Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Diário do Josh - Últimos dias antes da escola. Joshua P. A. Nolan 3017 17/01/2019 às 11:12:01
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 2491 22/11/2018 às 18:19:24
É LUFA - LUFA!! Oh Ha Na 3581 08/09/2018 às 18:24:13
Indo para Hogwarts! Oh Ha Na 2681 08/09/2018 às 18:20:17
A súcubo do Apocalipse Lilith Ambrew 2609 08/09/2018 às 09:11:11

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Australia Liam Hall-Olson [ 17529 ]

Situação Atual: CADASTRO NORMAL E ATIVO

  • Liam Hall-Olson
  • Mundo Mágico
  • Mundo Mágico

  • NOME COMPLETO

    Liam Hall-olson

  • RAÇA

    Humana

  • CLASSE

    Mágica

  • ALTURA

    1,78m

  • PESO

    78kg

  • OLHOS

    Azul Intenso

  • CABELOS

    Castanho Claro

  • SEXO

    Masculino

  • OPÇÃO SEXUAL

    Homossexual

  • IDADE

    16 anos

  • DATA DE NASCIMENTO

    08/01/2002

  • SIGNO

    Capricórnio

  • NOME DO PAI

    -

  • NOME DA MÃE

    -

  • ORIGEM SANGUÍNEA

    Sangue Puro

  • LOCALIDADE

    Mundo Mágico

  • CIDADE/PAÍS

    Alice Springs/Australia

  • NÍVEL

“A luxúria começa pelo contato consigo mesmo”

Michel Foucault







“Cabeça erguida, concentração, foco, sorria. ” As palavras ecoavam em sua mente repetindo-se continuadamente, como um mantra infalível, cuja melodia era capaz de absorver as dores e cansaços. O orgulho bailava em suas veias, desabrochando-se em movimentos cada vez mais leves, onde a alegria encontrava-se tão evidente que despertava sorrisos em todos os presentes.



Seu coração palpitava no ritmo da melodia que agora acompanhava as palavras sacramentais em sua mente. O corpo esguio refletido nos espelhos dispostos no ambiente rodopiava graciosamente, domando suas próprias limitações, transformando-as em inclinações tão perfeitas quanto desejadas, sendo isto o bastante para alimentar o sorriso leve que adornava seus lábios róseos.



A última nota ecoou pela sala, fazendo com que sua respiração fosse detida enquanto coordenava o corpo em um último salto perfeito, encerrado com uma leve reverencia, fazendo com que se arrepiasse ao ouvir as palmas ecoarem pelo local. Orgulho era a única palavra que poderia exprimir o que sentia naquele momento. Lutar e conquistar era a melhor sensação que já havia experimentado em toda sua vida, compensando, inclusive, todas as dores e horas de treinamentos árduos.



Aos poucos, as pessoas foram deixando o local, deixando-lhe com suas memórias difusas. Naquele momento, em especial, recordava-se do minuto no qual decidira dedicar sua vida a dança: O teatro minúsculo e pouco confortável encontrava-se completamente lotado, abafado e barulhento, então, a prima bailarina rodopiou, várias e várias vezes, terminando nos braços de um rapaz forte e juntos eles se movimentaram como um.



Então, percebeu que o paraíso se encontrava em sua frente: Não existia mais barulho, ou calor, apenas magia! E foi nesse exato momento que a decisão foi tomada! Não existia nada que desejasse mais do que replicar aqueles movimentos e calar multidões com a beleza exalada pelos movimentos de seu corpo.



Os espelhos em torno de si refletiam seu olhar perdido em devaneio, revelando a simplicidade presente no desejo cru que corroía seus pensamentos. Dançar não era apenas algo transitório, ou capricho... Era seu eu cruelmente revelado através da delicadeza dos movimentos arduamente ensaiados.



O 'click' do apagar das luzes fez com que o menino finalmente levantasse a cabeça, revelando seu rosto perfeitamente angulado e seus olhos esverdeados, repletos de esperança e sonhos, componentes conflitantes de um ser repleto de sonhos, cuja realidade os corroía tão sutilmente que não eram percebidos.



- Parabéns – Proferiu diante do espelho sentindo um sorriso se espalhar pelas feições sérias e concentradas. Infelizmente não existia ninguém ali para torcer por ele, no fundo, isso já não importava, havia aprendido a se auto preencher tão completamente que sua palavra era a única capaz de lhe atingir, tanto positivamente, quanto negativamente.



- Belo trabalho, continue se esforçando e talvez um dia consiga sair daqui – Continuou o diálogo jogando a bolsa em suas costas, dando uma última olhada no próprio rosto: Infantil e repleto de sonhos, exatamente como deveria ser.



[...]



Seus passos ecoavam pelos becos vazios, fazendo-o sapatear com delicadeza, transformando a solidão em uma música tão suave quanto o seu ser. A bolsa começava a pesar em suas costas e o suor escorrer pelo canto de sua testa, sua casa ainda se encontrava alguns quilômetros de distância e o collant começava a aderir sua pele ao nível de transformar-se em uma segunda pele.



- Halley - O chamado distante, mas bastante conhecido, fez com que o menino acelerasse os passos, substituindo a leveza e paixão por pressa e confusão. - Tá fugindo, gatinha? - Mais uma vez seus passos foram apressados, tornando-se tão urgentes quanto um samba bem entoado.



