
ABERTO A INTERAÇÕES!!!
Julie Reinheart
Mundo Mágico
Avatar do usuário
In fact you can keep everything, except for me!
 
Reg.: 21 de Mar de 2012
Últ.: 10 de Nov de 2016
  • Mensagens: 101
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 2 Pts.
  • 19 Pts.
  • 43 Pts.

Postado Por: Pri.


Re: Praça Central

MensagemAlemanha [#116110] por Hanz von Kroussi » 29 Jan 2013, 16:37

  • 18 Pts.
  • 10 Pts.
  • 110 Pts.
Mostre o que você é!

Do not be afraid of who you are,
Do not be afraid of who you are,
Lover, lover, lover.


O que eu vestiria para o festival? Era o que estava pensando enquanto me olhava para o espelho que minha falecida mulher havia me dado. Aquilo seria o carnaval, uma festa que eu não estava muito acostumado a participar e sempre sabia que tinha a possibilidade de ir fantasiado. Ainda olhando para o espelho, minha visão se firmou na roupa que estava caída na cama. Um smoking novo em folha, e em cima uma máscara do estilo do fantasma da ópera. Em seguida meu olhar recaiu novamente para a pálida figura de frente ao espelho. Onde estava a antiga beleza daquele rosto agora apático? Fora jogada no abismo que se abrira quando soubera que além de Renné, agora Audrey estava desaparecida. Segundo alguns informantes, ela fugira de Hogwarts. Balançando a cabeça, respirei fundo e coloquei um sorriso no rosto. Aquele sorriso que eu sempre levava que me deixava misterioso. Putz, quem eu era?

Eu era o Hans Von Kroussi, viúvo e pai de duas filhas desaparecidas. O que era bom naquilo tudo? Nada. Viver no trabalho, onde tentava salvar vidas, era algo que me deixara vivo até agora. Eu me tornara uma máquina. Conseguira mascarar a dor, a raiva, a vontade de vingança, e me tornara frio, mas quando ficava sozinho, tudo voltava. Mas deixemos para trás isto, temos que manter as aparências. Levantei as mãos e com os dedos arrumei meus cabelos num look que já era tradicional. Arrepiado. Dei as costas para o espelho e me vesti.

Aparatei na praça e vi que não era um dos únicos a já estar ali. Tudo bem que eu chegara um pouco cedo, mas já mais da metade da praça estava cheia. Não perdi tempo e fui em direção da mesa vermelho berrante, onde se comprava bebida. Whisky de fogo era uma bagatela para quem levara goldens á beça e eu aproveitei e comprei uma garrafa cheia. Não ligava. Estava de máscara, ninguém me reconheceria, e bem, olhando para os outros, eu não estava reconhecendo ninguém!

Sentei-me num dos bancos dispostos na praça e olhei para o bobo da corte um bom tempo, até que algo chamou minha atenção. Aquela garota que acabara de chegar tinha algo de familiar. Não via seu rosto direito, por causa da máscara, mas eu era bom em guardar as mínimas coisas que via em uma pessoa. Levantei-me do banco e uma leve tontura me seguiu. Tomar uma garrafa de whisky de fogo sozinho não era um problema para mim, quando se está sozinho no seu consultório sem nada para fazer. Você adquire hábitos ruins. Aproximei-me por trás e as lembranças me inundaram. Aquela moça havia invadido o TVH. O que ela fazia ali? Como não fora presa, ou algo do tipo?


Interação com a Nanda. Aberto para outras!


Roupa|Máscara e Smoking.

Itens Utilizados:

  • Whisky de Fogo

    Usou um Whisky de Fogo.

Editado pela última vez por Hanz von Kroussi em 31 Jan 2013, 12:47, em um total de 1 vez.
Imagem
Hanz von Kroussi
Mundo Mágico
Avatar do usuário
Bullshit!
 
Reg.: 23 de Oct de 2011
Últ.: 22 de Feb de 2019
  • Mensagens: 392
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 18 Pts.
  • 10 Pts.
  • 110 Pts.

Postado Por: M.


