Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Diário do Josh - Últimos dias antes da escola. Joshua P. A. Nolan 3103 17/01/2019 às 11:12:01
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 2579 22/11/2018 às 18:19:24
É LUFA - LUFA!! Oh Ha Na 3665 08/09/2018 às 18:24:13
Indo para Hogwarts! Oh Ha Na 2766 08/09/2018 às 18:20:17
A súcubo do Apocalipse Lilith Ambrew 2697 08/09/2018 às 09:11:11

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Franca Justice Jacobs [ 17528 ]

Situação Atual: CADASTRO NORMAL E ATIVO

  • Justice Jacobs
  • Mundo Mágico
  • Mundo Mágico

  • NOME COMPLETO

    Justice Haydée Jacobs

  • RAÇA

    Humana

  • CLASSE

    Mágica

  • ALTURA

    1,78m

  • PESO

    59kg

  • OLHOS

    Castanho Escuro

  • CABELOS

    Castanho Intenso

  • SEXO

    Feminino

  • OPÇÃO SEXUAL

    Homossexual

  • IDADE

    20 anos

  • DATA DE NASCIMENTO

    03/03/1998

  • SIGNO

    Peixes

  • NOME DO PAI

    Mark Jacobs / John Jacobs

  • NOME DA MÃE

    Desconhecida

  • ORIGEM SANGUÍNEA

    Desconhecida

  • LOCALIDADE

    Mundo Mágico

  • CIDADE/PAÍS

    Paris/Franca

  • NÍVEL

“Não sinto tua falta

Não sinto a falta do teu cheiro

De perfume importado

Que exportou de mim

Não sinto falta do teu erre puxado

Nem do teu beijo com gosto de dente

Que morde coração envenenado

Não sinto tua falta

Não sinto!

Nem lembro de você

Nem da tua respiração ofegante

Não sinto falta, eu sinto ânsia

Distância

Do teu signo-preto

Do teu silêncio grito

Sinto ânsia

E a provoco

Enfio os meus dez dedos na garganta

Pra ver se eu vomito teu ser

Da minha alma”



O problema é que eu sinto. Todos os dias. Na França ou no Japão. A dor da tua falta marca minha alma. Eu costumava ser feliz, sabe? A simplicidade sempre me encantou, inclusive aquela reservada a ausência sutil em dividir minha vida com alguém. Então, você chegou, mudando tudo o que tinha por certo, você com todo seu jeito de menina mulher, com a determinação que eu desconhecia. Você que me provocou em todos os momentos possíveis, que me ensinou o que era sentir ódio ao ponto de não mais o segurar em mim. E, em meio a tantas desavenças, o impensável aconteceu, porque a verdade é que em meio a raiva, também aprendi a gritar, a me mostrar, a ser mais do que um mero reflexo na parede, irônico que hoje, tão dona de mim, também não te tenha mais ao meu lado, você que me ensinou a lutar, também me ensinou a perder.



O fato é que nada é para sempre, como as ondas do mar movimentam-se em seu próprio ritmo, assim é a vida. A intensidade fugaz do momento é tudo o que vai ficar na ‘fotografia’ e é nesses momentos que devemos deixar nos preencher, o que vier antes ou depois, simplesmente não merece atenção. A dor, intensa e incalculável, também iria passar, não sei exatamente quando, até lá, contudo, pretendo vive-la ao máximo.



É engraçado, passei sete anos em Beauxbatons, aprendendo como me portar, munindo-me de todo o conhecimento que seria necessário para a chamada vida real. Meu plano sempre foi encontrar um bom emprego, comprar uma casa próxima à praia, onde surfaria todas as manhãs e agradeceria aos deuses por sair vitoriosa. Hoje, essa vida, tão almejada, já não me parecia tão vitoriosa, não quando tudo o que mais desejava era você ao meu lado, possivelmente por isso não mais tenho pretensões para com empregos formais, em verdade, meu único plano é o mesmo que regeu toda minha vida: Sobreviver.



Quando se cresce em um orfanato, apanhando todos os dias pelos mais diversos motivos, literalmente apenas sobrevivendo um dia após o outro, tudo o que se quer é estabilidade. O problema é que você me ensinou que existem dores piores do que as provocadas pelos murros dos garotos no orfanato, ou do cinto da mulher que deveria cuidar de nós. E a tão sonhada estabilidade apenas reforça a dor que rasga meu peito sempre que sua imagem me vem à mente, então, eu corro, como venho correndo desde que deixei Beauxbatons, como corri pela minha própria vida anos atrás quando ainda acreditava conhecer a dor.

Este perfil já foi visualizado 54 vezes. Atualizado pela ultima vez em: 30/06/2019 às 10:34:15