Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Felicidade Jian-Yin Lee 479 23/05/2020 às 22:05:02
Recomeço Jian-Yin Lee 2594 13/03/2020 às 16:50:15
22/02/2020 Duncan Cullen 2982 22/02/2020 às 15:27:50
Diário do Josh - Últimos dias antes da escola. Joshua P. A. Nolan 7054 17/01/2019 às 11:12:01
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 6420 22/11/2018 às 18:19:24

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

[Algum Pub ainda sem nome] - [França]

[Algum Pub ainda sem nome] - [França]

MensagemInglaterra [#156982] por Karleen Grace Dymék » 08 Fev 2016, 11:55

  • 17 Pts.
  • 10 Pts.
  • 106 Pts.
Intelectualmente falando, a melhor razão para estar sem a companhia de Nikolaus em uma noite na França era a possibilidade de aumentar ainda mais o contato e dinâmica referente a língua francesa. Intencionalmente falando, buscava descanso. A medida que os tempos de faculdade aproximavam-se do fim, mais e mais o ritmo do dia a dia da morena se intensificava; misturar tempo de estudo com tempo de trabalho, incluindo relaxar com amigos e aproveitar a companhia de Nik, era realmente exaustivo. Reservara àquela noite um programa muito diferente do comum, mas ainda assim extremamente agradável, sabendo que seria divertido. O que desejava era poder sentar numa poltrona confortável com um drink em mãos enquanto aproveitava uma boa música ao vivo. E sabia exatamente onde encontrar aquilo.

Comumente falando os locais na França são conhecidos pela elegância e requinte, todavia aquelas eram duas palavras não listadas na busca de Karleen. O local que tinha em mente era uma mistura do Século 21 com o atraso Bruxo, nada mais nada menos que um pub voltado a pessoas capazes de realizar magia. Isso não significava, claro, que não fosse relativamente moderno, com uma TV apta para uso de acordo com os clientes e uma plataforma pequena em frente as meses onde bandas bruxas costumavam fazer aparições recorrentes. Não exatamente o melhor local caso estivesse a procura de uma boa comida, mas com certeza um dos melhores pubs bruxos no que dizia respeito à bebidas. Bem... Ao menos era assim que pensava sobre aquele local em especial. E para lá que ia, no maior estilo bruxo de ser, ao pegar um táxi perto do Ministério Francês.

Adentrar o pub não era uma tarefa difícil, todavia fazia-se necessário certo conhecimento para encontrá-lo (principalmente no escuro). A terceira porta entre um conjunto de sete casinhas velhas, mas não caindo aos pedaços, além de ser preciso bater cinco vezes - duas vezes rápido e três batidas lentas - para ser recepcionada/o. Foi o que fez, um pouco desconfortável pelo frio, mas sabendo que ele iria embora assim que entrasse. ─ Boa noite, Emmet! Ainda a procura de um trabalho que ofereça aumento? ─ Sorriu enquanto dirigia-se para o bar, na intenção de cumprimentar o amigo que iniciou seu naquele ambiente há alguns anos, tendo sido ─ até onde sua memória permitia-a que se lembrasse ─ um ano após começar a frequentar o espaço. No caso, tinha 17 quando começou, então conhecia Emmet mais ou menos há cinco. ─ Não se preocupa, você encontra. Então... O que tem pra hoje?

A noite ficou relativamente mais animada ao saber que uma banda famosa no Mundo Bruxo faria uma apresentação no local, conhecida pelo estilo simples e favorável às massas ─ ainda que os mais velhos costumassem reclamar do som. Isso significava pegar algo simples para beber, talvez Cerveja Amanteigada mesmo, e aproveitar o show enquanto fosse possível. Não tinha uma hora exata para voltar pra casa e não era sua intenção fazê-lo tão cedo, sendo assim achou uma mesa próxima ao palco ─ depois de cumprimentar outros sete conhecidos ─ e relaxou.

Música era, de todas as formas, uma maneira de acalmar a alma e a mente. Karleen tinha um gosto que podia ser considerado eclético; aproveitava quase todo tipo de som, e eram poucos os que desgostava. Podia ouvir músicas mais lentas, quase clássicas, enquanto lia um livro difícil, ou ligar o som em músicas que exigiam da sua atenção e reflexão quando desejasse focar os pensamentos em algo que não fosse o próprio dia a dia. Se convidada por amigos ou amigas, não se importaria em ouvir pop ou rock trouxa/bruxo. Sendo assim, deixou-se acompanhar a animação do ambiente enquanto a banda fazia sua apresentação. Sentava sozinha, infelizmente, e não havia com quem conversar por perto, portanto ocupou-se num murmúrio sem som das letras das músicas que eram tocadas. Algumas famosas no mundo trouxa, outras no mundo bruxo, e mais umas quatro ou cinco que vinham dos próprios musicistas.

***


Relaxou até apontarem diretamente para si. Estava prestando atenção no palco, claro, portanto percebeu quando o vocalista apontou o dedo diretamente para ela, em seguida fazendo um gesto para que fosse até o palco. Só teve tempo de arquear a sobrancelha antes que duas pessoas comentassem que ela deveria ir. Bem, não estava acostumada a subir no palco de artistas mais ou menos familiares, todavia o que tinha a perder fazendo-o? Duvidada que exigissem que dançasse e até onde sabia seu canto não era muito ruim, já que Luna teve um período na adolescência de ter aulas de canto a qualquer custo, arrastando a melhor amiga ─ ela ─ consigo. E só quando pisou o pé no palco percebeu que outra pessoa era chamada; uma morena muito bonita e provavelmente mais jovem. Não teve tempo de reparar em sua expressão quanto ao chamado, mas enquanto a garota se levantava para ir até lá não pode deixar de compartilhar um olhar de quem diz "Se temos de fazer isso, ao menos vamos fazer valer, né."

E a próxima coisa que sabia era que estava cantando junto a uma banda bruxa familiar aos trouxas e uma garota bonita/jovem desconhecida.


Spoiler: Mostrar
Tô sem contagem de palavras no programa do note e achei que ficou bom o post já .pensa Essa última frase eu desenvolvo em um ou dois parágrafos próximo post o/ E não conheço muito a Day, por isso escolhi não narrar nada muito referente a ela, próximo post desenvolvo isso também.