Re: Praça Central

MensagemIndia [#116112] por Allie Reichow » 29 Jan 2013, 17:52

  • 7 Pts.
  • 12 Pts.
  • 112 Pts.
Uma coisa que Allie adorava era festa, mas não gostava quando tinha de trabalhar em uma festa, pois isso implicava em não poder beber nem um drink afrodisíaco e muito menos aproveitar cem por cento a festa do jeito que se deve ser aproveitada. Com um suspiro a morena tenta se decidir com que fantasia colocar, ela estava dentro de uma loja tentando escolher alguma máscara ou alguma fantasia completa até que por fim o vendedor lhe trouxe uma máscara dourada toda trabalhada nos brilhantes e com uma linda asa de borboleta do lado direito, Allie experimentou e se olhou no espelho. "Ficou linda." Pensou enquanto admirava seu rosto oculto pela linda mascara dourada. - Levarei esta, quero alguns acessórios para colocar, já que tenho um vestido perfeito para usar com ela. - Com um sorriso o vendedor fez um movimento positivo com a cabeça e foi atrás de alguns acessórios que a mulher poderia usar.

Enquanto esperava o vendedor voltar ficou observando as outras coisas que tinha na loja e pensava que teria de tirar fotos e estar preparada para poder fazer uma matéria no jornal sobre o Festival dos Delírios. "Não gosto dessa parte do meu trabalho." Suspira e sorri ao ver que o vendedor lhe trouxera mais alguns itens incrementar sua fantasia. Pagou tudo certinho e saiu da loja procurando algum beco sem movimento para poder aparatar e voltar para casa.

Já em casa, Allie se arrumou rapidamente colocando um vestido dourado colado ao corpo que descia até a metade da coxa, arrumou o seu cabelo e colocou a máscara com a asa de borboleta do lado direito. Colocou também uma única asa de borboleta presa em seu corpo que ficaria em suas costas, formando então uma borboleta completa. - Confesso que para o Halloween minha fantasia estava melhor, mas dessa vez não quero ganhar prêmios por melhor fantasia. - Disse para si mesma enquanto se olhava no espelho. Colocou um salto alto também dourado, pegou sua bolsa onde colocou a câmera fotográfica, um rolo de pergaminho, uma pena, tinteiro e sua varinha.

Aparatou então para o local onde pegaria uma chave de portal para chegar ao local da festa. Sorriu para o funcionário do local que estava cuidando das pessoas que chegavam para usar as chaves de portais para irem a festa e então finalmente Allie apareceu na grande praça. O movimento ainda era pequeno aproveitou então para tirar algumas fotos do lugar e procurou entre as poucas pessoas presentes a mulher que conhecera uma noite no bar Três Vassouras, Jewel Hewitt. Não achando a mulher Allie continuou então rondando a praça e tirando fotos das pessoas que chegavam e do ambiente.

Citados: Jewel Hewitt
Aberto a interações

Itens Utilizados:

  • Câmera HighMotion

    Usou um Câmera HighMotion.

Imagem
Allie Elizabeth Reichow
Allie Reichow
Mundo Mágico
Avatar do usuário
 
Reg.: 09 de Sep de 2012
Últ.: 06 de Dec de 2015
  • Mensagens: 73
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 7 Pts.
  • 12 Pts.
  • 112 Pts.

Postado Por: Priscila Visacri.


Re: Praça Central

MensagemEstados Unidos [#116125] por Brian Haeckel » 29 Jan 2013, 22:55

  • 11 Pts.
  • 13 Pts.
  • 131 Pts.
The day has come for all us sinners.
O dia chegou para todos nós, pecadores.
One


A espaçosa sala de chão de linóleo bege e das paredes neutras já estava quase toda apagada, exceto pelas luzes que ficavam próximas à pilastra-espelho. O relógio cuco na parede indicava que já tinha passado a hora de partir, mas a figura do homem continuava parada ali, como quem observasse uma última vez a fantasia que lhe cobria o corpo, perguntando se era realmente necessário sair assim. Se era necessário realmente sair. Brian não gostava de festividades e aglomerações de pessoas extremamente felizes e saltitantes, preferia ficar na sua, recolhendo sua presença e chamando menos atenção possível, afinal, era quase um imã para encrencas, e estava tentando não se meter nelas nos últimos meses. Olhava através de seus olhos castanhos a fantasia que Sullivan, seu elfo doméstico e único companheiro, havia escolhido para ele na loja. – Meu Senhor está muito elegante. – sibilou o elfo, lhe entregando a espada de prata dar o toque final na vestimenta. A princípio Haeckel achou que era necessário que o objeto fosse mesmo cortante, mas por questões de segurança de seu mestre, Sullivan escolheu a espada sem fio de corte. Brian conferiu, passando o dedo pela falsa lâmina e sentiu-se frustrado por não ver o líquido vívido e espesso sair da ponta do seu dedo. – O Senhor não precisará disto. E é mais seguro ter somente a varinha como arma. – o pequeno elfo era mais que um servo, era o amigo fiel e protetor de Brian. O dono fez uma cara feia, e a pequena criatura apenas se despediu, pedindo para que o amo se cuidasse na festa.

