Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Diário do Josh - Últimos dias antes da escola. Joshua P. A. Nolan 3121 17/01/2019 às 11:12:01
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 2597 22/11/2018 às 18:19:24
É LUFA - LUFA!! Oh Ha Na 3682 08/09/2018 às 18:24:13
Indo para Hogwarts! Oh Ha Na 2782 08/09/2018 às 18:20:17
A súcubo do Apocalipse Lilith Ambrew 2713 08/09/2018 às 09:11:11

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Coreia do Sul Jinhwan Hyong [ 17049 ]

Situação Atual: CADASTRO NORMAL E ATIVO

  • Jinhwan Hyong
  • Mundo Mágico
  • Mundo Mágico

  • NOME COMPLETO

    Jin-hwan Hyong

  • RAÇA

    Humana

  • CLASSE

    Mágica

  • ALTURA

    1,80m

  • PESO

    70kg

  • OLHOS

    Castanho Intenso

  • CABELOS

    Castanho Escuro

  • SEXO

    Masculino

  • OPÇÃO SEXUAL

    Heterossexual

  • IDADE

    25 anos

  • DATA DE NASCIMENTO

    10/10/1992

  • SIGNO

    Libra

  • NOME DO PAI

    Yo-han Hyong

  • NOME DA MÃE

    Seul-ki Hyong

  • ORIGEM SANGUÍNEA

    Sangue Puro

  • LOCALIDADE

    Mundo Mágico

  • CIDADE/PAÍS

    Seoul/Coreia Do Sul

  • NÍVEL

Seja homem. Seja honrado. Não seja marica. Não seja fraco. Seja, ser, não ser.

Fácil dizer o que devo ser, difícil dizer quem sou. Porque sou filho, sou tradição, sou legado, mas, acima de tudo, sou aparência.

Criado em uma tradicional família sul-coreana bruxa e sendo o primeiro descendente homem, difícil fugir desta sina. Sempre carreguei a cada passo o olhar crítico, as expectativas e as diretrizes de meus pais e por mais incômodo que tenha sido tudo isto, ao menos não posso dizer que eles eram injustos: trataram com igual rigor minha irmã. Não que seja algo bom, mas era um fato. Infeliz, mas um fato.

Tendo esta introdução, não deve ser de se espantar que minha criação quando pequeno foi rigorosa. Estudei línguas, aritmética, conhecimentos sobre a sociedade bruxa como um todo, música e tae kwon do, que dentre tudo era algo que eu realmente apreciava. Aos poucos, fui me tornando o filho que meus pais sonhavam e que eu, vendo-os como meu mundo, mantive, sem questionar, apreciando cada aprendizado e julgando-me afortunado por tudo o que tinha. Em parte, de fato era.

Veio então meu décimo primeiro ano e com ele o início dos estudos em uma instituição bruxa. Para tornar-me o homem que meus pais ansiavam, fui enviado a Durmstrang, onde os rumores diziam que a educação era mais firme. Ali pertenci à Leshiy e posteriormente à Romanov e neste tempo descobri que a disciplina ali existia, tanto quanto existiam os caminhos que desvirtuavam.

Foi em Durmstrang que me tornei forte, hábil e um bom bruxo, mas também foi onde conheci o obscuro e descobri duas novas paixões. Uma delas se mantém esquecida, uma aventura de tempos antigos. A outra, foi a dança. Uma aula, apenas uma, a qual visava abordar formas diferenciadas de trabalhar a disciplina, a autoestima, a coordenação. Um experimento e, mesmo assim, apaixonei-me, treinei e tornei-me excelente, tanto quanto era no tae kwon do. Sendo controlado e introspectivo como era, a luta acabava por ser a forma de livrar-me da frustação e liberar o mais intenso, enquanto a dança era minha forma de expressão.

Naturalmente que com o fim dos estudos todas as paixões se foram e com elas vieram as obrigações. Tornei-me medibruxo especializado em acidentes mágicos e ali minha vida se estabilizou até a tormenta, pontuada pela fuga de minha irmã, que trouxe consigo um baque para meus pais. A culpa, o erro, ante os olhos deles, eram dela tanto quanto deles que haviam falhado em sua criação. Eu, então, vi-me como a última esperança.

Se antes o fato de ser o filho que eles desejavam pesava, isto triplicou. Não queria ser mais uma “decepção” para meus pais que, provável, não aguentariam outra surpresa. Conformei-me. Dali para cá, segui o que precisava, sem mais esperanças de um dia encontrar o caminho para mudar o que fosse. Viver já não mais me pertencia, bem sabia, assim sendo, passei a existir.



Este perfil já foi visualizado 275 vezes. Atualizado pela ultima vez em: 10/04/2019 às 01:10:45