Well, here it is, Nine o/
Imagem
Spoiler: Mostrar
Imagem
Sim, são os olhos da Kar, obvio; sim, o nome disso é "Heterocromia completa"
Karleen Grace Dymék
Mundo Mágico
Avatar do usuário
There is no such thing as paranoia. Your worst fears can come true at any moment.
 
Reg.: 08 de Feb de 2015
Últ.: 25 de May de 2020
  • Mensagens: 112
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 17 Pts.
  • 10 Pts.
  • 106 Pts.

Postado Por: Mah.


Re: [Algum Pub ainda sem nome] - [França]

MensagemEstados Unidos [#158683] por Dayana Fountcher » 29 Fev 2016, 00:30

  • 6 Pts.
  • 12 Pts.
  • 55 Pts.


Em cima da mesa com tampo de vidro no centro da sala, havia uma pequena bagunça. Vários giz de ceras quebrados e folhas riscadas e outras brancas espalhados pela superfície, onde uma criança se equilibrava enquanto brincava de fazer arte.

Já Dayana se encontrava deitada ocupando todo o sofá e o noivo sentado no chão em cima do tapete felpudo, olhando o filho que estava de costas para ele, entretido com a atividade. Fountcher os olhava, levemente entediada e sonolenta. Não que ambos não fossem boas distrações ou que por muitas vezes ela não tenha se deliciado em admirá-los por horas e horas, mas naquele dia em questão, a menina, desde manhã, estava levemente angustiada.

Era um dia de folga de Fountcher e seu noivo estava de férias. Dayana, nesse mesmo dia, descobriu que haveria uma noite especial em um pub famoso em Córsega, cidade onde a família morava; fato que a deixou empolgada pela ideia de fazer algo diferente e em se divertir como havia meses que não fazia - com um toque de uma leve saudade que sentia das raras 'baladinhas' das quais participou com a sua meia irmã Eileen Roosevelt. E, com essa breve ansiedade e animação, Fountcher já tinha planejado tudo. Para onde ela e o noivo iriam, as roupas, como iriam e que horas voltariam, contudo, houve um pequeno empecilho. Dayana estava crente que Bernard não ficaria desamparado, vide a gama de pessoas que o amavam e o mimavam, contudo, surpreendentemente e bem naquela noite em questão, não havia ninguém que poderia ficar cuidando do bebê para que o casal pudesse sair juntos. Naquele dia, Arisha estava responsável por outra criança; Charles estava longe, aproveitando um pedaço do período de férias junto de Kamille; os pais de Darian estavam em um evento; Eileen misteriosamente sumiu por vontade própria em algum tipo de expedição; entre outras alternativas falhas que só fizeram o casal desanimar e desistir, já que era inconcebível deixar o bebê sozinho em casa. Entretanto, em vez da menina se conformar, a americana sentia-se agitada e a sua teimosia fazia-a rolar no sofá com o pensamento de como o mundo era injusto. Toda hora tinha alguém naquela casa e principalmente para ver Bernard. Por que, justo quando a jovem precisava, não tinha ninguém disponível? Suspirou com raiva, todavia, no segundo suficiente para tomar uma decisão, a menina se levantou do sofá e deixou os dois sozinhos na sala de estar, se dirigindo ao andar de cima em direção ao quarto do casal.

Não era como se ela estivesse cansada da vida que levava, pelo contrário, era muito feliz com os dois, mas ser mãe e dona de casa era difícil, principalmente para uma pessoa exigente como ela. O que Dayana queria, na verdade, era apenas um dia folga, e estava extremamente irritada por, na hora em que ela queria, não poder tê-lo. Contudo, aquele breve segundo deitada no sofá, fez a menina tomar uma decisão que mudaria aquilo. Dentro do seu quarto, a roupa que escolheu para sair ainda estava estendida na cama. Se trocou, arrumou o cabelo como pôde e usou da maquiagem da melhor forma. Depois, voltou a descer as escadas na mesma velocidade com a qual subiu, munida de um sorriso radiante quando Darian olhou para a noiva, ela com o seu look preto e enormes botas acima do joelho.
- Eu vou sair  e você vai ficar com o Benny. - Disse quase como uma ordem e sem se prolongar com qualquer justificativa, saindo porta afora como se tivesse apenas avisado a um eventual colega de quarto.

O pub era bem próximo da sua casa e, mesmo que fosse à noite e estivesse desacompanhada, estava munida de sua varinha contra qualquer babaca que se atrevesse a mexer ou ameaçar a bonita garota. Depois de uma caminhada por cerca de quinze minutos, ainda sim, sentindo-se confortável em seus saltos, a menina encontrou o endereço do lugar e, como uma bruxa convidada, sabia dos códigos de acesso ao local.

A sua intenção de ir e estar naquele pub era para apenas espairecer a cabeça e se distrair um pouco, sem saber quais eram os reais atrativos do lugar, correndo o risco de iniciar uma noite que no final poderia até ser entediante, contudo, como estava com vontade de mudar a sua rotina por ao menos um dia, ela sabia que valia a pena se arriscar. Pegou uma bebida chamada Piña Exuma. Pelo anúncio do palco, parecia que a galera ali estava aguardando a apresentação de alguma banda famosa entre eles. O público que aguardava era de pessoas com idades e estilos variados, dando ao local mais um aspecto familiar do que algum point da cidade ou um local de encontro de algum grupo em específico. Dayana não se preocupou, de primeiro momento, a fazer amizade ou a se enturmar com qualquer pessoa, sendo que seus olhos estavam mais concentrados no grupo que naquele momento parecia se aprontar para a então apresentação da noite.

Fountcher desde criança adorava o palco, e não era mentira dizer que no fundo sentia um breve lamento por não ter seguido alguma carreira artística. Quando pequena, sua mãe sempre angariou esforços para fazer da filha uma grande dançarina, e nos tempos atuais, Fountcher entristecia-se um pouco por saber que, como Diana, também havia perdido muitos passos e técnicas. Todavia, o palco naquele dia não receberia um grupo de dançarinos, por mais que também fosse um ambiente para tal, e logo a banda soltou as suas primeiras cordas e vocais, fazendo a pequena plateia cantar junto com eles, sendo que Day não ficou para trás, reconhecendo o cover de prontidão.