O rapaz olhou mais uma vez o convite de layout bem desenvolvido, e arriscando, até que era convidativo. – Raios, por que gostam tanto de se ver? Já não bastam os corredores infinitos daquele lugar?– ele se referia ao Ministério. Agora que fazia parte oficialmente da Instituição, teria que pelo menos marcar presença no “tão esperado” Carnaval. A intenção era apenas deixar ser visto por sua chefe, alguns conhecidos de vista do mesmo setor e, quem sabe, pelo Ministro da Magia, que sequer sabia da sua existência – ele esperava -, assim teria provas suficientes de que esteve presente naquele local. Pelo menos sua fantasia tinha um capuz, poderia usá-lo como algum benefício, forma de se esconder ainda mais. – Cavaleiro medieval, não é de todo ruim. Mas esse elfo é abusado demais. – a fantasia era para ser de cavaleiro negro, com uma longa capa preta, não algo tão amostra e feliz assim. Revirou os olhos para seu reflexo no espelho, colocou o capuz. – Espero que, pelo menos, tenha bebida. – então mentalizou a Praça Central. Um puxão próximo ao umbigo e tudo da sala se movimentou rápido para dentro de um círculo, que ele mesmo imergiu. Em menos de um respirar, Brian se estabilizava na Praça. – Aqui estou. – murmurou e olhou o movimento a sua volta. Era claro que muitos sorrisos seriam vistos, fantasias alegres, pessoas bêbadas no final. Nada disso estava importando, ele sabia que seriam apenas alguns minutos, sentados em uma mesa à parte, sozinho com seu whisky, já que não conhecia a fundo ninguém. Ou talvez não, pensou ao avistar sua chefe de longe. Ela era realmente uma mulher bonita. Brian fez um aceno de cabeça para ela e seguiu para uma das mesas perto da fonte. “Primeira missão, confirmada.” Fez check-in em sua lista mental, riscando o primeiro item.

Observou distante por alguns instantes, ou minutos, a conversa de uma garçonete ruiva com um senhor de barriga avantajada e redonda que ele havia esbarrado pelos corredores do Nível Três e deu um sorriso de lado, balançando a cabeça negativamente ao perceber o fora que ele levaria da bela donzela. Passado alguns instantes, ele sabia que sua troca de olhares resultaria em algo, ou melhor, num pedido. Com roupas vibrantes e um humor festivo, a ruiva veio em sua direção, ao ritmo dançante da música que tocava e se aproximou de Brian. – O senhor deseja algo? – perguntou com sua voz angelical. Haeckel perguntava por que a maioria das moças tinha que ter vozes tão cativantes, mas respondeu seco, quebrando o encanto. – Um whisky de fogo, por favor. – a garçonete lhe entregou de imediato seu pedido e saiu de perto ao perceber que aquela conversa já tinha sido encerrada. Brian abriu a bebida desenroscando a tampa de uma vez só e levou o gargalo até a boca, sentindo o gosto forte do líquido lhe trazer alguma felicidade. – Isso é realmente quente. – sibilou assim que aquilo queimou sua garganta. Era delicioso para quem tinha esôfago e fígado resistentes.

Enquanto apreciava sua bebida, seus dedos da mão direita começaram a se movimentar. Será que finalmente Haeckel se divertiria em algum lugar que não fosse sua casa? A ponta dos seus dedos batucava discretamente o cinzeiro sobre a mesa, conforme a música ambiente seduzia. Ele olhava vez ou outra para os demais, procurando alguma conversa que lhe parecesse interessante, afinal, ele conseguia saber de muitas fofocas apenas se concentrando no disseminador de fatos da vez. Ainda entediado, deixou o vidro de whisky sobre a mesa e vasculhou os bolsos de sua fantasia de cavaleiro à procura de cigarro.