-E essa roupinha - A voz dessa vez foi acompanhada por um empurrão que fez com que o pequeno fosse parar alguns centímetros a frente, virando-se na direção de seu agressor. - Se chama collant, vende em qualquer loja de ballet, caso esteja interessado - Respondeu arrumando a bolsa em suas costas, preparando-se para mais comentários idiotas. Eles não vieram. Mas um soco atingiu a face bem delineada antes mesmo que Liam tivesse a chance de desviar.



-Acha que sou como você? - A voz voltou a atingi-lo, assim como um novo soco, seguido de outro e mais outro e outro... A dor agora não atingia apenas seu rosto, fazendo-o cair de joelhos sob o asfalto áspero, ornamentado com o sangue brilhante que escorria de seu nariz.



-Esquisito, bicha - As palavras fizeram com que o pequeno olhasse para cima tentando entender o que se passava, embora já tivesse sido chamado daquela palavra anteriormente, não fazia ideia de seu significado. Forçou o pé contra o asfalto tentando voltar a se levantar, sendo impedido por um chute que fez com que todo o seu corpo fosse ao chão, inclusive a face já machucada.



Xingamentos e palavras desconexas continuavam a ser pronunciadas, mas Liam já não conseguia entendê-las. A dor agora tomava conta de todo o seu corpo, fazendo-o se encolher em posição de defesa. Chutes e socos continuaram a atingi-lo, fazendo-o deslocar a mente daquele momento, prendendo-o em memórias cada vez mais dolorosas.



-Para - Pediu sentindo a voz falhar enquanto tentava engatinhar para longe do rapaz, cujo tamanho e violência sempre acabavam por impedi-lo de dar qualquer passo. - Por favor - Tentou implorar, mas foi calado por um soco que fez com que seu nariz fosse deslocado, assim como suas costelas e todas as partes de seu corpo, ou pelo menos assim lhe parecia.



Dor e escuridão eram as únicas coisas que o pequeno conseguia perceber. Já não sabia quem lhe batia, o motivo, ou a quanto tempo se encontrava imerso naqueles sentimentos, apenas se deixava ir; conduzindo seus pensamentos para momentos de esperança, onde seu irmão apareceria e lhe abraçaria fazendo a dor parar.



No fim, até mesmo a esperança lhe havia sido tirada, até mesmo a dor parecia ter sumido, apenas a escuridão lhe restava. Não resistia mais, nem era tão ruim, se ele fosse ser sincero, era apenas uma presença contínua e irresistível.





[...]





A lembrança é uma das armas mais poderosas de repressão, não importava os anos que separavam o jovem alemão do episódio, ele ainda acordava completamente ensopado pelos sonhos obscuros que o assombravam como morcegos, sempre à espreita, em busca de qualquer sinal de fraqueza em sua mente. O corpo, como era de costume, encontrava-se brilhante devido ao suor excessivo, o rosto, outrora belo e encantador, era decorado por espessas olheiras, as quais ele precisaria de longas horas em frente ao espelho para conseguir encobrir. Contudo, até mesmo a vaidade excessiva, uma marca mais do que frequente em sua personalidade determinada, vinha sendo deixada de lado em nome dos cuidados para com o seu irmão.



“É o justo, ” ele repetia para si perante o espelho todas as madrugadas gélidas enquanto jogava a janta da noite anterior, substituindo-a pelo café da manhã que, possivelmente, viria a ter o mesmo destino. Por fim, ele colocava uma roupa neutra, em nada relacionada com sua real personalidade, caminhando pelas ruas ainda escuras para conseguir chegar ao subemprego que vinha sendo a única fonte de renda dos jovens Hall-Olson.



Liam sabia que não era assim que as coisas deveriam caminhar, ele deveria estar na escola, onde se formaria com todos os louros colhidos pelos muitos anos de dedicação, porém, ali estava, em meio a uma usina, carregando pesos que definitivamente não faziam parte de um treino para sua próxima apresentação de dança. Esta – a dança – aliás, lhe parecia um sonho de uma época distante demais para ser real. Ele sabia que Connor merecia todo o esforço, afinal, o irmão havia sacrificado a própria vida em nome da sua milhões de vezes antes, porém, ele simplesmente não conseguia segurar a lágrima que sempre banhava seu rosto ao passar pela academia de ballet, a mesma onde treinou por tantos anos.



“É apenas uma fase, ” repetiu o mantra que vinha sendo entoado desde que chegara das férias e flagrara o irmão afogando-se em uma garrafa de uísque enquanto rearranjava os livros em uma biblioteca que lhe parecia demasiadamente organizada. No início, ele tentou confrontar Connor, porém, ante a falta de respostas e o acumulo de contas, acabou por assumir o papel de provedor, trabalhando para conseguir tentar equilibrar as contas, ainda que, sendo sincero, se o seu irmão não se recuperasse em breve, ele seria um jovem sem escola, sem casa e, possivelmente, sem irmão, já que as autoridades certamente o internariam, ou algo assim.

Este perfil já foi visualizado 39 vezes. Atualizado pela ultima vez em: 04/07/2019 às 21:35:02