Por isso que era fácil dizer que, quando a vibe era boa, o local, a música e a uma bebida na mão; tudo contribuía, e não era necessário qualquer outra coisa para se divertir em uma 'baladinha' ou em um pequeno espaço daquele bar como era o caso. Fazendo-se jus ao que levou a morena até ali, que era nada mais do que descansar um pouco da rotina que se estabeleceu em sua vida, depois de tomar todo o conteúdo de seu copo, a menina pôs-se a dançar sozinha e a cantar no meio daquelas pessoas ao ponto do próprio vocalista que apresentava talvez a sua terceira música, achar que Dayana estava se divertindo demais ao ponto de chamá-la para subir ao tão estimado palco. De início, a americana dançava tão loucamente em frente do tablado que não percebeu a investida divertida do jovem de cabelos cacheados. Quando reparou no convite com o incentivo dos demais convidados, Fountcher aceitou o apoio que a ajudou subir no estrado, vendo-se perto do ''carinha'', dos demais integrantes da banda e ao lado de uma outra jovem que também fora escolhida entre a plateia exclusiva do local. Sorriu para a sua então parceira sem um pingo de nervosismo e extremamente a vontade e feliz no palco, como se a estrela da noite desde o começo tenha sido ela e não a banda da qual a garota nem sabia o nome. Contudo, por um momento, Dayana juntou as sobrancelhas para a repentina parceira, em dúvida se ainda se lembrava da letra da melodia que a banda começava a tocar, entretanto, logo as palavras vieram com a ajuda da outra morena, e os olhos negros se voltaram para o público curioso a saber se aquelas duas iam divertir a galera ou surpreendê-los.

O que em sua juventude Fountcher teve de dançarina, ela não tinha de cantora, então, apesar de a sua empolgação de estar em cima do palco, a menina deixou que a sua voz saísse quase tímida, mas ao menos satisfatória para os ouvidos presentes. O real vocalista da banda assistia tudo sentado na plataforma que sustentava a bateria, enquanto a colega de Dayana também arriscava a soltar a voz. Os olhos da morena encontraram o da outra brevemente, e a americana sorriu em cumplicidade, divertindo-se enquanto as duas aguentavam o pique até o final da música. Quando ambas acabaram, a galera gritou animada e os integrantes da banda aplaudiram as duas belas garotas que o vocalista escolheu para a breve apresentação. Claro que a americana teria gostado de continuar a fazer qualquer outra coisa ali em cima, nem que fosse para ficar somente pulando enlouquecida, mas depois da música, as meninas se viram descendo juntas para que a banda desse prosseguimento na animação da noite. Ademais, a morena não pôde negar que sentiu uma pequena sensação de êxtase depois da brincadeira.
- Foi divertido, não foi? - Disse com um largo sorriso, pensando se não haveria um jeito dela ou até as duas voltarem para lá, contudo, optou por outro tipo de diversão que ao menos não iria atrapalhar a apresentação dos simpáticos rapazes. - … Preciso beber alguma coisa.. Você está com alguém? - Perguntou em um convite velado, pois, se ela estivesse sozinha, Day de bom grado aceitaria uma companhia, ainda mais, antes da ideia de só querer beber, não seria nada mau terminar a noite enchendo a cara com alguém.





Vestes: Here;
Música: Rollercoaster - Bleachers feat. Charli XCX

Itens Utilizados:

  • Piña Exuma

    Usou um Piña Exuma.

Imagem
Dayana Fountcher
Special Mundo Mágico
Avatar do usuário
Selena Gomez
Na quietude do fim da tarde. Quando o sol já teve o seu dia. Eu escutei a sua voz murmurando: New York, New York...
 
Reg.: 19 de Jul de 2009
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 351
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 6 Pts.
  • 12 Pts.
  • 55 Pts.

Postado Por: Nine.


Re: [Algum Pub ainda sem nome] - [França]

MensagemInglaterra [#159091] por Karleen Grace Dymék » 05 Mar 2016, 12:45

  • 11 Pts.
  • 18 Pts.
  • 48 Pts.
Foi com certa surpresa que Karleen constatou ter sido a guia durante a música; isto é, sua companheira de canto precisou de um leve empurrão - ou seria indicação? - para iniciar a própria cantoria, logo em seguida as duas formando um coro de voz que em muito a divertia. A morena não sentia-se extremamente confortável naquele palco, com todos olhando para si e na expectativa, todavia ao ver que a companheira sem nome soltava-se e se deixava levar pela música ela fez o mesmo, aproveitando que era uma oportunidade única e a platéia parecia responder muito bem ao som que as duas faziam. No final já estava com uma leveza enorme e acompanhava o ritmo como se estivesse lá para isso, mesmo que fosse acabar assim que a música terminasse, ao menos tinha se divertido e valeu a pena aceitar o convite. Poderia levar sem problemas umas músicas extras, mas asbia que não seria possível e logo constatou que uma outra maneira de fazer aquela noite valer era convidar a menina para fazer alguma coisa. Tinha notado-a sozinha quando a chamaram, talvez quisesse companhia.

O que provou-se verdade. Assim que desceram ela - Dayanna, ainda que não soubesse seu nome por enquanto - questionou não apenas o que tinha achado da experiência como também convidou-a para tomar alguma coisa. Karleen conhecia muito bem as bebidas que eram oferecidas naquele ambiente, assim como aquele que as servia, então defintivamente não era um problema e com certeza muito mais divertido que ficar sentada sozinha, afinal ela também viera sem acompanhantes para o barzinho. - Bem mais do que achei que seria num primeiro momento, confesso. - E compartilhou do sorriso com a outra morena, realmente sentindo-se feliz por ter aceitado e ido até o final com a experiência, os dedos ainda formigando pela sensação de satisfação que seguiu-se ao final, enquanto desciam o palco, e as pernas ainda um pouco trêmulas, sinais do nervosismo que continuara ali mesmo tendo esquecido-se dele durante a música. - O mais próximo de companhia que tenho aqui é o bartender, e aposto que ele nos vê algumas bebidas de graça depois dessa apresentação. Quer ir lá? - Engraçado como surgiu com um convite em resposta a outro convite, os dois tendo o mesmo sentido e logo dirigiram-se para a área que apontara quando terminou de falar.