»»»»««««


words: 857 -- tagged: Julie Reinheart; Garçonete ruiva (NPC) -- note: Quem quiser interagir, estamos livres. – fantasia baseada nessa: Cavaleiro Medieval -- Fonte: Todo o texto é em BELL MT

Itens Utilizados:

  • Whisky de Fogo

    Usou um Whisky de Fogo.

Imagem
Brian Haeckel
Mundo Mágico
Avatar do usuário
 
Reg.: 22 de Jan de 2013
Últ.: 13 de May de 2013
  • Mensagens: 15
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 11 Pts.
  • 13 Pts.
  • 131 Pts.

Postado Por: Rafaela.


Re: Praça Central

MensagemSeychelles [#116173] por George Hogarth » 30 Jan 2013, 20:15

  • 15 Pts.
  • 16 Pts.
  • 60 Pts.
O dia não começara bem, mas graças ao otimismo constante, George sabia que aquilo não era parâmetro nenhum para o que prometia a festa daquela noite. Em poucas horas os seguranças patrimoniais do Cassino Diamonds - Classic em Guadalajara, México perceberam sua trapaça e rapidamente ele foi enxotado por três brutamontes que não economizaram nos danos físicos para colocá-lo para fora. A sua arte com as cartas era bela e minuciosa beirando a perfeição, mas desta vez as mãos de Hogarth estavam trêmulas e suadas, e sua concentração por várias vezes falhava quando ele pensava na mulher que tirava seu sono por noites e noites seguidas.“Preciso adquirir uma penseira ou vou falir”.

Com um olho roxo, marcas nos braços e com dores no abdômen o jovem e belo (sim, muito belo) trapaceiro resolveu vestir-se para a festa de carnaval organizada pelo Ministério da Magia “Ou algo assim, eu nunca sei...” - Pensou ele com desdém sofrendo para vestir aquelas roupas coloridas. Gemeu ao erguer os braços e ao se curvar para vestir a calça. Ainda em casa sentou-se na cama e amarrou os sapatos que tinham pontas curvas e enroladas para cima com pequenos guizos pendurados. Pintou o rosto de branco e colocou algumas formas geométricas coloridas para dar cara ao personagem. Com a mão esquerda enfaixada pegou o chapéu que tinha 7 pontas, cada uma de uma cor, curvadas para baixo também com pequenos sinos pendurados nas pontas. Afastou-se do espelho acertando o joelho na ponta da cama:

- P*** que pariu - E saiu pulando pelo quarto segurando a perna que latejava com a batida. Logo logo ela ficaria com mais uma marca roxa. Depois de limpar as lágrimas de dor que surgiram nos olhos, o que borrou um pouco a maquiagem, ele pensou consigo “Marcas de uma guerra que irei vencer” - Que guerra era esta ninguém sabia, mas ele estava pronto para uma batalha. “A batalha da conquista” Se a obliviadora estivesse lá ele estaria preparado – E sem cartas na manga hoje - Admirou a imagem completa no espelho grande do quarto e fez algumas poses frontais e laterais para avaliar a obra – Estou magnífico – Estufou o peito e desceu para a sala de estar. Chegou até a lareira e pegou um punhado de pó de flu do vaso que ficava ao lado. Acabou desperdiçando um pouco sujando o carpete pois o pó, que mais parecia açúcar refinado verde, lhe escapava entre os dedos.


Imagem

[…]


Já na festa e sujo de fuligem graças a viagem recente o Sr. George Bobo da Corte Hogarth caminhou para o meio da multidão que bebia, comia, dançava, pulava e cantava alegremente. Foi saudado por algumas pessoas desconhecidas que pegaram na sua mão e rodaram com ele uma ciranda deixando-o levemente tonto sem nem ter consumido nenhum gole de álcool ainda. Esbarrou em um mendigo sentado na calçada e acabou quase caindo sobre uma mesa, apoiando-se com as duas mãos no tampo, derrubando algumas taças vazias. Rapidamente se recompôs e pediu desculpas para a única pessoa que estava sentada. Curvando-se levemente ele olhou para a jovem e disse – Minhas sinceras desculpas senhoritaaa? - Foi quando ele a reconheceu. Pigarreou alto, desconcertado, pegou um copo de uma bebida qualquer que alguém carregava e ignorando as reclamações entornou em um gole, puxou uma cadeira e sentou-se sem esperar ser convidado, algo que ele suspeitava que não seria – Este seu sorriso me enche de felicidade – Disse ele olhando para a expressão séria e cortante da jovem Julie Reinheart.


