JORNAL LUMMUS

HOGWARTS, 30 DE MAIO DE 2021

Falta de magia em Hogwarts
A aparição de uma névoa misteriosa faz a escola adotar medidas alternativas

Imagem

Desde o final do último ano letivo, um evento, de certo modo misterioso, vem ocorrendo nas dependências da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Segundo relatos, os quadros estavam completamente estáticos, escadas paravam no meio do caminho, algumas passagens não abriam e, por vezes, as varinhas não funcionavam. Por conta desses fenômenos, uma específica pergunta era levantada por todos: estaria a magia dentro do castelo de uma das maiores escolas de bruxaria acabando? Tal questionamento causava temor e medo em diversas pessoas, principalmente nos alunos que de nada sabiam sobre o evento. Porém, durante o jantar de encerramento, o diretor de Hogwarts, Nikolaus Marcus Lothringen, realizou um discurso esclarecendo os acontecimentos e que medidas seriam tomadas para solucionar toda a situação, acalmando, ou pelo menos tentando acalmar, o desespero e aflição de alguns alunos.

No entanto, quando os discentes voltaram de suas maravilhosas férias, com o lançamento do novo distrito mágico, todos se depararam com uma misteriosa e curiosa névoa encobrindo inteiramente o sétimo andar de Hogwarts, local onde o salão comunal da Grifinória era localizado. Tal neblina causou curiosidade a todos, pois aquela nuvem normalmente não fazia parte das incríveis decorações da escola de magia.

Durante o jantar de abertura do novo ano letivo, o diretor de Hogwarts se pronunciou novamente, trazendo notícias um pouco desagradáveis aos ouvidos de todos: "nada foi possível fazer para solucionar o problema do ano letivo anterior". A névoa que rondava os andares superiores era a responsável por inibir a magia dentro do castelo. Essa afirmação fora um pouco preocupante. Uma série de questões sobre o funcionamento das aulas, principalmente com a inclusão da matéria de estudo dos trouxas, o uso de magia dentro da escola e o alojamento dos alunos da Grifinória também foram tópicos do discurso.

Com o decorrer do ano, pouco a pouco a névoa foi se movimentando, descendo do sétimo para o quinto andar, chegando a quase invadir o terceiro. Nesse dia, os alunos que estavam em aula tiveram que se arriscar para procurar uma saída e escapar com segurança. Por sorte, sabemos que ninguém saiu ferido durante a ação. No entanto, mais uma casa perdeu completamente o seu alojamento. Os alunos da Corvinal deveriam achar um outro local para se alojarem.

Tal evento está causando bastante comoção entre os corredores do castelo. Alguém deveria fazer alguma coisa antes que a situação piorasse. Se nem mesmo o próprio diretor consegue evitar todo esse desastre, o por quê os alunos ainda continuam a ter aula? Seria essa uma ação completamente imprudente por parte dos adultos, já que não conhecem nem a origem e a total magnitude daquela névoa? Como um objeto de total desconhecimento surgiu em terrenos fortemente protegidos como Hogwarts? Essas são perguntas que devemos fazer e exigirmos respostas por parte dos funcionários da escola de bruxaria. Enfim, esperamos que nada de mal aconteça e que tudo se resolva. Até a próxima.


Escrito por: KAWONIN JAMES

3.012 Visualizações
29/03/2020 às 11:33:07



JORNAL LUMMUS

INSTITUTO DE DURMSTRANG, 31 DE MAIO DE 2021

Segunda edição dos jogos de guerra de Durmstrang
Extra, extra! Fim da guerra em Durmustrang!


Imagem


Dando continuidade à mais moderna tradição da escola russa, a segunda edição dos Jogos de Guerra de Durmstrang trouxe maravilhosas surpresas para o ambiente de ensino militar, dividindo seus alunos dos mais variados anos em quatro times: cisne, raposa, salamandra e lobo.

A disputa que deu abertura a esse grande evento foi um não tão tradicional "cabo de guerra de quatro pontas", em que os quatro times deram tudo de si para derrubar uns aos outros de cara na lama. O time das salamandras tirou a sorte grande e ganhou um tratamento de pele gratuito e bem intenso, garantindo a eles o 4º e último lugar, enquanto os cisnes saíram com sua primeira vitória e sem precisar de roupas novas — um pouco de lama, no entanto, iria bem para as mãos raladas e cheias de calos pelo bom trabalho dos vencedores.

Não satisfeitos com poucas vitórias em grupo, Alexander Frowber se destacar pela primeira vez como o ace do time, conquistando o primeiro lugar para os cisnes em uma corrida cheia de obstáculos. Além de príncipe, esse menino chegou para conquistar o coração da torcida porque sua participação continuou em destaque durante quase toda a guerra.

A disputa entre os quatro times, no entanto, não estava acabada. O time que vinha conquistando o segundo lugar, as raposas, decidiu mostrar que também estava com toda a garra no desafio humilhando o time de cisnes com uma vitória implacável na disputa de "tabu", que proibia os alunos de falarem certas letras. Também depenou o time que até então estava invicto, mas que comeu uma bola atrás da outra, rendendo enormes punições aos ex patinhos feios, que além de não conquistarem a vitória, perdendo pontos pelo mau desempenho.

Mais próximo ao desfecho dos jogos, os cisnes tomaram outra vez o trono, garantindo aos poucos sua vitória nessa disputa. Após uma semana vivendo em abrigos provisórios criados pelos próprios alunos, as equipes precisaram enfrentar um ataque fantasma vindo diretamente do navio mais famoso de toda a Durmstrang, defendendo-se da tão renomada tripulação de Rasputin. Novamente o destaque especial ficou por conta do jovem do 5° ano da Rurikovich, Alexander Frowber.

A disputa seguiu com tantos outros desafios que testavam as habilidades dos jovens bruxos e soldados da escola russa.

É com muita honra e gratificação que a equipe Lummus deseja à todos os alunos do time dos cisnes nosso mais sincero parabéns! E que seus caminhos na escola mais disciplinada do mundo mágico continuem a se abrir para mostrar seus talentos.
Escrito por: ALEX JENSEN

2.701 Visualizações
23/03/2020 às 00:04:13

Cadernos
Notícias
Jornalistas