- Hey, girls. Showzaço, hein. Duvido que meu gerente aceitaria que passassem por aqui sem beber alguma coisa por conta da casa. - E piscou para ambas, movimentando-se por alguns instantes. Foi o bastante para Karleen virar-se para a mulher, analisando-a por alguns instantes, percebendo o cansaço - agora não tão acentuado após o momento de diversão - que fazia-se presente pelo rosto, principalmente a testa. Ia apresentar-se quando Emmet chegou carregando duas bebidas, entregando um copo para cada, e pegou-o sem muita cerimônia. - Sou Karleen. E ao ótimo começo da noite. - Piscou para a possívelmente nova amiga enquanto levava o copo para cima, brindando e levando-o aos lábios. Reconheceu no mesmo momento qual era o drink e sentiu vontade de agradecer o bartender, mas este já havia saído para recepcionar alguns outros clientes.

- Ótimo pagamento pelo nosso esforço. Acredite se quiser, primeira vez que me apresentei na frente de tanta gente... ao menos cantando. E foi bem divertido. - Riu, lembrando-se de um momento na música em que tropeçara nas palavras e entendeu que precisava continuar independente disso, voltando ao nível de animação num espaço tão pequeno de segundos que só podia ser reflexo do quanto se divertia. - Veio aqui pela bebida, apresentação ou só pra relaxar, mesmo? - Perguntou com um pouco de curiosidade, instigada pelo porquê de alguém provavelmente mais jovem que ela, mas aparentemente muito mais cansada, estava fazendo ali. E independente do que fosse fazia Karleen feliz saber que ela estava se divertindo (até porque mesmo a morena precisava de seus momentos de descanso hora ou outra, a exemplo aquele).


Spoiler: Mostrar
Pequenino e simples, não com tanta qualidade quanto eu gostaria, mas gostei do resultado o/ Como não conheço muito a Day não quis fazer algo aprofundado, mas penso que ficou legal =3

Itens Utilizados:

  • Dobby Lemon

    Usou um Dobby Lemon.

Imagem
Spoiler: Mostrar
Imagem
Sim, são os olhos da Kar, obvio; sim, o nome disso é "Heterocromia completa"
Karleen Grace Dymék
Mundo Mágico
Avatar do usuário
There is no such thing as paranoia. Your worst fears can come true at any moment.
 
Reg.: 08 de Feb de 2015
Últ.: 25 de May de 2020
  • Mensagens: 112
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 11 Pts.
  • 18 Pts.
  • 48 Pts.

Postado Por: Mah.


Re: [Algum Pub ainda sem nome] - [França]

MensagemEstados Unidos [#159121] por Dayana Fountcher » 06 Mar 2016, 00:35

  • 3 Pts.
  • 16 Pts.
  • 48 Pts.



… Intenção que parecia que viraria realidade quando a sua companheira de vocal sugeriu que talvez o bartender do lugar fosse oferecer bebidas de graça às duas garotas por conta da apresentação. Não que a intenção inicial ao sair de casa fosse realmente acabar bêbada naquele bar, todavia, era possível dizer que aquela era uma alternativa a ser pensada e que, com certeza, seria considerada por nossa jovem americana.
- Vamos sim! … E seria justo que o pagamento da nossa breve apresentação fosse em álcool. - Concordou rindo, enquanto a seguia para o bar do lado oposto a do palco.

Chegaram perto do largo balcão de mogno escuro, e foram recebidas pelo simpático bartender - aparentemente, todas as pessoas dentro daquele local pareciam ser legais - que não fez outra coisa, além do que Karleen sugeriu, que foi nada mais do que oferecer às duas jovens, dois copos de bebida em agradecimento pelas meninas terem recebido bem a proposta do vocalista da banda que naquele momento cantava, quando o mesmo ofereceu o palco às meninas.

Curiosamente, o responsável pelos drinks entregou outra dose da mesma bebida que Dayana pegou quando entrou naquele bar. Se foi por coincidência ou boa memória, a morena não soube dizer ou perguntar, vide as pessoas que o garoto tinha que atender em vez de poder parar para conversar com as moças ao ponto de fazer a jovem, se não outra coisa, se voltar para a sua companheira da noite.
 - Ah sim, me chamo Dayana. Desculpe por não ter me apresentado antes…- Disse, ainda que estivesse distraída com o ambiente e com a música. - … Ah, vim porque faz tempo que não saio de casa para fazer qualquer coisa diferente do que trabalhar ou ser dona do lar… Adoro isso tudo. Música alta, bebidas e pessoas, mas quem me vê no dia a dia diria o contrário, que não sou assim, tão festeira. E você? Estava sozinha por quê?… Se é que posso lhe perguntar. Meu noivo não pôde vir comigo e todos os meus amigos resolveram ter um programa hoje sem mim, antes que também me pergunte.- Comentou dando sequência a conversa. Em seguida, deu um gole no delicioso drink, sentindo-se relaxada e percebendo que logo a adrenalina que veio da apresentação no palco começou a se esvair rapidamente, deixando-a com um sorriso sereno, ao ponto de parecer que o álcool com abacaxi também, finalmente, levava a sensação de peso que a rotina diária lhe impôs sob as suas costas, o que, como mostrou para o alívio de Fountcher, o intento de passar à noite naquele bar, afinal, estava dando certo.  




Vestes: Here;
Música: Diane Young  - Vampire Weekend.

Itens Utilizados:

  • Piña Exuma

    Usou um Piña Exuma.

Editado pela última vez por Dayana Fountcher em 16 Mar 2016, 23:05, em um total de 1 vez.
Imagem
Dayana Fountcher
Special Mundo Mágico
Avatar do usuário
Selena Gomez
Na quietude do fim da tarde. Quando o sol já teve o seu dia. Eu escutei a sua voz murmurando: New York, New York...
 
Reg.: 19 de Jul de 2009
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 351
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 3 Pts.
  • 16 Pts.
  • 48 Pts.

Postado Por: Nine.


Re: [Algum Pub ainda sem nome] - [França]

MensagemInglaterra [#159130] por Karleen Grace Dymék » 06 Mar 2016, 12:58

  • 2 Pts.
  • 8 Pts.
  • 133 Pts.
Para Karleen o ambiente em que estavam não podia ser melhor; aquele bar em especial era extremamente confortável para a morena, talvez pela decoração apropriada para aqueles que queriam tanto uma noite relaxante quanto se divertir um pouco. Havia o palco, onde a banda continuava a apresentar-se, e um espaço para dança, que naquela noite em especial não estava tão cheio quanto o costume. Não havia tanta gente circulando e era fácil reconhecer alguns dos clientes mais assíduos, já que a noite não atraíra pessoas novas por não haver novidades muito grandes naquele dia. Fora um dos motivos pelo qual Karleen escolheu ir naquele em especial e percebeu logo que não haveria arrependimentos, especialmente quando encontrava-se bebendo com uma moça divertida em que compartilharam o palco há alguns minutos. Era bom estar ali, relaxando e descansando de tudo, da vida corrida que submetia-se dia após dia, e que na verdade também não se arrependia por, mas mesmo assim era ótimo encontrar um tempo para si. Era jovem, afinal, e precisava mesmo aproveitar a vida, especialmente quando não haviam motivos para não fazê-lo.