Interação: Julie Reinheart;
Aberto a novas interações. Se alguém me citar ou falar comigo em algum post favor incluir que ocorreu uma interação com o meu personagem no off do post. Obrigado.

Itens Utilizados:

  • Sky Sorcery

    Usou um Sky Sorcery.

Imagem

Spoiler: Mostrar
Imagem
George Leda Hogarth
George Hogarth
Mundo Mágico
Avatar do usuário
 
Reg.: 08 de Jul de 2012
Últ.: 25 de Aug de 2018
  • Mensagens: 36
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 15 Pts.
  • 16 Pts.
  • 60 Pts.

Postado Por: Zezo.


Re: Praça Central

MensagemItalia [#116194] por Maëlle Dominick » 31 Jan 2013, 11:01

  • 15 Pts.
  • 16 Pts.
  • 116 Pts.
Ao anoitecer, sombras vagavam sobre ela, roubando-lhe um beijo como um ladrão que vem atrás de escuridão, vendo-a se despir e preparando-se para o tedioso Festival dos Delírios. A lua a espiava com seus lábios prateados, cometendo pecados sobre eles ao se verter sobre as curvas da ruiva entre as frestas da cortina de seu dormitório. Evey seria sua companheira de noite, afinal, lugar entediante com pessoas entediantes era algo muito aquém do que as amantes poderiam suportar. Maëlle trajava um lindo vestido dourado com vermelho e preto, remetendo à personagem Rainha de Copas do livro trouxa Alice no país das Maravilhas e a face era ocultada parcialmente por uma máscara de mesmo tema. Evey usava um vestido vitoriano negro com detalhes dourados; seus seios volumosos mal se continham no decote, fazendo a ruiva agarrá-la constantemente pela cintura, atrasando ainda mais a saída de ambas. A beleza se entrelaçava a cada metro quadrado de ambas, fazendo os céus a elas se renderem, os poetas a elas se deleitavam e seus sorrisos eram como sinos de prata, cujo som retirava qualquer amargor do inverno a caminho. - Não demoraremos muito; apenas para suprir as cordialidades necessárias ao meu novo cargo - dissera Maëlle- aliás, você precisa agilizar quanto ao seu, quanto menos tempo perdermos, mais rápido conseguiremos nosso objetivo - em seguida da resposta da francesa, veio as duas aparatando em direção à praça central, onde se realizava o tal festival.

Maëlle, como de praxe, realizava suas virtudes com muito trabalho alcançadas; socializava com alguns colegas do Ministério bem como pessoas influentes ligadas tanto ao seu passado como ao presente. Não demorava em cada diálogo travado, afinal, encher linguiça não era muito do seu feitio e também entediava ouvintes com assuntos fora de hora; o prazer era deixar o interlocutor sempre querendo mais e isso valia também para os amantes que faziam de seus encontros um palácio de sonhos aonde os sussurros de desejo circulavam entre as pernas e os ruges lábios entreabriam para a língua de sangue negro que dissolvia qualquer memória. Após transitar por áreas específicas do festival, Maëlle foi a Evey, que próxima à mesa de bebidas, conversava com um homem. Sem interrompê-los, apenas pegou uma bebida e ficou em pé, ladeada por um pequeno arbusto, que ocultava parcialmente o olhar da lua a ela; bebericava o líquido do copo enquanto seus olhos fitavam o tudo envolto pelas sombras noturnas que se defrontava a ela.


Imagem


Aberta à interações
Imagem
Maëlle Dominick
Mundo Mágico
Avatar do usuário
A glittering star on a sea of myriad waves
 
Reg.: 14 de Apr de 2008
Últ.: 22 de Apr de 2018
  • Mensagens: 173
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 15 Pts.
  • 16 Pts.
  • 116 Pts.

