Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Diário do Josh - Últimos dias antes da escola. Joshua P. A. Nolan 3296 17/01/2019 às 11:12:01
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 2767 22/11/2018 às 18:19:24
É LUFA - LUFA!! Oh Ha Na 3854 08/09/2018 às 18:24:13
Indo para Hogwarts! Oh Ha Na 2959 08/09/2018 às 18:20:17
A súcubo do Apocalipse Lilith Ambrew 2892 08/09/2018 às 09:11:11

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Inglaterra Leonard Spencer [ 16518 ]

Situação Atual: CADASTRO NORMAL E ATIVO

  • Leonard Spencer
  • Special Mundo Mágico

  • Special Mundo Mágico

  • NOME COMPLETO

    Leonard 'Len' Spencer

  • RAÇA

    Humana

  • CLASSE

    Mágica

  • ALTURA

    1,85m

  • PESO

    70kg

  • OLHOS

    Verde Claro

  • CABELOS

    Castanho Intenso

  • SEXO

    Masculino

  • OPÇÃO SEXUAL

    Heterossexual

  • IDADE

    20 anos

  • DATA DE NASCIMENTO

    28/10/1997

  • SIGNO

    Escorpião

  • NOME DO PAI

    Ralph Brandon Spencer

  • NOME DA MÃE

    Jeanette Mary Sawyer

  • ORIGEM SANGUÍNEA

    Sangue Puro

  • LOCALIDADE

    Mundo Mágico

  • CIDADE/PAÍS

    Londres/Inglaterra

  • NÍVEL

Uma das memórias mais antigas e marcantes que eu tenho é de um enterro. Eu tinha uns dois anos no máximo, mas me recordo de estar parado frente a dois recipientes que, anos mais tarde, eu saberia conter cinzas. De um lado, minha mãe, Jeanette Sawyer, e meu pai, Ralph Spencer, abalado de uma forma que eu não entendia. Do outro, meus avós apoiando meu primo, Andrew, cujo rosto nada transmitia enquanto os olhos por trás das lentes de óculos, em silêncio se mantinham fixos naqueles dois objetos. Eu não entendia porque todos estavam tristes, não fazia ideia do porquê de meu primo não estar rindo e sendo besta como sempre, assim como não entendia porque eram nossos avós que estavam ali com ele e não tio Patrick ou tia Florence. Não entendia a morte naquele tempo e, tampouco, imaginava que efeitos ela poderia trazer para a vida de todos.

Mas aprendi. Rápido como a maioria das coisas que eu viria a aprender na vida.

Por quê? Porque esta primeira memória influencia em muito na segunda mais marcante que eu tenho: a separação de meus pais.

Eu tinha uns cinco anos quando isso aconteceu e não compreendia o motivo exatamente. Sabia que meu pai havia mudado muito desde a – aí eu já sabia – morte do irmão mais velho e não de maneira positiva. Eu mesmo sentia isso – quando não estava sentindo algum revés da minha saúde de m*rda, com o perdão da expressão. Agora essa alteração de ‘espírito’ somado à mudança para Gales por conta do trabalho dele, foi demais para minha mãe, acho. Enfim, fato é que, quando vi, já estava morando só eu e meu pai em Gales, longe de minha mãe, do meu primo – que apesar de ser o inferno pessoal da minha vida, eu me dava muito bem à nossa própria maneira – e meus avós. Acredito que foi aquela solidão chata que fez com que eu melhorasse um pouco no quesito saúde. Não podia me dar ao luxo de ficar preocupando meu velho ou mesmo dependendo demais dele. Não era como se ele tivesse muito tempo e eu muita paciência para esperar.

No fim, cresci independente, me virando como podia e aprendendo a ficar sozinho. Distraia-me com os milhares de livros que meu pai tinha – algo bom para minha curiosidade inata – e no máximo convivia de vez em quando com algumas crianças da vizinhança bruxa na qual eu vivia. Nada fenomenal ou significativo, até, ao menos, os meus onze anos, quando veio enfim a carta de Hogwarts e para lá eu fui. Ingressar na escola de magia e mais especificamente na Corvinal foi a melhor coisa que me aconteceu. Não que a escola fosse boa, pelo contrário, ô lugar para ter problema atrás de problema, caramba. Contudo, lá pude aprender muito mais e tinha muita coisa para explorar e experimentar, saciando assim minha curiosidade e sede de conhecimento – que por vezes só me trazia problemas, mas ok.

Ruim era a presença de Drew, que vivia me enchendo o saco – não que eu pudesse reclamar, já que era até divertido planejar como me vingar – e a consequente ‘cobrança’ de meu pai para que eu me equiparasse a meu primo. Uma competição idiota que ele e meu tio tinham e que, acredito, meu pai queria ver refletido em mim e Andrew. Reavivar memórias antigas? Não sei. Sei que nem eu nem ele precisávamos daquilo ou mesmo estávamos dispostos. Algo que se mostrou claramente quando, após a formatura de Drew, este se mudou para a França enquanto eu e meu pai voltávamos para a Inglaterra, a fim de morar na casa de meus avós – para cuidar deles, visto a idade que avançava para ambos. Um alívio para mim que, ao que tudo indicava, teria um quinto ano tranquilo.

Ou não.



Este perfil já foi visualizado 607 vezes. Atualizado pela ultima vez em: 10/04/2019 às 01:13:28