Talvez não fosse muito legal de sua parte, mas a resposta de Dayanna deixou-lhe relativamente curiosa; não a parte do trabalho ou do noivo, afinal não havia porque espantar-se, levando em conta que ela não apenas estava para terminar os estudos de “Law”, como trabalhava em Hogwarts e mantinha um namoro há mais de um ano, já morando com o rapaz, mas sim a parte do dona de casa. Por que alguém tão jovem nomeava-se dessa forma era um mistério, mas de qualquer maneira não seria ela a fazer suposições e, caso viesse a saber a resposta, julgar. Pelo contrário, desde que a pessoa estivesse feliz e não fazendo coisas contra a lei ou desse tipo estava ok para si. E não era trabalho dela se meter na vida alheia, só quando lhe era pedido. E focando na parte da resposta que fez com que se relacionasse com a companhia era que sentia-se da mesma forma... O dia a dia pedia uma maneira mais séria de portar-se, mas nada melhor que deixar o cabelo solto por uns tempos e divertir-se naqueles espaços mais animados.

- Dando uma folga da vida corrida, pra dizer a verdade. Mistura faculdade trouxa, emprego de bibliotecária em Hogwarts, relacionamento sério e poucas horas de sono... Achei que seria divertido pegar algumas horas para mim, relaxar da maneira que eu gosto, que é como você. Não que aqui seja o ambiente mais festivo da terra, às vezes tenho a impressão que bruxos não sabem se divertir tanto quanto os trouxas, mas é bom pra deixar a cabeça tranquila. - Deixou um sorriso vir aos lábios, levando mais um pouco do drink a estes, aproveitando a sensação boa que era a bebida escorrendo pela garganta, independente de quais fossem os efeitos nos tempos seguintes. - Minha melhor amiga está trabalhando, ela vive fazendo plantão no hospital, e meu namorado nem deve saber que saí ainda... Só deixei um bilhete avisando. Raro fazer essas coisas, mas passei quase o dia inteiro estudando, então... - Deu de ombros, entornando mais um pouco da bebida.


Spoiler: Mostrar
o/ Tentando manter a altura, fiz um post mais de resposta que adiantando a conversa pra te deixar mais livre. Se quiser a Kar perguntaria algo como "Aliás, você já teve aulas de canto? Porque (...)", mas aí fica a seu encargo (e da Day, se ela te controlar enquanto faz os posts q)

Itens Utilizados:

  • Dobby Lemon

    Usou um Dobby Lemon.

Imagem
Spoiler: Mostrar
Imagem
Sim, são os olhos da Kar, obvio; sim, o nome disso é "Heterocromia completa"
Karleen Grace Dymék
Mundo Mágico
Avatar do usuário
There is no such thing as paranoia. Your worst fears can come true at any moment.
 
Reg.: 08 de Feb de 2015
Últ.: 25 de May de 2020
  • Mensagens: 112
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 2 Pts.
  • 8 Pts.
  • 133 Pts.

Postado Por: Mah.


Re: [Algum Pub ainda sem nome] - [França]

MensagemEstados Unidos [#159246] por Julie Reinheart » 08 Mar 2016, 14:35

  • 8 Pts.
  • 19 Pts.
  • 100 Pts.
Julie abria os olhos assustada, estava deitada em sua cama, seus olhos verdes percorriam o teto do quarto rapidamente, seu rosto molhado com o suor. As imagens de seu pesadelo vivos em sua mente, o calor do fogo de seu sonho percorria seu corpo em contraste com o frio que entrava pela janela aberta. A morena lembrava-se de pouca coisa do que acontecera nos últimos anos, não por que sofrera algum tipo de acidente ou traumatismo em sua cabeça, mas sim como uma forma de proteção. Ela se obrigava a não lembrar, mas infelizmente algumas cenas invadiam seus sonhos todas as noites e a perturbavam a tal ponto que Julie passou a evitar cair no sono.
Provavelmente a vergonha que sentia pelo que havia feito era maior do que o fato em si, mas nenhum dos dois a desestabilizavam menos, ambas as situações infringiram sérios danos ao ego e auto estima da bruxa, mas naquele momento, ainda paralisada em sua cama por conta do pesadelo e das lembranças que caiam pesadamente em seus ombros Julie tomou uma decisão, sabia que estava na hora de lutar contra tudo aquilo e fazer algo a respeito de sua vida miserável.

Duas opções foram dadas a ela a muito tempo antes, mas Julie nunca quis enfrentá-las realmente, por isso sua vida sempre fora solitária, fugindo de tudo e de todos, de qualquer relacionamento, de qualquer coleguismo com qualquer pessoa, seja bruxo ou trouxas. Agora era a hora de Julie escolher, ou juntava-se de vez à seu pai e tornava-se o tipo de pessoa que sempre odiou, ou enfrenta de vez seus medos e para de fugir de suas responsabilidades. Ela sabia que não podia mais deixar o pai assustá-la como fizera sua vida inteira e devia parar de correr como um rato escondendo-se entre os trouxas mais imundos do mundo para disfarçar-se e passar desapercebida.

Julie então afastou as imagens de sua mente e obrigou-se a levantar, muitas vezes ela se viu tentada a usar um Obliviate nela própria para esquecer sobre sua vida, sobre seus problemas, mas seu medo de morrer ali sozinha, isolada do mundo foi mais forte. Olhou-se no espelho e reparou nas bolsas escuras em baixo de seus olhos e suspirou sem se reconhecer ali. Estava magra demais, não dormia e nem comia direito a dias, seus cabelos estavam embaraçados e sujos, suas unhas cumpridas e mal feitas parecidas com garras e várias marcas de arranhões pelo corpo, provavelmente resultado de alguma crise que tivera em algum momento.