Postado Por: .


Re: Praça Central

MensagemEstados Unidos [#116200] por Julie Reinheart » 31 Jan 2013, 13:16

  • 1 Pts.
  • 11 Pts.
  • 74 Pts.
Julie permanecia sentada, observou a todos que iam chegando aos poucos e irem se espalhando pelo local, pedindo bebidas, comendo os doces e dançando. "Todos parecem bem animados." Suspirou apoiando um cotovelo sobre a mesa e a cabeça sobre a mão. Viu de longe quando um de seus funcionários apareceu no local, acenou educadamente com a cabeça e resolveu por fim pedir uma bebida para tentar fingir que estava apreciando a festa.

Após receber sua cerveja amanteigada Julie deu um pequeno gole e voltou a prestar atenção no que acontecia a seu redor. A essa hora o local já estava mais cheio e a noite mais escura, as luzes coloridas do lugar davam um ar alegre que contrastava a expressão da jovem mulher. "Porque eu tive de ir na maldita festa de Halloween?" Se repreendeu mentalmente, pois sabia que só estava tão interessada em observar tudo ao redor e principalmente as pessoas que chegaram por que queria vê-lo. - Eu devo estar doente. - Murmurou baixinho para si mesma enquanto dava mais um gole em sua cerveja.

Com um sobressalto Julie viu um homem com uma fantasia colorida e ridícula, na opinião da jovem, vir aos tropeços e quase caindo em sua mesa, quando ele a olhou para se desculpar o coração da mulher falhou uma batida e em seguida se acelerou de uma forma que ela nunca experimentara antes. "Mas já está bêbado." Pensou com raiva e lançou-lhe um olhar penetrante que o fuzilava ao mesmo tempo. Sem tirar a expressão rígida e cortante seguiu os movimentos do homem com olhos verdes brilhantes de raiva e ao mesmo tempo decepção enquanto ele pegava um copo de uma bebida qualquer de alguma pessoa atrás dele, ignorando as reclamações e sentou-se sem ser convidado à sua mesa. "Impertinente." Ralhou mentalmente e ouviu a doce voz de George Hogarth penetrar seus ouvidos com uma brincadeira sobre o sorriso que Julie tinha certeza que ele nunca vira em seus lábios.

- Que bom que está feliz, pode se juntar ao resto da festa agora. - Sua voz fora seca e cortante, mas apesar de sua aparência e do jeito automático de defesa em repeli-lo seu interior gritava para que ele ficasse e a beijasse novamente como no Halloween. "O que ele está fazendo comigo?" Se perguntou sem entender a reação que ele estava provocando nela.


Interação: George Hogarth Citados: Brian Svantec Haeckel
Aberto a outras interações!

Itens Utilizados:

  • Cerveja Amanteigada

    Usou um Cerveja Amanteigada.

Editado pela última vez por Julie Reinheart em 31 Jan 2013, 22:27, em um total de 1 vez.
Julie Reinheart
Mundo Mágico
Avatar do usuário
In fact you can keep everything, except for me!
 
Reg.: 21 de Mar de 2012
Últ.: 10 de Nov de 2016
  • Mensagens: 101
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 1 Pts.
  • 11 Pts.
  • 74 Pts.

Postado Por: Pri.


Re: Praça Central

MensagemReino Unido [#116207] por Zoey Bloom » 31 Jan 2013, 16:21

  • 2 Pts.
  • 20 Pts.
  • 44 Pts.
Eu estava tão animada com a festa que passei uma semana inteira procurando a roupa perfeita. Queria me destacar de todos e achar algo que prendesse a atenção de Ryan. Sendo assim, pensei em algo que lembrasse, ainda que vagamente, uma fada: um corselete justo e uma saia nas cores preto e verde com detalhes em prata, onde combinavam com os brincos de Lua Cheia e a gargantilha com pedras verdes, sandálias de salto alto prata, com fitas até o joelho e, obviamente, as asas, no formato de asas de borboleta, mas nas cores prata e vermelho, porque eu sei que isso vai chamar a atenção do Ryan. "Ele adora vermelho". Sorri para mim mesma enquanto prendia meus cabelos vermelho sangue, deixei alguns fios presos com uma fivela em formato de Lua Cheia, e deixei caído nas costas em longos cachos o restante. Meus olhos cinza fizeram um contraste com a maquiagem prata e verde que fiz. A minha mascara tampava apenas metade do meu rosto e ficava alterando as cores.

