Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 131 22/11/2018 às 21:19:24
É LUFA - LUFA!! Venus F. Rossa 717 08/09/2018 às 21:24:13
Indo para Hogwarts! Venus F. Rossa 465 08/09/2018 às 21:20:17
A súcubo do Apocalipse Lilith Ambrew 460 08/09/2018 às 12:11:11
Fênix de Odin Lilith Ambrew 521 28/08/2018 às 01:09:34

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Romenia Mihail Weylin [ 17169 ]

Situação Atual: CADASTRO NORMAL E ATIVO

  • Mihail Weylin
  • Mundo Mágico
  • Mundo Mágico

  • NOME COMPLETO

    Mihail Weylin

  • RAÇA

    Lobisomen

  • CLASSE

    Mágica

  • ALTURA

    1,20m

  • PESO

    23kg

  • OLHOS

    Azul Claro

  • CABELOS

    Loiro Intenso

  • SEXO

    Macho

  • OPÇÃO SEXUAL

    Indefinido

  • IDADE

    7 anos

  • DATA DE NASCIMENTO

    01/11/2008

  • SIGNO

    Escorpião

  • NOME DO PAI

    Nikolai Weylin

  • NOME DA MÃE

    M024

  • ORIGEM SANGUÍNEA

    Sangue Puro

  • LOCALIDADE

    Mundo Mágico

  • CIDADE/PAÍS

    Brasov/Romenia

  • NÍVEL



Os tambores batiam de maneira constante, marcando os passos da dança ao redor de uma grande fogueira que era belamente rodeada por carruagens elegantes e cortinados de cores fortes, adornados com arabescos dourados tecidos a fio de ouro. Aqueles que ali viviam, seguiam uma existência simples que podia ser comparada a antiguidade bruxa. Eram viajantes, eternamente em movimento de um lugar para outro, parando nas vilas e vendo o futuro daqueles que ousavam atravessar as portões do acampamento cigano. Eram artistas, ou ao menos era isso que lhes segredava a jovem dama que garantia a sobrevivência dos pequenos em seus cinco primeiros anos.


 


Não havia arte mais bela, pelo menos não segundo ela, o que enchia a cabeça dos três de fantasias e méritos que pareciam inalcançáveis a suas jovens mentes. Era como contar as crianças trouxas histórias sobre dragões e unicórnios, fadas e duendes. Sonhavam, era óbvio, mas não significava que aquilo existia. Para os três, cujo os nomes foram roubados antes que pudessem aprende-los e a humanidade lhes fora negada, aquelas histórias sobre um passado de cores deslumbrantes, magia e liberdade eram tão fantasiosos quanto a jornada do homem à lua.


 


Para eles era fácil viver assim, na santa ignorância com medo do homem, pois era assim que eles conheciam a vida. Aos quatro garotos, o silêncio fora aprendido tão rápido quanto as palavras que – na maior parte do tempo – não passavam de simples sussurros entre si, muito embora nem isso fosse necessário. Bastava um olhar, um suspiro ou um simples gesto para que contassem qualquer história. Dividiam entre si o calor, a vida e, principalmente, a dor. Foram quebrados, moldados e ensinados a serem nada mais do que seu Mestre enxergava neles. Eram animais, meros ratos de laboratório cujo nascimento implicava em apenas um propósito: A Cura.


 


Foram anos de pesquisas no submundo da medicina e a essa altura o Romeno certamente tinha em suas mãos mais cadáveres do que qualquer instituto médico poderia sonhar. Seus exemplares eram frescos, novos e todos dividiam entre si o que o homem via como uma terrível doença. A Licantropia, segundo ele, era a pior das maldições e ele não deixaria este mundo antes que libertasse o mesmo dessa atrocidade vil, sanguinária e que lhe havia causado tanta dor. Dor está que o médico deposto fazia questão de infligir a seus bichinhos, órfãos ou simplesmente pobres homens que procuraram auxilio do mestre em tempos de desespero. Foram anos até que os quatro fossem concebidos e se tornassem viáveis.


 


Anos até que o Mestre pudesse enfim toca-los do jeito que sua ganancia ansiava.


 


Aos seis anos conheceram a morte, aprenderam a reconhece-la pelo cheiro e por seus sinais silenciosos. Era algo que fazia parte da memória dos três, tanto quando o dia que foram marcados. Fora o dia que aprenderam que não havia dor pior que a perda, perto daquilo os números e letras marcados nos pulsos esquerdos eram nada mais do que um simples incomodo. Lembravam-se perfeitamente bem do corpo febril do irmão, ou como choramingava durante a noite inteira. Lembravam-se perfeitamente bem da dor que compartilhavam com ele, tanto quanto como foram agonizante os dias seguintes em que eles mesmos mal comiam, simplesmente com medo de abandona-lo e que aquele simples mover o fizesse desaparecer.


 


Lembravam-se nitidamente da respiração ruidosa e do adormecer sem volta, de como todo o mundo parecia ficar em silêncio, tornando apenas pior aquele macabro espetáculo e pior, lembravam-se da dor de ter deixar seu corpo, tanto quando Mihail lembrava-se da dor nas costelas ao ser arremessado ao chão por não deixar que o levassem. E dá fome, como um castigo, por terem deixado que o menor de sua ninhada se fosse, mesmo que não fossem poucas as suplicas para que ficasse. Conheciam ao frio como um amigo íntimo e temiam as figuras de jaleco como o diabo da cruz. Já não tinham mais expectativas para suas jovens vidas e, aos seis anos, desejam profundamente que encontrassem o fim. Ansiavam pela presença do mais novo, tanto quanto desejavam juntar-se a ele.


 


A esperança veio em uma noite que nada parecia ter de diferente das outras, com exceção da estranha movimentação em direção ao laboratório improvisado desde que a casa anterior fora tomada por chamas. Os três também se lembravam perfeitamente disso, afinal de contas acabara de acontecer. Foram tirados da cela que dividiam no porão que cheirava a mofo e levados juntos com os prisioneiros que conseguiriam aguentar a jornada. Juntaram-se como de costume, as mãos firmemente unidas a fim de não abrirem espaço entre si. Descobriram, com o tempo, que juntos eram mais fortes. Tinham dentro de si o instinto da matilha como algo primordial, que os consumia aos poucos mesmo antes de sofrerem os efeitos da lua. Aquilo que seria uma simples mudança de locação, tornou-se algo inteiramente diferente.


 


Aquilo que parecia ser o fim tornava-se no começo de suas histórias. Aquilo que parecia o fim, era a liberdade.


 


Nota:


-Antes que o mimimi comece, sim... Tem duas histórias iguais pois eles são gêmeos e nós, os players, decidimos nos juntas e fazer uma só história pra ambos. No final das contas a história é a mesma pros três, sendo que o terceiro é um npc.


-Eles são crianças e sim, são lobisomens porque os dois são filhos do Nikolai Weylin e segundo a Zonkos filhos de lobisomens podem ser lobisomens e, bem, ambos os pais das crianças são lobinhos então... Sangue puro. Não, eles não vão se transformar até os dezesseis que é até quando o soro contra licantropia faz efeito.


 


[Ojesed] - Maior Sonho: O que há neste mundo para sonhar?
[Bicho Papão] - Maior Medo: O Mestre.
[Dementador] - Memória: A morte de W014. O quarto gêmeo que sequer recebeu um nome.
[Testrálios] - Viu a Morte?: Sim.
[Tattoo] - Marcas corporais: A inscrição W013 no ventre do pulso esquerdo.

Este perfil já foi visualizado 169 vezes. Atualizado pela ultima vez em: 02/04/2018 às 14:25:04