Completamente assustada e horrorizada Julie se afastou do espelho e correu para o banheiro onde tentou ferozmente limpar-se em baixo do chuveiro na água corrente, esfregava o sabonete em seu corpo com o intuito de tirar e lavar todo o mal que ela havia feito para ela mesma nesse tempo todo que perdera de sua vida vegetando em sua cama com medo demais para sair e ver o mundo novamente.
"Quanto será que perdi por ai?" Pensou ela.

Após o banho Julie arrumou-se, penteou os cabelos e deixou-os soltos, colocou uma blusinha qualquer, uma calça jeans e um sobretudo preto por cima para lhe proteger do frio e criou coragem para sair de casa. Devido aos feitiços de proteção ao redor de sua casa Julie caminhou por uma trilha até sair dos limites de sua propriedade. O vento gelado em seu rosto a fazia sentir-se viva novamente, como há muito não sentia e finalmente Julie aparatou sem rumo, apenas queria sair de casa, ver pessoas, saborear a vida.

Acabou por parar na França, um lugar que ela costumava adorar, viveu ali por alguns anos, conhecia bem as ruas da cidade e resolveu parar em um pub que frequentava de vez em quando. O ar dentro do pub era quente e denso, muitas pessoas dançando, alegres, algumas trocando caricias, outras apenas palavras animadas. A morena ficou alguns minutos na porta observando todos, ela nunca se dera ao luxo de deixar-se levar por algo assim, preferira sempre manter-se séria, afastada das pessoas por julgar que assim as estariam protegendo. Quanto mais Julie se isolava, menos ela sofreria por perder alguém importante para si, era isso que seu pai lhe ensinara em todos esses anos.

Respirando fundo e voltando para a realidade, Julie procurou um lugar afastado da multidão mais eufórica do bar e procurou uma mesa escondida, para que pudesse apenas observar, sem ser facilmente identificada pelas pessoas ao seu redor. Algo que ela sabia perfeitamente era passar desapercebida por algum lugar.

E lá Julie ficou, sentada, esperando, entrando em um estado quase de transe entre observar tudo a sua volta e perder-se em seus pensamentos e pesadelos reais. Seus olhos verdes perderam o foco e Julie deixou-se levar.


Off: Não ficou lá grande coisa meu post pq estou um pouco enferrujada com ela, mas logo pego o ritmo da Julie novamente *-*
Julie Reinheart
Mundo Mágico
Avatar do usuário
In fact you can keep everything, except for me!
 
Reg.: 21 de Mar de 2012
Últ.: 10 de Nov de 2016
  • Mensagens: 101
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 8 Pts.
  • 19 Pts.
  • 100 Pts.

Postado Por: Pri.


Re: [Algum Pub ainda sem nome] - [França]

MensagemBelgica [#159317] por Harvey Anna Lothringen » 09 Mar 2016, 20:03

  • 11 Pts.
  • 9 Pts.
  • 82 Pts.
Depois de algumas doses generosas de cerveja amanteigada.... Ok, quem escreveu o script? Eu, Harvey Anna Martine Pilar, tomando cerveja amanteigada num bar bruxo? Mas desde quando, minha gente? Sem noção isso. Vamos mudar, vamos mudar: Prefiro muito mais a versão em que estou dançando feito louca no meio de um mar de gente, mas infelizmente é um bar menor, então mesmo com música alta e gente feliz não fica assim tãããão festivo. Significa que não dá pra narrar bebendo e me acabando na pista ao mesmo tempo. Boring. Mas tava lá, né? Não tem como sair, quero dizer, minha player me enfiou nesse lugar e não tem mais volta. Nem me importo de ficar, desde que ela mude a parte da cerveja amenteigada: Que tal “jovem bruxa é vista cantand... Não, espera, essa foi a outra personagem da Maria. Affs. Ok, partiu pra chatice mesmo, narremos uma espera. Já foi narrado que tem uma boate lá perto mesmo, podemos dizer que faltava uma hora pra abrir e estava fazendo hora na espera. Good idea, good idea. Curti. Vai isso mesmo.

Então, lá estava eu ─ super gata e sexy porque são pontos importantes ─, bebendo umas doses simples de.... Sei lá o que era aquilo, mas tinha um gosto relativamente ruim e me fazia bem, então tudo ótimo. Ah, e dentro de uma garrafa. E custou um pouquinho caro se comparado as outras bebidas, então... Enfim, tava lá bebendo e escutando o som de uma música qualquer, sem me importar muito com a banda ou cantor(a) e fazendo hora pro que narrei no parágrafo anterior. Tinha um bando de bruxos mais parecidos com trouxas conversando de maneira bem animada, como disse antes também algum dançando, enfim, uma festinha básica pra qualquer um que não soubesse se divertir bem. Único motivo pra ter ido lá foi indicação, falaram que as bebidas eram boas por um preço bom e como descobri um espaço legal perto... Dava pro gasto. Enfim, preciso parar de enrolar, tá chato já, chegar ao ponto em que percebi uma moça parada e sozinha.

Moça parada e sozinha. Consigo definir pelo menos sete coisas erradas nessa frase. A começar por: Desde quando alguém num ambiente que estou fica triste pelos cantos? Tentando desaparecer? E como a guria tava bonita, se vestia bem e mesmo assim não mostrava nem um sorriso? Nem com bebida na mão! Ou na mesa! Quem vem pra um bar pra... Fazer **** nenhuma? Observar? Será que era investigadora? Se fosse seria das burras, deixava muito na cara. Mas triste que podia nem apostar na história da moça triste e sozinha que fora deixada pelo namorado, porque se fosse aquilo mesmo já estaria “enchendo a cara pra esquecer”; preferia encher a cara pra me divertir, mas enfim. O que importava é que as sete - ou mais - coisas erradas na frase fizeram com que eu me levantasse, não sem antes passar no bar e pedir o que estava bebendo. Dinheiro pode ser gasto nessas situações.