Chegado o dia, me arrumei toda ansiosa querendo chegar o mais rápido possível, pois como Ryan também faz parte do Ministério ele é obrigado a ir, só que eu não sabia que horas ele iria e como estaria vestido, além de eu ter que ficar prestando atenção em TODAS as criaturas mágicas. Havia poucas pessoas quando cheguei, cumprimentei a todos e fui para o bar pegar um suco. Ali eu tinha visão de todo o lugar e notaria quando Ryan chegasse. Pouco depois percebi um cara sentado de costas para todos com capuz e uma cerveja na mão e o copo esquecido na mesa. “Ryan” Ele é o único que não usa copos para beber cerveja.

Fui até ele, mas ele só me notou quando eu tirei a mascara. Com certeza ele ficou surpreso, pois ficou algum tempo me olhando de boca aberta. Ele olhava nos meus olhos como nunca havia olhado antes. “Isso, as asas funcionaram perfeitamente!" - Sério que eu fiz você ficar sem palavras? Que maravilha! Demorei horas para me vestir! Como estou? E não minta! _Eu disse toda sorridente, ele não parava de me medir. Seu rosto de surpresa ficou severo e fiquei grata por ele parar de jogar as coisas na minha cabeça, mas também fiquei com medo de sua reação.

- Acho que já bebi minha cota por hoje, pois estou achando você bonita, então certamente estou bêbado. _ disse Ryan e começou a rir e a sair da mesa.

-Vindo de você vou considerar uma grande evolução e um elogio, obrigada! Ah não vá, acabei de chegar e você ainda nem dançou comigo. Vamos, eu pago uma bebida pra você! _ e comecei a me enroscar em seu braço e a fazer beicinho. Ele parou e pensou um pouco antes de responder:

- UMA bebida, uma música e você me deixa em paz pra sempre?

- Para sempre não, mas pelo restante da noite... talvez! _ ele não chegou a ouvir o final, mas sorriu mesmo assim.

- Tudo bem então Bloom, sei que não vou me livrar tão cedo de você mesmo. Mas antes de dançar com você preciso beber.

- Ai, ta bom Suliver, mas por favor, não vai passar mal em cima de mim, odiaria estragar minha roupa. _ e saímos em direção ao bar.



@Ryan Suliver
Give me more!
Editado pela última vez por Zoey Bloom em 10 Fev 2013, 19:11, em um total de 1 vez.
Imagem
Imagem
Zoey Bloom
Mundo Mágico
Avatar do usuário
Gintare Urbikaite
"Não me arrependo das coisas que eu fiz... me arrependo apenas daquilo que deixei de fazer!"
 
Reg.: 12 de Jan de 2013
Últ.: 03 de Jun de 2020
  • Mensagens: 295
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 2 Pts.
  • 20 Pts.
  • 44 Pts.

Postado Por: Niica.


Re: Praça Central

MensagemDinamarca [#116229] por Klaus von Baudelaire » 31 Jan 2013, 22:02

  • 20 Pts.
  • 11 Pts.
  • 37 Pts.
A Cama, que outrora parecera tão pequena, agora parecia extremamente grande e espaçosa até para os parâmetros do meio-gigante Klaus, dos Baudelaire. A esposa, com quem estivera casado por mais de 12 anos, o deixara. O desemprego e a depressão que o assolaram devastaram o casamento, já fragilizado pelas constantes brigas com a família da esposa, que não aceitava o casamento com um homem como ele, com um homem deformado. Homens grandes como ele não eram muito bem aceitos pela sociedade e com isso acostumou-se a passar despercebido, mesmo com todo o seu tamanho, sempre sentado ou encostado nos cantos distantes.

O Convite de carnaval chegou durante o seu desjejum. Uma coruja cinza claro pousou na mesa derrubando o leite por sobre a madeira da mesa, que rapidamente escureceu e o absorveu. Sem se preocupar com a bagunça Klaus pegou a carta da coruja, levantou-se e a soltou pela janela. Em suas mãos estava um convite do Ministério, onde ele já trabalhara, para um evento carnavalesco em algum lugar do Mundo Mágico. Ele leu enquanto descascava a sua manga e bebericava o seu hidromel. Bebidas alcoólicas estavam presentes em todas as refeições do dia do gigante desde a separação. Dava a ele um calor interno que o amor distante não podia proporcionar.