─ Então, tem motivos pra estar sozinha ou é só pose? ─ Aproximei-me já naquele questionamento, usando a mão direita pra depositar uma das bebidas e em seguida ajeitar meu cabelo colorido. Só fui suavizar minha expressão depois de sentada. ─Harvey, mas pode chamar de maníaca do parq... Mentira, ei, não precisa fazer essa cara. Você tá num bar, moça, por que não tenta se divertir um pouco? ─ E encarei-a com uma sobrancelha arqueada, só desfazendo-a pra empurrar a bebida que pegara pra ela e enfiar um pouco mais do líquido reservado a mim goela a baixo. Louca? Talvez. ─ Pode beber, não é veneno, juro. E fique à vontade pra me expulsar se quiser, mas juro que até o final da noite você estará no mínimo bêbada. Diga aí, qual seu nome? ─ E mostrei outro sorriso, muito mais divertido, nada de assustador nele, nada mesmo, porque tentava ser legal, apesar de estranha. É..... Talvez fosse melhor mudar outra vez de script.


Spoiler: Mostrar
Aushuashuashuashua Mas gente, não dei se onde isso saiu. Tá bem Harvey o/ Enfim, vestindo algo do gênero (sem as botas cafonas): https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/23 ... a2b4a9.jpg

Itens Utilizados:

  • Green Temporous

    Usou um Green Temporous.

Imagem

Spoiler: Mostrar
[img]http://i.imgur.com/96ys4fK.png/img]
Harvey Anna Lothringen
Special Mundo Mágico
Avatar do usuário
I am the one thing in life I can control; I am an inimitable, I am an original
 
Reg.: 08 de Jun de 2015
Últ.: 01 de May de 2020
  • Mensagens: 166
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 11 Pts.
  • 9 Pts.
  • 82 Pts.

Postado Por: Mah.


Re: [Algum Pub ainda sem nome] - [França]

MensagemEstados Unidos [#159914] por Dayana Fountcher » 20 Mar 2016, 18:42

  • 10 Pts.
  • 10 Pts.
  • 47 Pts.


- … Então acho que temos muita coisa em comum… - Sorriu ao concordar com Karleen.

Fazia mais de um ano que Dayana saíra de Durmstrang depois de se formar e, como qualquer outra pessoa nessa mesma fase, ver sua rotina ser completamente mudada sem ter escolhas a não ser se adaptar, não foi algo fácil… Não mesmo. Recompensador, talvez, mas não fácil. Antes as suas preocupações se resumiam a coisas de adolescentes, como escola e férias. Isso se perdeu entre um aglomerado de responsabilidades que a vida adulta trouxera. Claro que, vale reafirmar que ela era feliz com tudo aquilo, mesmo que precisasse de um gole de uma piña exuma para respirar e relaxar nem que fosse por um momento. Portanto, de uma certeza ela tinha: não se arrependia de nada, ao mesmo tempo em que concluía que futuramente repetiria mais vezes esse instante de ‘fuga’.
- Bem… - Começou, virando o conteúdo do copo e depositando-o vazio em cima do balcão. - Por que então não aproveitamos à noite? Sem palcos dessa vez… - Voltou a sorrir.

O bar estava cheio, assim como a frente do palco perto de onde os meninos cantavam e tocavam. As duas mulheres poderiam ter ficado sentadas naqueles dois banquinhos altos, porém, apesar de Dayana ter ido sozinha para aquele lugar, isso não queria dizer que ela gostaria de fazer a ‘total discreta’ e se esconder naquele canto e, como Karleen se mostrou uma pessoa muito legal, nada como também contagiá-la e puxá-la de volta para o meio da pista. Sua intenção foi a de fazer com que ambas continuassem a aproveitar a noite para dançar e extravasar um pouco o peso que cada uma parecia carregar nos ombros e, passado uns quarenta minutos até o término da apresentação da banda, assim elas fizeram.

Quando o grupo de rock se despediu e o bar deixou uma música qualquer tocar pelas vitrolas, as pessoas na pista começaram a se dispersar, inclusive as duas colegas. Dayana não optou por uma terceira bebida, fechando a sua conta no lugar. Queria ter ficado mais, porém, sabia que aquilo foi o suficiente, e como foi! Não deixando de agradecer a menina que lhe acompanhou.
- … Vou pra casa. Queria ficar mais, mas creio que por hoje é o suficiente. A vida real me chama. Você tem para onde ir? Moro aqui perto… Se quiser passar a noite em casa… - Fez o convite em tom de preocupação, devido a hora e o fato de Karleen estar desacompanhada de outra pessoa além da própria americana.

Se a morena dormiria em sua casa, Fountcher deixou a decisão a cargo da mesma, despedindo-se enfim do simpático barman, em direção ao exterior do lugar.




Vestes: Here;
Música: Lonely boy - The Black Keys.
Imagem
Dayana Fountcher
Special Mundo Mágico
Avatar do usuário
Selena Gomez
Na quietude do fim da tarde. Quando o sol já teve o seu dia. Eu escutei a sua voz murmurando: New York, New York...
 
Reg.: 19 de Jul de 2009
Últ.: 02 de Jun de 2020
  • Mensagens: 351
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 10 Pts.
  • 10 Pts.
  • 47 Pts.

Postado Por: Nine.


Re: [Algum Pub ainda sem nome] - [França]

MensagemEstados Unidos [#160092] por Julie Reinheart » 24 Mar 2016, 14:36

  • 16 Pts.
  • 13 Pts.
  • 143 Pts.
A mente de Julie viajava por caminhos obscuros, fazendo seu coração acelerar com as lembranças que a preenchiam, lembranças essas que Reinheart queria esquecer-se completamente. As vezes a morena achava que precisaria morrer para que pudesse ficar em paz, mas seu desejo de formar uma família e tentar ser feliz a impedia de tirar a própria vida.

Julie assustou-se quando percebeu a aproximação de uma moça em sua mesa.
- Mas o que...? - foi interrompida pelo falatório da moça que denominou-se Harvey. Julie suspirou e rolou os olhos a fim de tentar afastar Harvey com sua atitude, mas ela era insistente e parecia não calar a boca, talvez por já estar sob o efeito embriagante do álcool ou talvez por simplesmente não saber a hora certa de parar. "Mas afinal, você saiu de casa para encontrar pessoas, ou esperava vir para um bar e não ser incomodada?" Uma voz em sua cabeça a repreendeu e Julie suspirou mais uma vez.

Por mais que quisesse tentar ser uma pessoa normal e agir como uma mulher de 26 anos deveria agir, socializando com outras pessoas de sua própria idade e flertando com homens bonitos, Julie não se sentia a vontade para fazer isso, seus medos ainda muito aflorados em sua mente. Julie observou a moça que insistia para que ela bebesse o liquido da garrafa que colocara a sua frente, mas a morena não se sentia a vontade para fazer aquilo.

Entregar-se ao álcool significaria reviver mais uma vez as cenas que aconteceram entre ela e seu pai, as discussões, as agressões, as mortes que ele a fizera presenciar. Julie respirou fundo mais uma vez e negou a bebida com um gesto de cabeça, a mulher de cabelos coloridos a estava deixando irritada.
- Se eu lhe disser meu nome, me deixara em paz? - perguntou a morena com sua voz costumeiramente fria. Harvey apenas continuou ali, sorrindo sem parar e se balançando ocasionalmente ao som da música de fundo. - Reinheart. Julie Reinheart. - respondeu finalmente seu nome. Seus olhos verdes estavam escuros devido a iluminação do local, mas olhavam fixamente para o rosto de Harvey.

Intimamente, Julie queria que a mulher de cabelos coloridos continuasse ali, falando sem parar e distraindo-a de sua mente, mas esse tipo de desejos a morena nunca iria revelar a ninguém, pois achava que esse tipo de atitude a fazia parecer fraca, apesar de realmente sentir-se fraca e covarde, Julie preferia manter sua aparência de durona e fria pelo seu próprio bem e dos outros.


Demorou, mas saiu xD
Julie Reinheart
Mundo Mágico
Avatar do usuário
In fact you can keep everything, except for me!
 
Reg.: 21 de Mar de 2012
Últ.: 10 de Nov de 2016
  • Mensagens: 101
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 16 Pts.
  • 13 Pts.
  • 143 Pts.

Postado Por: Pri.


Re: [Algum Pub ainda sem nome] - [França]

MensagemBelgica [#160216] por Harvey Anna Lothringen » 26 Mar 2016, 22:17

  • 17 Pts.
  • 13 Pts.
  • 75 Pts.
A garota triste e sozinha chamava-se Julie Reinheart. Acima de tudo, ela queria eu fora dali. Sorte a dela que sou incoveniente às vezes e particularmente gosto da frase “You can’t always get what you want”. Por quê? Porque era uma verdade, ainda que não absoluta, afinal uma vez que você se esforce, adicione uma camada de loucura e, dependendo da situação, saiba como e quando mexer os pauzinhos, é fácil conseguir o que quer. Não apenas isso, mas a mulher a minha frente não era uma menina e eu não sou de aguentar drama alheio, ao menos não num ambiente festivo quando era totalmente possível esquecer-se das besteiras da vida e simplesmente entregar-se a diversão. Se ela quisesse ficar suspirando e reclamando da vida pelos cantos, fizesse-o fora dali, afinal enquanto estivesse não se livraria da minha presença. Exceto, claro, dando-me um bom motivo, mas até então não aconteceu.

─ Então, algum motivo importante para estar aqui e ainda assim agir como se estivesse num necrotério? ─ Ergui uma das sobrancelhas, interessada no que ela tinha a dizer. Meu interesse era genuíno tanto por questões de curiosidade quanto também por querer fazer amizade. Se ela me desse alguma abertura, por menor que fosse, então exploraria-o o suficiente para trazê-la de volta dos mundos dos zumbis ─ uma vez que as criaturas sejam relacionadas a pessoas e seus diferentes modos de agir ─, todavia não foi naquele momento que isso aconteceu. Ela parecia ainda desconfortável e eu só fiz beber um gole de minha bebida, preferindo em seguida deixá-la na mesa e abrir um sorriso simples. ─ Tudo bem, tudo bem... Ainda por cima é quieta. Não se preocupe, eu falo por mim, você e provavelmente outras cinco pessoas daqui. Deixe-me começar...

Uma forma de me apresentar verdadeiramente e ainda por cima explicar o que fazia naquele bar? Easy. ─ Harvey, ou como algumas pessoas gostam de apresentar-me, Harvey Anna Martine Pilar. ─ Apontei para mim nesse instante, seguindo minha linha de raciocínio sobre o porquê meu nome era tão grande, afinal nem constei os sobrenomes. ─ Eu sei, eu sei, bem grande. Felizmente estou atrás de boa parte da realeza, mas dá pra assustar as pessoas um pouquinho. Sim, sou uma princesa e toda a chatice que vêm com isso. Não lá muito rica, afinal ser a oitava na linha de sucessão só trás dor de cabeça, e provavelmente uma das poucas nobres belgas que não tem medo de dizer que não se preocupa tanto com as questões da nobreza. Tenho mais de vinte anos, mas antes de chegar aos dois dígitos com dois na frente eu fiz uma viagem ao redor do mundo por um ano em meio. Sumi do mapa. Consegui o cabelo colorido lá, ainda que não exatamente pintado desse jeito.

Nem dei-me o trabalho de analisar suas expressões, afinal não estava terminada com meu discurso. Um fato sobre ser pricesa: Você definitivamente aprende a falar. Muito. Pra caramba mesmo. Só não sabia se era mestra na arte de manter as pessoas interessadas. ─ Estou aqui por dois motivos: Primeiro, gosto de vir aqui, segundo, compareci a um jantar oficial noite passada. São cansativos e super chatos, não sei por que me dou ao trabalho de comparecer vez ou outra. Enfim, desculpando-me comigo mesma aproveitando o tempo nesse lugar. ─ Ingeri mais alguns goles da bebida à minha frente, levantando a garrafa na vertical de uma maneira realmente “sem modos”, por assim dizer. Well, é como eu gosto de beber, que assim seja. ─ Agora que você sabe que não sou mesmo a maníaca do parque, ainda que confesso a insistência chata, além da inconveniência.... Por que veio a esse bar?

Itens Utilizados:

  • Green Temporous

    Usou um Green Temporous.

Imagem

Spoiler: Mostrar
[img]http://i.imgur.com/96ys4fK.png/img]
Harvey Anna Lothringen
Special Mundo Mágico
Avatar do usuário
I am the one thing in life I can control; I am an inimitable, I am an original
 
Reg.: 08 de Jun de 2015
Últ.: 01 de May de 2020
  • Mensagens: 166
  • Nível:
  • Raça: Humana
  • Sexo: Feminino

Rolagem dos Dados:
  • 17 Pts.
  • 13 Pts.
  • 75 Pts.

Postado Por: Mah.


Próximo

Voltar para Europa

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Google [Bot] e 1 visitante