- Hum... Carnaval ein... - Disse ele com uma voz mais rouca que o de costume, uma voz que a um tempo ele não utilizava. Estava trancado em casa a quase 3 meses e só abria a boca para falar com o leiteiro, e nada além de um seco “Obrigado”. Pegou-se pensando "...“Será se ela recebeu um convite como este? Será que ela vai?”..." A possibilidade de encontrá-la o deixou novamente animado. Seria um encontro casual, eles estariam apenas no mesmo lugar, nada forçado, nada programado, apenas corriqueiro e inesperado. – Assim ela precisa pensar. – E finalmente, depois de muitos meses ele sorriu. Correu até o quarto que ficava no último cômodo da casa fazendo chover poeira a cada passo pesado e largo que dava. O Teto da casa era muito alto, um pé direito de 3,5m para permitir que ele andasse com tranquilidade.

- Roupas coloridas, roupas divertidas. – Klaus estava animado com a ideia. A dança, a música e os convidados ficaram para total segundo plano, em primeiro estaria ela, a mulher que ele mais amava. Ele precisava mostrar que estava bem, que estava seguindo em frente, e que podia voltar a ser um bruxo bem sucedido. Tirou a camisa e olhou para baixo. Estava, dentro do possível, magro. Não tinha aquela barriga sobressalente e nem pelancas caindo pelos lados. Com um pouco de exercício "...“Levantamento de vacas gordas talvez”..." - pensou ele. "..."Posso voltar a velha forma. Depois eu passo na chacará do velho Terroth e uso as vacas dele como peso”...."

Usando trapos coloridos com várias formas geométricas, alguns costurados magicamente por ele aquela tarde, ele resolveu ir para a festa. Passou muito perfume para tentar disfarçar o cheiro de naftalina das roupas, pegou a sua vassoura adaptada com feitiços de fortalecimento para aguentarem o seu peso e voou para a festa. Encontrou um ambiente barulhento e já abarrotado de pessoas. Em uma das esquinas estacionou a sua vassoura e utilizou nela o feitiço Ilusio para evitar que ela fosse notada e roubada.

Aproveitando-se do seu tamanho ele contornou o evento. Procurou, procurou e procurou tentando chamar, inutilmente, o mínimo de atenção possível para si. Eram muitas pessoas, quase todos fantasiados com o rosto coberto. Ele teria que esperar ser visto, para isso precisava ficar em pé (não que ele não chamasse atenção sentado). Foi quando ele percebeu uma moça desconhecida de cabelos ruivos intensos. Era provável que ela o visse e imediatamente corresse daquele imenso ser colorido, mas mesmo assim ele arriscou puxar uma conversa.

- Noite animada você não acha srta? - Finalizou estendendo aquela mão enorme em direção a moça esperando que ela apertasse.

:: Interação: Maëlle Eisenhauer Dominick;
Comentário: Então, vou entender se a Maëlle sair de perto do Klaus. Qualquer atitude será bem recebida, gosto de situações inesperadas. ::
Feitiço: Ilusio[dificuldade: 18];
Descrição: Feitiço da Desilusão. Transforma o alvo em uma espécie de camaleão para dificultar a localização.

Itens Utilizados:

  • Ingrediente p/ Poção - Manga

    Usou um Ingrediente p/ Poção - Manga.

  • Hidromel

    Usou um Hidromel.

  • Vassoura: Comet 1000

    Usou um Vassoura: Comet 1000.

Klaus Von Baudelaire
Klaus von Baudelaire
Mundo Mágico
Avatar do usuário
Procurando verdades nos traços da mentira... (J.Turrini)
 
Reg.: 08 de Dec de 2009
Últ.: 25 de Aug de 2018
  • Mensagens: 67
  • Nível:
  • Raça: Meio-Gigante
  • Sexo: Masculino

Rolagem dos Dados:
  • 20 Pts.
  • 11 Pts.
  • 37 Pts.

Postado Por: Zezo.


Próximo

Voltar para Armario de Vassouras

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante